Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Estou morrendo lentamente

Estou morrendo lentamente sob o peso das tuas mãos. Teus olhos, na ingênua sinceridade, chicoteia meu corpo, fadado ao cansaço das madrugadas em claro, olhando janelas, contando espaços, criando histórias, marcando territórios, dizendo tolices sobre tudo o que existe.

Estou morrendo lentamente aguardando que suas palavras digam ao menos mentiras que eu possa acreditar. Teus lábios, na sordícia das minhas fraquezas, traçam meu caminho, enquanto aguardo o teu encontrar-se ao meu, enquanto a brasa consome meu derradeiro cigarro, o café angustia sua própria espera.

Estou morrendo lentamente sob a impossibilidade de concretizar-me. Teus braços, no aperto cálido e úmido do clima que instou freneticamente, sustenta-me sobre o vão abismal que é o teu amor. Não existe possibilidade, somente o querer clássico, o pressentimento frágil (fugace) da adolescência perdida...

Estou morrendo lentamente envolvido pelo teu desejo de assegurar-me dentro de ti, sentir-se preenchida no teu íntimo, enquanto sonhas com teus olhos os olhares que ainda te dou...
Alexandre Miranda de Souza
Enviado por Alexandre Miranda de Souza em 29/09/2007
Código do texto: T673610
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Alexandre Miranda de Souza
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil
106 textos (3250 leituras)
3 áudios (146 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/10/17 08:55)
Alexandre Miranda de Souza