Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Esfinge

Escrever é a arte de moldar a verdade

Por quê expor feridas se você não gosta de dor? Quem não gosta de dor?

Às vezes tudo que precisamos é sentir alguma coisa, não é? Destruir faz parte do processo.

Quanto maior a estrutura, mais belo e gratificante e doloroso é vê-la cair ao chão. Ou abaixo dele.

Se penso é porque dói e se escrevo é porque tá me machucando e se eu estou dizendo é porque você está cutucando a porra da ferida, e se então eu me calo, é porque eu realmente cansei de sangrar por você.

As coisas mudam vertiginosa e inexperadamente rápido demais, e por vezes sinto-me um tanto quanto esquizofrênico.

Já me livrei de diversos sinistros, ressurgi das cinzas algumas vezes.

Porém a sombra mais obscura com a qual me deparei até hoje é a Dúvida. Ela turva a visão, e ecoa. Envenena, deturpa.

A Esfinge e sua sentença maldita. E eu, ando milhas e milhas e milhas, e sempre caio nesse corredor. Eu não sou o único. Ninguém foge de si mesmo. O passado nem sempre é tão distante e o sabor de um bom café logo se esvai.

A pergunta ainda ressoa, silenciosa, aqui dentro. Pode ouvir? Quer ver?

 
     


marvin rosa
Enviado por marvin rosa em 15/10/2007
Reeditado em 16/10/2007
Código do texto: T695924

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
marvin rosa
Santa Isabel - São Paulo - Brasil, 29 anos
204 textos (10908 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/08/17 03:48)
marvin rosa