Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Como conviver com a morte?

A veracidade da finitude humana é incontestável. Embora esse seja um fato comum e natural, o bem supremo da humanidade é a existência e, por isso, o ser teme a morte. Falta no ser humano uma aceitação da morte como, apenas, mais uma etapa da vida, mesmo que seja árduo conviver com tal certeza.
Essa dificuldade para acolher a morte de forma natural deve-se, principalmente, ao que Schopenhauer afirmava ser a essência íntima do homem, a vontade de viver. Assim, por esse desejo ser inconsciente, o ser humano lança mão de paliativos que ofusquem a chegada da morte: ideologias religiosas, tecnologias capazes de modificar os efeitos da velhice.
Dessa forma, o fim da existência do ser humano se transforma em uma perturbação para o ser deveras apegado à vida. Para aliviar esse tormento, a humanidade abriga em seu subconsciente a ilusão da imortalidade da alma e de um mundo melhor, após a morte. Com esse pensamento retrógrado, a humanidade inibe a vertente realista da morte.
Assim, a humanidade tem regredido na forma pela qual convive com a sua finitude, fato que não era comum nas sociedades pré-modernas, em razão da coletividade e da forma realista em que elas viviam. Com isso, nota-se que a individualização da consciência humana, desenvolvida no decorrer do século XX, em virtude do caráter competitivo apresentado pelo capitalismo, é o que mais atrapalha a aceitação natural da morte.
Portanto, é necessário que o ser humano admita sua vulnerabilidade diante de uma existência efêmera e repleta de incertezas. Para isso, seria imprescindível o desenvolvimento de uma conscientização mais coletiva e realista. Assim, seria possível, até, tratar a morte de forma humorada, como propôs Freud. Essa representaria, indubitavelmente, a melhor maneira para conviver com a morte.

Alexandre J. Nobre.                
Alexandre Nobre
Enviado por Alexandre Nobre em 11/11/2007
Reeditado em 14/11/2007
Código do texto: T732324

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre J. Nobre). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Alexandre Nobre
Maceió - Alagoas - Brasil, 29 anos
7 textos (648 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/08/17 12:55)
Alexandre Nobre