Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

" Entrevista com uma ET " Segunda parte "

                       Entrevista com uma  ET *

                    *( Entidade Transdimensional )

                        " O DOUTOR PISSIKÓ "


Dr. Pissikò, o problema da saúde no Brasil é explicável?

Nãonão, nãonão, como sim?
Para o povo pequeno um horror, um coisa pavorrosa!
Saúde é um bem indiscutível do especie vivente. Saúde um bem obrigatórrio!
Aquí, os galinhas e os cabras tem mais direitos à saúde que os Brasileiros, desde muito, não é de agorra!

Os vacas recebem médicos nos estrebarias, os galinhas recebem tratamento médico preventivo. Um galinha, um curió, é melhor que gente, gente que construiu este nação?
Pensar bem senhor Dalfiorra, meu indignação!

Até o bé de banana tem assistência médica quando está doente. Até o bé do rebôlha.
Um cabeça de repôlho ser melhor que uma criança, Dalfiorra?

Brasileiro às vezes parece um novilha indo parra o matador. Não reagir, não defender nenhuma causa, não defender siquer os direitos por sobrevivencia!
Lutar por dignidade e respeito é luta elementar, e precisa ser enfrentada e vencida!

Onde adoecer, procurar o hospital mais proximo e exigir atendimento. Hospital mandar conta parra o Ministerio do saúde. O povo não pagar imbostas?

Convocai os grupos dos direitos humanos, os padres capuchinhas, os padres do canto gregorriano, os bastorres evangélicos, os Ongs, os movimentos pela saúde.
Se não resolver chamem o bolícia, os debutadas eleitos pelo vota bobular, os movimentos Gays, os Carnelitas e lutadores do capoerra. Os uivos da rua o governo escuta. Quando o povo uiva, alguma coisa acontece.

Mas é bom lembrar que o brasidente sozinho não resolve tudo.
Existem forças gigantescas que ganham muito com o desgraça alheia. Uma vez digo que o bovo tem que ajudar indo parra os ruas.
Os governantes fazem muito quando são acuados pelos berros da rua. O bresidente Brasileirinho do Zilva não vai fugir deste empreitada. É um homem de coragem e conhece as desgraças do povo!

( Brasileirinho, senhor está me devendo este grande recital da saúde)


Dr. Pissicó, o brasileiro trabalha muito?

Não muito, mas aprecio este causa!
O homem não precisa trabalhar mais que cinco horras por dia, o bastante parra viver com dignidade.
Quem trabalha muito, além do que deve, está se matando!
O nossa dimensão está cheia de criaturras que suicidarram com o trabalho.
Um pessoa que trabalha além do nescessário, não tem tempo parra se espiritualizar.
Não tem tempo parra os amigos, o família, não tem tempo inclusive, parra bailar no meio dos bernas do bem amada:

Zeu phóda é galinácea, seu esfincter é travado, sua cabelerra é rala, seu hálito azedo, zeus movimentos nervosos, sua fé bambeia!
De noite ronca, e nos madrugadas Beida!

Deverria existir um tratado universal pelo trabalho parra todos, e carga horária justa!
Homem brecisa abroveitar o vida. Assim como está, a vida é que está aproveitando o homem!


Poderíamos falar um pouco sobre amenidades?

Sou todo dispor!


O Senhor posaria nu para a revista Boy Boy?

Nãonão! Como sim?
Como eu mostrar meu genidália Senhor Dalfiore?
Minha varrinha é parra o fêmea do coração. Parra fazer gemer o corração do meu pedacinho do parraíso. Aliás, erra!
Zenhor um provocador. Não gostar do ideia!


O senhor ja foi mulher em alguma encarnação?

Zim...Zim... como não? Como não?
E mulherzinha do povo. Biscate!
Naquela época eu não rodava bolsinha porque não tinha como comprar. Rodava uma sacola de pano, um embornal.
Aceitava qualquer paga. erra uma merda no cama. Mulher de uma phóda só. Rainha dos aflitos!

Ah! Nós mulheres sofríamos tanto a indelicadeza dos homens!
Queríamos até fundar um bartido bolítico, o BT do S - Bartido das Trabalhadoras do Sexo, mas não deu certo. Érramos desunidas.


O que te deixa feliz, com o mais belo sorriso no rosto?

Os mulheres do Bresil no tercerra idade, felizes do vida, escrevendo boesias de amor marravilhosas, fazendo seu ginastica no água, caminhando pelos braias. Indo em busca do tempo perdido.
O fêmea madurra descobriu o teson e quer uma garrande, garrande,
imenso amore!


O senhor gosta de futebol?

Não gostar mais do foot-bol. Fiz tudo parra zalvar Heleno de Freitas do loucurra. Gostava do seu foot-bol.
Com ele morreu a elegancia desta arte. Parecia um deus descido do Olimpo, com um bola nos pés.
Outro dia no espanha, fui assistir um partida e admirei um craque quase perfeito quanto Heleno, e erra barrasilerro. Acho que erra Ronaldinho o nome.
Tinha uma linda cabelerra esvoaçante, e parrecia um anjinho barrôco brincando com o bola. Fiquei marravilhado!


As drogas, como o senhor as vê?

Sempre existiu. Desde os imbérios do Babilônia e do China.
Erra usada nos grandes comemorrações, ou grandes cerimônias religiosas.
Os sacerdotisas em seus oráculos usavam os vaporres alicinógenos parra libertar o imaginação.
O burguesia Romana usava moderradamente. Era muito cara o droga.

O garrande broblema é que ela ficou democrática, e foi de encontro ao nariz do povão.
A grande massa é imbecil e indiscreta em qualquer lugar do terra.
Conseguimos produzir uma civilizaçon sem valorres espirrituais.
A selvageria do capital produziu desencantados. Somos uma legião de desiludidos. Nos esquecemos de Deus.
E nos mãos dos despreparados, até um vinho inocente é uma arma.


Com quem o senhor dividiria o mesmo travesseiro?

Risos, muitos risos, finalmente...

São tantas as tesões que eu sentí, e tantas emoções...
Que é melhor eu ficar quieta. Nunca fui santa!
E não fique me olhando com este cara de viado minerro!
Se estou no vibraçon energética do terra, eu vibro como terrestre, portanto tenho teson sim zenhor!
E não vou perder tempo com eqsplicações metafísicas. Senhor não entenderria!


E a sua terra, como o senhor a vê?

Com tristeza! O povo do germania so quer saber de construir carros,
maquinas e consumir zuperfluos.
Perderram a poesia e o lirismo dos seus eqxuberantes boetas.
Sinto um grande nostalgia. Perderam até o encanto dos bailes, dos grandes valsas.
Perderam-se o encanto dos nossas fêmeas no materialismo mais grosserro. Tenho pena meu bovo!


O senhor gosta da culinária brasileira?

Adorro o comida daquí. O alemanha não faz boa comida:
Repôlho/Salsicha  -  Zalzicha/rebôlha. Um horror!


Gosta do vatapá?

Adorro vadapá frio, o quente atiça meu hemorróida!


Gosta da muqueca mineira?

Não muito! Abrecio o queijo, o bão do queijo, o carne do suína bem temperrada, o tutú e o feijão troperro.
Gosto muito do carne de sol com aboborrá que se faz em governador Valadares.
O comida minerra é eqsplêndida!
Mas muqueca só eqxiste uma, o Capixaba!

Muqueca é Capixaba, o resto é porrada!!!


Com a graça do altíssimo vamos encerrar por hoje, algum pedido?

Sim...Sim...
Querro o musica do flauta zenhor Katuá!
Querro ouvir um adágio marravilha que só ele sabe executar!


E boa noite e amanhã feliz!














Jose Balbino de Oliveira
Enviado por Jose Balbino de Oliveira em 29/08/2007
Reeditado em 29/08/2007
Código do texto: T629044

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Jose Balbino de Oliveira
Vitória - Espírito Santo - Brasil
408 textos (180394 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/08/17 07:13)

Site do Escritor