Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

PÍLULAS VII

 

                    DELICADEZAS




- Quando chega o jornal, ele separa logo a parte de política. Joga de lado, nem lê mais.
- Por quê?
- Tem o estômago delicado, coitado.


- Juninho, vem cá... Estou preocupado com tanta delicadeza... Seja mais macho, meu filho.
- Pra quê? Ser muito macho dá muito trabalho, papai: coçar o saco em público, ir ao estádio ver jogador brigando, inventar que comeu um monte de mulher e ainda ficar sem nada quando a esposa pede o divórcio...


- Huuummm... adoro ver as tortas que Dona Cecília faz. São tortas sábias...
- Tortas sábias? O que é isso?
- Elas parecem com certas pessoas, delicadas por fora e uma porcaria por dentro...


- Ele é delicadíssimo... Diz que  adora jantar lá em casa à luz de velas...
- Boba. Conheço a peça. Gosta de jantar na tua casa pra não pagar a conta do restaurante.


Guia:
- Vejam: aqui até os homens fazem renda de bilro...
Turista:
- Quanta delicadeza...
Rendeiro:
- Delicadeza, dona? É falta de emprego mermo.


- Amor, seja delicado comigo, tá? Hoje só quero que você me xingue, bata minha cabeça na parede, puxe meus cabelos e aperte meu pescocinho...






Raimundo de Moraes
Enviado por Raimundo de Moraes em 09/09/2005
Reeditado em 09/09/2005
Código do texto: T48945

Copyright © 2005. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Raimundo de Moraes
Recife - Pernambuco - Brasil
43 textos (8358 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 01:28)
Raimundo de Moraes