Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

REGÊNCIA – estabelece relações sintático-semânticas entre termos regentes (verbos e nomes) e regidos (respectivos complementos).

VERBOS MAIS COBRADOS EM CONCURSOS
 
1. ASSISTIR
a) Significando dar assistência, prestar auxílio, não tem preposição.
Ex.:
O médico assistiu o doente.

Obs.:
Modernamente têm-se aceito a predicação de transitivo indireto nesses casos.
Ex.: O médico assitiu ao doente.

b) Significando ver, perceber. Exige a preposição A.
Ex.:
Ele assistiu ao filme.

c) Significando caber, competir, exige preposição A.
Ex.:
Não lhe assiste esse direito.

d)
Significando morar, exige preposição Em.
Ex.: Ele assiste em Paris.
 
2. ASPIRAR
a) Com o sentido de cheirar, inspirar, sorver não tem preposição.
Ex.: Ela aspirava o perfume.


b) Com o sentido de almejar, pretender. Exige a preposição A.
Ex.:
O jovem aspirava ao bem de todos.

 
3. VISAR
a) Com o sentido de pôr o visto, não tem preposição.
Ex.: A moça visou o documento.


b)
Com o sentido de mirar, não tem preposição.
Ex.: Ele visou a cabeça do animal.


c)
Com o sentido de almejar, pretender exige preposição A.
Ex.:
Visamos à paz interior.

 
4. PAGAR E PERDOAR - Pedem coisa sem e pessoa com preposição.
Ex.: Perdoamos o erro, ou Perdoemos aos inimigos, ou ainda Perdoemos o erro aos inimigos.
 
5. CERTIFICAR, CIENTIFICAR, PREVENIR, AVISAR e INFORMAR. Pedem complementos de coisa e de pessoa indistintamente.
Ex.: Avisei-o do perigo ou Avisei-lhe o perigo.

Obs.: É errado
: Avisei-lhe do perigo. (Dois objetos indiretos)

 
6. PREFERIR – Pede dois complementos, sendo um deles com a preposição A. Não admite expressões de intensidade, nem conjunção que (ou do que).
Ex.: Prefiro mais a natação do que o futebol. (errado) -
Ex.: Prefiro natação a futebol. (certo)


Obs.:
Com artigo no primeiro, o segundo núcleo será precedido de preposição. Ex.: Prefiro a natação ao futebol.
 
7. CUSTAR
a) Significando preço ou valor não tem preposição.
Ex.: O livro custou quinhentos reais?


b) Com o sentido de dificuldade, exige a preposição A.
Ex.:
Custou ao aluno entender a lição.

Obs.:
não se faz a construção cuja pessoa seja o sujeito do verbo custar.
Ex.:
O aluno custou a entender.
 
8. CHAMAR
a) Com sentido de pedir a presença, não tem preposição.
Ex.: Chamei-o ao escritório.

b) Significando clamar, exige preposição POR.
Ex.: Chamava por Deus sem convicção.


c)
Significando ofender, apelidar pode ter ou não preposição.
Ex.: Chamei-o de bobo ou Chamei-lhe de bobo.


9. ESQUECER, LEMBRAR, RECORDAR
a) Não têm preposição.
Ex.: Esqueci o compromisso.


b)
Como verbos pronominais exigem preposição DE.
Ex.: Esqueci-me do compromisso.


c)
Exigem preposição A quando a coisa lembrada ou esquecida é o sujeito da oração.
Ex.: Esqueceu-me os compromissos.
 
10. IMPLICAR
a) Significando perturbar exige preposição COM.
Ex.:
Ele implicou com o colega.


b) Significando acarretar, pressupor, não tem preposição.
Ex.:
O amor implica responsabilidade mútua.

 
11. QUERER
a) Significando desejar, não tem preposição.
Ex.:
Ele quer o livro.


b) Com o sentido de gostar, exige preposição A.
Ex.:
Eu quero bem aos alunos.

 
12. AGRADAR
a) Significando fazer agrado, carinho, não tem preposição. Ex.: A mãe agradou o filho.
b) Significando ser agradável, exige preposição A. Ex.: Isto não agradou ao professor.
 
13. RESPONDER
a) Não tem preposição em relação à coisa respondida.
Ex.:
Ele respondeu que iria.


b) Em relação a quem se responde, exige preposição A.
Ex.: Respondemos ao amigo.

Obs.: Pode vir com os dois objetos. Ex.: Respondeu ao amigo que iria.
 
14. CHEGAR
a) Significando lugar, exige preposição A.
Ex.: Cheguei a casa mais cedo.


b)
Significando tempo, exige preposição EM.
Ex.: Ufa! Cheguei na hora.


c)
Significando aproximar, não tem preposição.
Ex.:
Chegue a cadeira para cá.


d)
Significando deliberar, exige preposição A.
Ex.: Chegamos à conclusão esperada.
 

________________________________________________________________
 

CRASE
– é a fusão de dois sons vocálicos idênticos.
Ex.: Vou à França e à Dinamarca nas minhas férias.
 
1. A crase é feita com preposição A e as seguintes palavras:
a) Os artigos A e AS.
Ex
.: Vou à praia.

b)
Os pronomes demonstrativos (aquele, aquela e aquilo).
Ex.: Refiro-me àquela moça ou Refiro-me àquele rapaz ou Refiro-me àquilo.      

c)
Os pronomes relativos (a qual, as quais). Ex.: A menina à qual nos referimos é linda.
 
2. Ocorre obrigatoriamente a crase:
a) Se houver o artigo A antes da palavra feminina e o verbo exigir preposição A.
Ex.: Vou à cidade.

b)
antes dos nomes das partes do mundo, nações e províncias.
Ex.: Vamos à África?.

c)
na indicação de horas exatas.
Ex.: Encontre-me às quatorze horas.

d)
nas locuções adverbiais, prepositivas e conjuntivas.
Ex.: à força / às cegas / à vontade / às vezes / às duas / às claras / à flor da água / quanto à forma.

e)
Antes das palavras moda ou maneira expressa ou subentendida.
Ex.: Ele escreve à (moda) Rui Barbosa.
 
3. Casos Especiais
a) Não haverá crase antes da palavra terra (em oposição a bordo).
Ex.: Os homens desceram a terra. Porém: “Os homens desceram à terra dos violentos.”

b)
Não haverá crase antes da palavra casa (lar, moradia).
Ex.: Voltei a casa para almoçar. Obs.: Se houver especificação, haverá crase: Ex.: Voltei à casa de Elza.
 
4. Crase Facultativa
a) Após a palavra ATÉ.
Ex
.: Vamos até à praia ou Vamos até a praia.

b)
Antes de nomes de pessoas do sexo feminino.
Ex.: Rita fez alusão à Rosane ou Rita fez alusão a Rosane.

c)
Antes de pronomes possessivos femininos.
Ex.: Agradeço à minha aluna ou Agradeço a minha aluna.

Obs1
.: se o pronome estiver no plural e a regência o exigir, terá acento obrigatório.
Ex.: (sem acento) Vi as suas primas ou
Ex.: (com acento) Entregue às suas primas.

Obs2
:
se o pronome é substantivo e a regência o exige, leva acento.

Ex.: Não dê à (ou a) minha mãe, e sim à sua.

Nelson Maia Schocair
Enviado por Nelson Maia Schocair em 22/12/2009
Reeditado em 22/12/2009
Código do texto: T1990303

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor e o link para o site www.professornelsonmaia.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Nelson Maia Schocair
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 54 anos
76 textos (504755 leituras)
1 e-livros (1453 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/12/14 19:32)
Nelson Maia Schocair



Rádio Poética