Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

SÓ PENSO EM HAIKAIS

Na quase manhã
há algazarra de pássaros
em revoadas
............

A rosa acorda
bebe o sereno da noite
se abre úmida
.............

cada olhar é único
a vida não se repete
o olhar a completa
..............

A gota de água
no fio de arame hesita
baila na luz
...............

A arte de morrer
a gota d’ água sabe
vive sem apegos
................

Chegada a velhice
vão-se os prazeres
fica o condor
................

Diz Martín Fierro
que o diabo é perigoso
por estar velho
................

A chuva canta
na vidraça da janela
lágrimas nos olhos
.................

Por um instante
acaricia meus cabelos
uma brisa morna
.................

Fico cismando
de repente desperto
no cotidiano
.................

Todo o velhaco
com gesto descuidado
se revela
.................

O terrorismo
de Bush ou Binladen
qual deles é pior?
.................

Toda a guerra
carrega nos braços
sangue inocente
.................

Senti saudades
Por toda a minha vida
de quê nem sei
.................

Apenas o vento
diz que vi outros mares
ele sempre mente
.................

Sou pássaro
migratório de regresso
ao ninho antigo
.................

Bem no fundo
da gaveta  das coisas velhas
o gosto de teus beijos
.................

Lábios róseos
minha canção de espera
com teu perfume
.................

O tempo derrama
na luz do crepúsculo
muitos olhares
.................

Vento minuano
varre o frio da  tarde
ao sol poente
.................

Um vaga-lume
acende seu lume na noite
e faz  poesia
.................

Será que a lua
incendeia os amantes
na madrugada?
..................

As flores abrem
à espera de abelhas
que as fecundem
...................

Sobre a idade
mentiu mentiste menti
sempre mentimos
...................

O meu abrigo
é uma canção de ninar
que a mãe cantou
....................

Habita em mim
um sonho antigo
de virar nuvem
...................

A poeira do tempo
carregou a luz de teu olhar
ficou eco de passos
....................

lugar perdido
nem mesmo em sonhos
podes visitar
.....................

O chamego das aves
tece casas com gravetos
música dos ninhos
.....................

Todas as certezas
são provisórias
o amor é eterno
.....................

O que é o amor
quando vamos amor
por que se ama?
.....................

Por que o vento
não varre para longe
as minhas tristezas?
.....................

Onde andará
o menino cheio de sonhos
acaso morreu?





José Luongo da Silveira
Enviado por José Luongo da Silveira em 20/07/2006
Código do texto: T197750
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
José Luongo da Silveira
Santa Maria - Rio Grande do Sul - Brasil
78 textos (1180 leituras)
1 e-livros (50 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 06:57)
José Luongo da Silveira