Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto


SER MULHER
Guida Linnhares

Tu que és o celeiro do mundo
trazes em teu santo ventre
as sementes do amanhã.

Parindo em dor,
sorri diante da tua criatura
que geraste em nove meses de amor.

Olhas o teu homem
com amor terno e desmedido
fazendo dele um rei mui querido.

Cuidas das tuas crias
com desvelo e carinho,
para que um dia
as coloque a voar fora do ninho

Tu sabes mulher avaliar as horas
melhores para a semeadura,
a rega, o nutrir, o plantar
e o colher frutos,
sejam doces, amargos ou
até mesmo em decomposição,
ainda assim tu os planta na mãe terra,
para a sublime transformação.

Só tu sabes como nunca,
gueirreira valente que és,
arrancar uma a uma, todas as ervas daninhas
dos territórios que tu ocupas,
e às vezes até daqueles distantes,
mas que teus olhos alcançam,
através da solidariedade para com os
menos aquinhoados pela sorte.

Ainda que te sangrem os dedos
e a mão não aguente tanta força,
ainda assim lutas como uma moura
na defesa dos que te são caros,
muitas vezes esquecendo de si mesma.

Pelas tuas crias não medes sacrifício
por elas vale o amor que tu dedicas
de corpo, alma e solicitude,
plena de esperança, mesmo que longe já
estejas da juventude.

E vais levando a vida semore
olhando o teu entorno e
salpicando ora de flores, ora de estrelas,
mas também de valores
teus filhos queridos
teu marido amado
teus familiares de origem
teus amigos encantados.

E assim, dia a dia
vais escrevendo páginas da tua vida,
num imenso livro encarnado,
que às vezes traz em suas páginas,
sangue, suor e lágrimas
mas sobretudo doação,
compreensão,
muito amor,
muita paixão pela vida,
materializando sonhos,
despertando esperanças,
aliviando amargores,
suportanto silenciosamente
ou às vezes falante demais
todas as dádivas dos céus.

Inúmeras vezes te pegas pensando,
não tenho tudo que amo,
mas amo tudo o que tenho e neste vai e
vem de pensamentos, ponderas sobre
aqueles que nada tem,
um séquito de criaturas sofridas,
sem eira nem beira,
vivendo sem dignidade,
sem as minimas condições de sobrevivência,
então teu coração transcende
e vertes lágrimas pelos teus
irmãos desprotegidos.

Porisso tudo que tu és a Beleza encarnada,
que Deus Pai colocou no mundo
serás sempre homenageada
com respeito e amor profundo.

&&&

Com estas singelas palavras
homenageio as grandes mulheres
da minha vida
Minha mama, que quase aos 80 anos
ainda luta bravamente
pelo bem estar e felicidade dos filhos,
ainda que em luto pela perda
de um deles, entre lágrimas e sorrisos
nos abraça fortemente com seus
imensos braços à la italiana
e nos diz serenamente >
não se preocupe, no fim tudo dá certo...
e estas palavras que ela repete,
minha avó também falava,
minhas manas também guardam
e minha filha também acredita,
portanto abençoada sou,
pelas mulheres da minha vida,
que Deus as abençoe sempre!

Santos/SP/Brasil
08/03/06

Arte: Diego Rivera

&&&


Guida Linhares
Enviado por Guida Linhares em 08/03/2006
Reeditado em 21/03/2013
Código do texto: T120670
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Guida Linhares www.guidalinhares.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Guida Linhares
Santos - São Paulo - Brasil, 70 anos
1939 textos (158334 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 05:00)
Guida Linhares

Site do Escritor