Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Ao meu Pai - Feliz dia dos Pais

Primeiro quero dizer que o que escreverei aqui não é demagogia, hipocrisia, tão pouco comercial, é uma homenagem, um desabafo, uma reconciliação à aquele que fisicamente não posso mais abraçar, mas abraço todos os dias em pensamento e prece... Meu Pai.

***********************************************************

"Eu fui só  bandido... desculpa, não deu para ser o herói..."

Aos prantos (os dois) ouvi-te dizer isto, ao qual aos soluços respondi:

"Você foi o bandido mais esperado, o herói mais amado que
em minha vida existiu..."

Faltam palavras, faltam lembranças, e as que ficam fazem-se
poucas tamanha a saudade e o vazio que ficou.
Se eu pudesse fazer um pedido à um gênio, ao menos 1, de certo que seria voltar no tempo, não para DESfazer e sim FAZER as coisas que deixei...

Um abraço no dia dos pais quando seus olhos me olhavam a suplicar um oi e nem isto fui capaz...

Um beijo no rosto quente, um carinho nos cabelos lisos e de comprimento médio que tão belos eram...

Um te amo engasgado trocado pelas palavras daquele silêncio que falava mais alto a NOS magoar...

Desculpa meu orgulho, perdoa pela mágoa diante de seu silêncio envergonhado por saber-se "culpado" de uma ausência dolorida... eu deveria ter tido mais
paciência, mais consciência e abraçado-te naquele dia.

Hoje é dia dos pais, mas todos os dias são teus, MEU PAI, porque não há um deles sequer que não me lembre de ti...

Foi tão bom quando nos refizemos, mas tão pouco o tempo que nos deram, que aquele vazio que havia ha anos, apenas aumentou.

Espero que aquela carta de desculpas, mesmo tardia, tenha sido entregue corretamente ao destinatário certo, "SEU CORAÇÃO!"

Que as culpas que te fiz sentir tenham se desmanchado, que tudo de ruim tenha ficado num passado que de tão longe quase nem se percebe mais...

Que as dores que te causei tenham se transformado em amor e aprender, pois as minhas assim o foram...

Perdoa não visitar seu túmulo, mas não posso ir, dói tanto... voltam as lembranças de meu último beijo em sua testa, minha mão segurando a sua, meus lábios a dizer-te
que tudo bem, podias ir que tudo ficaria bem... e você foi...

Não posso ir lá, e nem acredito que você esteja mesmo naquele lugar deserto, sombrio... Não, você não está, eu sei!

Então recebes meu beijo assim, desta forma, aqui, e o meu abraço mais apertado, meu pensamento mais engraçado e saiba que pra sempre serás o meu único:

HERÓI!....

Este ano em especial trago um presente para ti aqui dentro de mim, um presente que tanto quis lhe dar em vida e não foi possível, mas agora está aqui... quem sabe é mais do que isto, quem sabe ao invés de dizer
"Vem brincar de vovô com meu filho no tapete da sala de estar..." eu possa dizer "Vem brincar de filho comigo..."

Te amo, pai... (saudade... muita), até já!

13/08/2006
Pappoulla
Enviado por Pappoulla em 11/08/2006
Código do texto: T213799
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Pappoulla
São Paulo - São Paulo - Brasil, 36 anos
4 textos (311 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 10:21)
Pappoulla