Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

AGRADECIMENTO DOS FILHOS AOS PAIS.

Mãe e Pai. Agradeço todo carinho e dedicação. Agradeço as horas de sono que vocês perderam para cuidar de mim. Agradeço o carinho é a presença em qualquer circunstância, não importando  se tinha que estar em outro lugar. Pois vocês sempre disseram: "Aqui é lugar em que devo estar". Agradeço todos os esforços somatizados ao longo dos anos para moldar hoje o ser que sou. Agradeço pela educação, alimento. Pelos longos conselhos e preocupações para comigo. Por me ensinar a dar os primeiros passos. Por acompanhar meu desenvolvimento e rir com meus primeiros “tombinhos” e por se emocionarem com minhas primeiras palavras. “Tombinhos” de gente miúda, tentando imitar os grandes... ENFIM, OBRIGADA POR ME DAR A VIDA E TODO SEU AMOR DE FORMA INCONDICIONAL E ÚNICA.
Talvez hoje pai e mãe, podemos nos encontrar um pouco mais afastados, mais distantes. Porém, isso não quer dizer, que não os ame. Pelo contrário, quer dizer que os amo tão profundamente que até em pensamentos, de bocas serradas ou até mesmo de olhos fechados, posso sentir a presença acolhedora de vocês.
Sim. quer dizer, que não sou mais uma "criança", e que estou crescendo, e rápido. Que luto para edificar meu "lugarzinho" nessa terra, solidificando-me com as experiências do palco da vida. Onde vocês meus queridos, nos deram as mais valiosas instruções. Mas precisam entender, que nos deixar cair faz parte do processo e que dessa dor resultarão as melhoras lições de vida. E que a cada dia, estamos  aprendendo com nossos próprios erros a nos tornamos pessoas melhores, e por ventura, continuarmos a fortificar nossos pontos positivos. Transmitidos tão pacientemente por vocês.
E que por muitas vezes, mesmo que "meio" bobos, dispensamos tantos bons caminhos indicados por quem já passou por muitas coisas na vida.

Buscar nossa independência, não significa dizer que vamos colocar um abismo entre nosso relacionamento.  Significa apenas, que queremos viver um pouquinho da nossa insanidade de gente jovem, imatura e que apanha muito para aprender a viver. Que sorri e chora no cantinho bem escondidinho. Que não deixa transparecer os pontos fracos, sempre tentando nos colocar como seres ultra, mega fortes, quanto na realidade, queremos pedir muitas vezes um "colinho", "uma abraço", "um afago" de mãos e ombros mais "calejados".
E por tudo isso, pai e mãe, que de coração aberto peço perdão por todos os momentos em que perdi o controle, por todos os momentos que fiquei aborrecida por bobagens e por todos os momentos em que disse coisas cruéis e impensadas que magoaram intensamente.  Quando deveria de fato, fazer e dizer, coisas positivas e estampar o maior sorriso do mundo. Exaltar a cada instante, minha gratidão, por vocês existirem e me fazerem tão e completamente feliz. Por serem seres plenos e complacentes. Por sempre terem  o dom divino da abnegação, de pura amizade e zelo ao me livrar de pedras no caminho.
Sei que somos seres diferentes, que seremos "idênticos" em muitos pontos de nossa personalidade, como em outros não. Entretanto, preciso lhes dizer todos os dias que os amo e sempre vou amá-los! Que na sua velhice vou zelar por você, como zelou por mim quando era um ser pequeno e frágil. E que até os últimos segundos de sua vida na terra, vou estar ao seu lado. Sou e sempre serei grata por tudo o que fez por mim. VOCÊS ESTARÃO PARA SEMPRE GUARDADOS MUITO ALÉM DO CORAÇÃO, MAS SIM CRAVADOS EM MINHA ALMA! OBRIGADA PAI É MÃE

PATRICIA NEGREIROS DO COUTO
Patricia Couto
Enviado por Patricia Couto em 24/03/2012
Reeditado em 24/03/2012
Código do texto: T3573079

Copyright © 2012. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Patricia Couto
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 24 anos
17 textos (5249 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/12/14 19:35)
Patricia Couto



Rádio Poética