Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Universo Paralelo


Dentro de um transporte coletivo, de tudo se ouve, já ouvi muita coisa estranha,absurda; mas nenhuma até agora me estarreceu tanto, quanto a seguinte frase : ”não acredito que livros venham a mudar minha vida...” pela formulação da frase percebe-se que essa pessoa acreditava ser bem formada e interada de muitos assuntos, em suma um ser moderno e acima de tudo acreditava ser uma Criatura pensante...

O pequeno grupo dirigia-se a uma have (psy)  e estavam bem animados... falando, rindo, porém quanto a fatídica frase foi proferida, todo o grupo ficou em silêncio e todo o ônibus pareceu parar e ouvir aquela sentença... ninguém parecia acreditar que aquele ser  alto, esguio de cabelos com uma coloração não muito definida, um tanto deslocado naquele local, pois pertencia a outra camada da sociedade, não mais alta ou mais baixa melhor ou pior, mas daquela seleta parcela dos seres que vivem no planeta Terra e no entanto não pertencem ao mundo real... vivem num universo paralelo e quando por algum erro no caminho (carro quebrado, fim da mesada...), aportam nesse universo paralelo chamado estranhamente de realidade, começam a agir de modo estranho...quer dizer, ignoram que existam outras coisas no planeta, outras formas de vida...onde seres humanos que possuem um cérebro e que antes de mais nada querem expandi – lo ou ao menos tentam, numa tentativa de se integrarem a esse curioso mundo, diverso da cibernética e de tão variadas tecnologias, não que este Universo ignore ou rejeite tais preceitos, muito pelo contrário toda inovação é bem vinda, só estas “evoluções”  (se é que se pode chamar assim) não deixa para trás o que permitiu que tudo chegasse onde chegou, os meandros percorridos, tudo é válido...
Outras “pérolas” da “ingnorância” daquele ser foram saindo de sua boca, como se estivesse fora de controle, o silêncio e expressões de choque, interpretadas como parte do sucesso e aceitação de seus dizeres, só serviram para estimular tal criatura, como se  em seu mundo, ninguém ouvisse ou prestasse atenção a qualquer coisa que não fosse si  mesmo e isso certamente faz falta, a todos os seres humanos (mesmo a esses)...

Num dado momentos, seus amigos tentando amenizar a situação, perguntou-lhe sobre os programas que assistia, se havia assistido ao filme “Matrix”, ou ouvir a resposta os amigos ficaram um pouco aliviados, afinal nem tudo estava perdido (foi o que pensaram...) :

“- Aí o Keanu Reaves estava ótimo !!! Já assisti umas 8 vezes !!!!  “

Novamente silêncio esse mais denso que o anterior..após 8 sessões do mesmo filme , a Criatura só conseguia enxergar o ator principal...a coisa estava ficando cada vez mais crítica, porém o apogeu foi no momento que empolgada por esse novo silêncio, resolveu falar sobre programas de televisão... só coisas que “alimentam” os neurônios...como seriados americanos, com situações impossíveis... passatempo... internet, não se deixe iludir... nada que possa levar ao menor estimulo neural, afinal a cada vez que seu pobre cérebro tentava qualquer interação com o neurônio vizinho, os sintomas eram imediatos, naúseas, dores de cabeça (devido ao supremo esforço)... o mais terrível era sempre que se aproximava de um livro...esses sim eram seus maiores inimigos... dores de cabeça terríveis... que só podiam ser curadas com muito psy na cabeça, o maravilhoso mundo da televisão ou virtual, onde não seja necessário pensar, nem por um instante... afinal como afirmara “pensar além de dar muito trabalho, dá uma dor de cabeça danada ! “

Em meio a todo esse mar cultural que me vi obrigada a participar, mesmo por osmose, uma pergunta ficou sobrevoando minha deficitária mente, que a muito custo tenta articular pensamentos (nem sempre felizes). O que faria um Ser desse se por qualquer motivo acabasse a energia elétrica ? Quanto tempo suportaria ? E se por alguma punição fosse obrigada a viver para sempre nesse Universo Paralelo, chamado realidade...não  consigo imaginar nada... é isso continuaria sendo um nada, o que não é diferente de sua atual situação.

Como viver num mundo onde a televisão, dá tudo pronto se é usar a  imaginação para dar continuidade a uma estória ? É muito melhor olhar o mundo pela televisão, num segundo... livros o que bicho é esse ? É uma marca nova de botas ? De óculos escuros ?

Mas diga uma coisa . Pensar pra quê afinal ? Músicas com letras e melodias?  Um amontoado de folhas grudadas umas nas outras, com letras espalhadas e sem FIGURAS !!! Que coisa mais primitiva !!!! É por essas e outras que o Brasil não vai pra frenti !!!

É muito mais fácil viver num mundo de fantasia, onde os fantoches são orquestrados pelo mundo da televisão...recheados de botas, óculos escuros, roupas brilhantes, uma realidade montada, fantasiada como um conto de fadas, sem moral da história. Onde se repete incontáveis vezes:  “moro num país tropical, abençoado por Deus e bonito por natureza ...” o que mais alguém precisa saber e querer... é ... realmente nenhum livro pode proporcionar tal coisa...pois ao abrir um livro somos transportados para outros lugares imaginários(ou não), mas ao fechá-lo retornamos ao Universo Paralelo, chamado Realidade, transformados de algum  modo, levados pela reflexão de tudo escrito e interação com tudo que nos cerca. Realmente livro algum pode mudar a vida de alguém, sozinho um livro é somente um amontoado de folhas impressas, sem alguém que o toque, que o leia, que o sinta, não tem o menor sentido...não é livro que modifica as pessoas, seu poder está em auxiliar o desenvolvimento, levando a um desbloqueio   cerebral, coisa que sozinho um livro não pode fazer... não é ele que vai atrás de ninguém, no entanto  ao ser procurado, não fecha suas páginas a ninguém...nem mesmo a   inúmeras “Poucas, Pequenas”  espalhadas por aí.
Giliane Moura
Enviado por Giliane Moura em 13/09/2007
Código do texto: T650140
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autora : Giliane Moura). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Giliane Moura
Santo André - São Paulo - Brasil, 34 anos
19 textos (661 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/08/17 23:05)
Giliane Moura