Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Palhaço Sucatão II

"Possuía um tom de tragédia.
O ar pesado era seu piscar de solidão.
O vazio daquela noite sem luar
era um suspiro do coração.
Não havia rosas, tampouco tomates.
Se bem que estes eram dispensáveis.
Se bem que seus meneios eram louváveis.
Não podia mais se não havia público.
Baixou as lonas e romperam-se, assim,
os grilhões...
Rompeu-se o ciclo vicioso que conservara-se
até ali, há três gerações...
Se nem o público vinha achar graça
de sua própria desgraça...
A maquiagem rubra despencou.
O olhar atento e vivaz desesperou.
O palhaço não é equilibrista, por isso
é levado pela demência.
O palhaço não é malabarista,
nem poupado pela clemência..."
Andrea Sá
Enviado por Andrea Sá em 02/03/2006
Código do texto: T117783
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Andrea Sá
Irati - Paraná - Brasil, 26 anos
198 textos (7791 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 23:39)
Andrea Sá