Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CASAMENTO MATUTO : "QUEM DISSE QUE TODO CASAMENTO CAIPIRA TEM QUE SER COM SUA FIA...”

“QUEM DISSE QUE TODO CASAMENTO CAIPIRA TEM QUE SER COM SUA FIA...”
                                                                                                                                             
Escrito por Léo Jayme

Geraldin e Rosa se apaixonaro e resoveram ir pro artar pra móide de os dois serem  filiz pra sempre. Ela num era fia du coronér e nem se importava cum a pobreza de Geraldin  o que ela óiava mermo era o amor e Geraldin e o amor que ela tinha por ele.

Zulí: Aênia, amiga ocê ta fazeno o que aqui?
Aenia: Ah muié é que rái ter um casório aqui.
Zulí: A fia do coronér que rái casar?(as duas riem)
Aênia: Não né muié, é uma tar de Rosa cum Geraldin.
Zulí: Geraldin?(Geraldin entra) Ah, o Geraldin.... mó paia.
Aênia: Pusquê?
Zulí: Ora, nem rái ter confusão é legal quando a fia do coroner se apaixona pelo pobretão da vila e eles fazem de tudo pra móide ficar junto. Aí vem o coronér bem brabo e sai atirano pra tudo que é de canto.
Aênia: Ah, masr do jeito que  a  fia do coronér ta incaiáda nunca que rái ter essa confusão.
Zulí: Muié ocê já viu os dente dela?
Aênia: Não! Que ela num tem mars ninhum (as duas riem)
Zulí: E pensa como ela fede. Marrela fede de mais... parece uma porca que num toma banhi.
Aênia: Ah e ocê vê o jeito que ela anda (imita). Mancando.
Zulí: Parece uma bruxa atrupelada.
Aênia: E sem falar que ela é fanha... (imita) Fanha.
Zulí: Fanha?
Aênia: É muié, fanha.
Padre: Calem as bocas de ocês! Respeite o Templo Sagrado!
Aênia e Zulí: Desculpe Padre.
Padre: Intõe-se tamo aqui pra móide casar Geraldo Azevedo e dona Rosa. de Alencar Silva Nascimento Santos Brito dos Leites. Ocês dois aceita um ao o outro?
Geraldinho: Sim seu padre e pode casar e dar sua bença
Padre: Marrante eu tenho que perguntar: Argúem tem arguma coisa pra móide acabar esse casório?
Sr. Coronel: Eu seu Padi!
Aênia: Seu Coronér?
Zulí: Eita que o negócio agora rái ficar bom!
Sr. Coronel: Eu mermo! E podem tirar essa moça aí do artar.
Rosa: Marr pusquê? Eu num so nem tua fia!
Coronel: Marre por isso mermo que ocê rái sair daí. Mia fia que tem que casar cum esse homi já que ele é póbe e é o noivo dessa estória.
Geraldinho: Carma aí seu coronér, ocê num pode me obrigar-me a casar cum tua fia não.
Coronel: Pusquê?(aponta uma arma)
Geraldinho: Pusquê, pusquê eu num tenhu dinhero.
Coronel: Isso num são pobrema, porreu tenho de sobra.
Geraldinho: Marreu sou fêi.
Coronel: Isso num são pobrema, é mió mia fia casar cum um pobretão e fêi du que morrer incaiáda.
Rosa: Geraldinho ama eu e ele rái casar é cum eu!(puxa Geraldo)
Coronel: Ocê num me obriga a tirar ocê a bala daí!
Rosa: Porru sinhô que queira tirar eu daqui a bala pra móide o sinhô vê. Meu pai num é coronér marrele é brabo e mars que o sinhô, magricelo!
Coronel: Ora, mars ocê num se atreva (aponta a arma no rosto dela)...
Rosa: Geraldin, me help, me help.
   Geraldin se esconde atrás do altar
Coronel: Homi froxo! Ha ha ha ha ha ha
 Rosa sai chorando
Coronel: Rái imbora isso mermo e rão tudin imbora!
Geraldinho: Intõe-se cum lincença.
Coronel: Não cabra ocê e o padi fica. Ramo ocês duas, tão isperano o quê pra móide ir embora?
Zulí: Oh seu coronér, dexa nóis ver o casório de tua fia.
Aênia: É seu coronér, nós somos amiga de sua fia a.. a.. a...
Coronel: Franciscorréia!
Padi: Ah?
Coronel: Franciscorréia Dorotéia Dolorida, seu padi. Tem argum pobrema de o sinhô dizer o nome dela cumpreto?
Aênia: Coitado do padi, ter que dizer um nome desse.
Coronel: O que ocê disse?
Zulí: Mia amiga falô, seu coroner, que o apelido de sua fia é Dodó.
Aênia: É assim que a gente chamava ela.
Coronel: Sei. Bão, vamo logo cumeçar esse negócio! Pode entrar Mia fia.
Toca uma musica de casamento. Entra a bem dita Franciscorréia Dorotéia Dolorida vestida de noiva colorida (cheio de trapo). Ela entra mancando, e cantando (de maneira ridícula) a música Ave Maria.
Zulí: Meu Jesus Cristinho, que monsto é esse?
Aênia: se ela fosse verde diria que ia casar cum Huck. (“Dodó” dar uma olhadinha e as “amigas” acenam pra ela)
Padre: Que horror!
Coronel: O que ocê disse seu padre?
Padre: Nada não...
Ela então chega no artar.
Dodó: Intõe-se papai, esse é meu noivo?(com o padre)
Padre: Tá queimado mia fia, graças a Deus que so padi.
Dodó: (dar uma gargalhada bem extravagante) Ah, ocê é o padi.
Zulí: Ela pudiria ao meno ser intiligente, né.
Aenia: Ai muié, me dá uma pena dela.
Geraldinho: Porre mim dá é medo (choramigando).
Dodo: papai, pusquê meu noivo tá chorano?
Coronel: É pusquê ele ta imocionado mia fia.
Zulí: Ele ta é apavorado.
Coronel: Ramo logo seu padi, case mia fia.
Padre: Bão, tamo aqui pra casar a fia do coro...
Coronel: Ela tem nome seu padi...
Padre: a sinhora Dodó...
Coronel: Padi, o nome dela...
Padre: Mia fia, ocê pode dizer seu nome?
Dodó:(dar uma risadinha) Franciscorréia
Padre: Franciscorréia
Dodó:Dorotéia
Padre: Dorotéia
Dodó: Dolorida
Padre: Dolorida e do sinhô Geraldo Azevedo. Intõe-se, ocê aceita esse moço?
Dodó: (Ri) oh seu padi, seu padi, seu padi...Marré craro né seu padi.(ri) o sinhô pensa que sou burra?
Padre: E ocê? Póbe rapaz.... aceita?
Geraldinho: NÃO!
Dodó: (Choramingando) Papai, ele disse NÃO!!!
Coronel: Ora seu cabra, ocê quer tratar de dizer um sim?(Apontando a arma).
Geraldinho: Siiiiim... meu Deus, me ajuda desse monsto!
Padre: Se argúem tem argo contra esse pesadelo diga...
Coronel: Pula essa parte seu padi.
Padre: Intõe-se o noivo pode bejar a noiva pra móide assinar os papér.
Geraldinho: Pula também a parte do bejo intõe-se.
Dodó: Não, não... essa parte ocê não vai pular.(Faz bico pro beijo).
Geraldinho: Mas livrai-me do mau...(Pode tocar uma música bem triste nesse momento)
Aênia: Coitado do Geraldinho.
Zulí: Concordo com ocê, amiga.
Froscólio: Franciscorréia Dorotéia Dolorida? Ocê ta casano cum esse moço é? So pusquê ele é mars bunito!
Dodó: Benedito Froscólio Jovino de Almeida Aimbare, Amor de vida minha ocê voltô?
Froscólio: Voltei e vim pra móide ocê ir imbora cum eu.
Zulí: Marre fiuira de mais, soh.
Dodó: Mars ocê me abandonô. Deixou eu só.
Froscólio: É meu amor, marreu rodei esse mundo todo e num incontri muié mars arretada que tu!
Dodó: Oh, Froscólio!
Froscólio: Intõe se vamo.
Dodó: Mars quem me garante que ocê num vai me abandonar de novo?!
Froscólio: Meu amor eu amo tu.
Dodó: Intõe se prove!
Froscólio: Mars como?
Geraldin: Canta pra ela, sempre funciona (entrega um violão).
Coroner: Mars que bagunça é essa?
Padre: Carma seu coroner que essa eu quero ver.
Froscolio: Deixa eu ver...
Você é linda mars que de mars...
Não essa não.

Eu tenho tanto pra te falar...
Não,não...

ah, já sei.!
Essa é pra tu meu amor.
                     

Eu gosto dela dô amô a ela eu não troco ela por outra mulher.
Fui pra capela pra casar cum ela só num reparei foi os defeito dela.

             Os defeitos dela é essa perna torta
         parece uma porca quando ri, meu Deus!

            "Um braço seco que furô no prego,
        tem um ôio cego" e os dente apodreceu.

        Só tem um pulmão isso num são defeito
         Ela perdeu um peito na operação.

            Passou o vento e intortô a boca
        é fanhosa, é mosnta marré mia PAIXÃO!

Dodó:Ai que lindo Froscólio! Óia aqui Geraldin, ocê num fica chateado cum eu marreu amo Froscólio. Adeus!

Aênia: Quem nunca viu falar du ditadu: “o amor é lindo marro casal, meu Deus!”
Coronel: Mia fia, renha cá, ei...(sai)
Geraldinho: Bigadu Jesus, Bigadu Sinhô.
Rosa: Geraldin.
Geraldinho: Rosa?!
Rosa: Agora ninhum mau rái nos separar nóis. Ramo se casar meu amor e sê filiz di mais.
Geraldinho: Mia fror do sertão, ocê rái sê a muié das mias cambadas.
Rosa: Ah, Geraldin como ocê é romanticu.
Padre: Finalmente decraro ocês marido e muié um do outo.
                                                                                          FIM
LeoduNascimento
Enviado por LeoduNascimento em 07/07/2010
Reeditado em 08/07/2011
Código do texto: T2363946

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original (Você que vai utilizar esse texto deve citar a autoria de Léo Jyme - Fortaleza CE) e as obras derivadas sejam compartilhadas pela mesma licença.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
LeoduNascimento
Fortaleza - Ceará - Brasil, 25 anos
12 textos (4670 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/12/14 20:45)
LeoduNascimento



Rádio Poética