Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Palavras Raras

Palavras Raras
A língua portuguesa, sem dúvida, é muito rica se bem utilizada. Os dicionários estão aí mesmo para atestar. Cultura é um atributo valioso e o emprego de palavras pouco ou nada usuais pode ter várias utilidades, senão, vejamos:
Infipilo, antréfulo e esnécuro
Outro dia, no bar, discutia-se política internacional, quando citaram Bin Laden, Saddan, Armadinejad e o Lula e a conversa esquentou feio.
Para apaziguar, afinal estávamos entre amigos, falei em tom professoral:
- Espera! Esses caras não podem ser julgados assim numa discussão irresponsável. Todos sabemos que eles são infipilos e até antréfulos!
- Isso mesmo! Eles são  infipilos e até antréfulos! Onde já se viu isso! - disse com cara feia quem os atacava.
- Sim, eles são é são  infipilos e até muito antréfulos. Sentenciou com sorriso de vencedor quem os defendia.
Silêncio geral. Os dois quase saindo no tapa, um xingando infipilo e até antréfulo e o outro usando esses adjetivos como um grande elogio.
Como já era tarde, estava na minha hora, me despedi e fui saindo de fininho. Não sei como terminou aquele debate esnécuro.

Banglio e rênulos
Estávamos em viagem a serviço pelo interior numa cidade daquelas com quebra-molas na estrada - se não nem notávamos a cidade. Riacho Maior ou Menor era o nome.
Fomos jantar no melhor restaurante de Riacho, o "Ranchão". A comida até que não era má. Feijão tropeiro e aipim honesto, mas o atendimento, péssimo, apesar do cardápio metido a "chic".
Durante a viagem havia comentado com meu companheiro, Geraldo, a minha mania de cunhar palavras e disse até algumas para ele.
Na falta do que fazer, essas coisas sempre acontecem na falta do que fazer, resolvi "abrir o dicionário" para o garçom.
- O Xavier! (Eles sempre atendem por Xavier, que soa como faz favor).
- Sim!
- Para sobremesa me traga um bânglio caprichado.
Ele fez que sim com a cabeça, anotou e se foi.
Demorou. Não tínhamos pressa, estávamos em Riacho Maior ou Menor, sem programa à noite.
Depois de uns 15 minutos lá vem o Xavier com uma espécie de sorvete todo enfeitado, cerejas, calda colorida, passas e castanhas. Foi ele me servir o bânglio com uma cara meio desconfiada e o Geraldo falar:
- Tudo bem! Traga também um bânglio desses, mas sem rênulos! Sem rênulos!

Merodímio
Certa vez, tive um envolvimento com uma jogadora de vôlei. Fiz até uma música para ela "se você não me quiser, só vou parar de beber, até ficar alto, alto igual a você".
Sim, ela tinha 1,80m acima do mar, mas não vem ao caso. Voltando ao merodímio, na véspera de um jogo decisivo fomos jantar frutos do mar e ela sentiu os efeitos, infecção intestinal.
Fomos até o local do jogo mas ela estava fraca, nem trocou de roupa. Quando estávamos conversando com as garotas do time antes do aquecimento, se aproximou um daqueles repórteres volantes - Sérgio Volante em cima do lance - e me perguntou baixinho.
- Por que ela não vai jogar? Ao que respondi de pronto e rindo:  “Ela está com uma inflamação no merodímio.”
Ele olhou para a câmara e falou ao microfone - Ó Abelardo (Aberlardo era o narrador), ela não vai jogar porque está com uma inflamação... é uma inflamação no bem... ele suspeitava que era sacanagem minha o tal merodímio - na garganta, Abelardo, inflamação na garganta! Segue você daí!

Xesmina
Dia desses estava na praia sozinho, absorto, a ver navios, já tinha visto uns 4 passarem, quando notei três criancinhas de uns 5 - 6 anos brincando. Fui até elas e falei: - Quero ver quem é mais esperta de vocês. Quem é capaz de me trazer uma xesmina? Elas acharam ótima a idéia e saíram em correria. Voltei para o meu lugar. Outro navio. Dali a pouco lá vêm elas correndo. Uma com um daqueles bichinhos amarelinhos dentro de um copo. Outra com uma concha grande e outra com a mão cheia de conchinhas. Falei que a concha grande era bonita, ao que a lourinha de olhos azuis protestou.
- É, mas só eu trouxe uma xesmina! Paguei um sorvete a cada uma delas. Outro navio. De repente, vem a mãe da lourinha, sorridente, agradecer o sorvete. Conversamos. Ela era desquitada. Não prestei mais atenção aos navios. À noite saimos para jantar e eu levei para ela uma xesmina de flores.

Aqui vão algumas palavras que podem ser usadas nessa brincadeira: gulgo, cártego, bilastre, resga, préspio, garolau ou garola! Inventem significados e entrem no jogo, é divertido.
Ontem mesmo, saindo com uma moça que sabia desta minha mania, falei;
- Não gostei desse mandapolão para você. Te deixa com um ar muito uxoriano.
Ela, professora de português, sacou que agora era sério e respondeu.
- Ora, deixa de ser orate!
Karpot
Enviado por Karpot em 24/07/2012
Reeditado em 25/10/2012
Código do texto: T3794738
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2012. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Karpot
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
742 textos (45052 leituras)
31 áudios (628 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/10/14 18:29)
Karpot

Site do Escritor



Rádio Poética