Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Meus Oito Canos (Paródia)

Meus oito canos (Para a minha antiga escola, devia ter uns 13 anos)

Oh ! Que trabalho que tenho
Nessa minha profissão querida
Instalando as saídas
Pra aquilo que ninguém quer mais
Que ralos, que pias, que odores
Debaixo daquelas torneiras,
Desentupindo as banheiras
Trabalho que ninguém mais faz !

Como são sujas as pias
Das casas da vizinhança
- -O chão não tem aderência
E um escorregão causa dor ;
Secar é – usar um dreno,
Se errar – uniforme encharcado,
O trabalho é bom – Mas um pouco molhado,
A sina – é ser encanador !

Simbora, tá sol, que dia,
Que dias de pinga-pinga
Trabalhar, minha alegria,
Pra no domingo folgar !
Trabalhei de casas de estrelas
Até casa de mulher feia,
De vendedor de feira,
Até modelo e Superstar !

E nesses tempos chuvosos,
Chamavam-me das varandas,
Então arregaçava as mangas,
E ia de novo trabalhar;
E avisava dona Maria
Que com essa goteira caindo,
E esse encanamento saindo,
Era melhor se mudar !

Oh ! Que trabalho que tenho
Nessa minha profissão querida
Instalando as saídas
Pra aquilo que ninguém quer mais
Que ralos, que pias, que odores
Debaixo daquelas torneiras,
Desentupindo as banheiras
Trabalho que ninguém mais faz !
Tiago RR
Enviado por Tiago RR em 20/10/2005
Código do texto: T61706
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Tiago RR
Joinville - Santa Catarina - Brasil, 27 anos
14 textos (14327 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 12:35)
Tiago RR