Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

PUDIM DE ROMA ANTIGA







-Senhora! Aceitaria para a ceia desta noite uma lagosta a l’armoricaine?

-Não. Pense em outra coisa. Estou cansada de lagostas.

-Permita-me, então, sugerir um “tajarin” piemontês ao molho de manteiga e salvia fresca recoberto por finas fatias de tartufo bianco D’Alba.

-Nem pensar! Você sabe que estou fazendo dieta e jamais ousaria comer um prato de macarrão ainda que com trufas brancas!

-Madame! Quem sabe alguns escargots à la Bourguignonne. Penso naqueles graúdos, franceses, legítimos!

-Não Zacarias. Gosto muito deles mas hoje não me apetecem.

-Perdoe-me senhora. Mas que tal uma sumarenta posta de salmão grelhado “au caviar rouge”?

-Não. Hoje não estou afim de peixe!

-E uma “faraona al vino Moscato” acompanhada de tenros legumes ao vapôr? É um prato leve e saboroso.

-Jamais. Nem pensar. Hoje não pretendo comer nenhum tipo de ave!

-Penso que já descobri, madame! Sei que a senhora está enfarada de tanto comer pois faz isso pelo menos duas vezes ao dia. Fato que vem se repetindo há anos seguidos.

-Mas lembrei-me de algo que tenho certeza jamais experimentou.

-Trata-se de um pudim cuja receita tem vinte e um séculos de existência. Era o doce preferido de Catão, político romano lembrado por seus rígidos princípios morais que viveu na época das Guerras Púnicas.

-Acredite, minha senhora. Jesus Cristo só iria nascer cem anos depois e, o açúcar, só se tornaria conhecido dezessete séculos mais tarde.

-Sei que vai amá-lo. Mas precisarei prepará-lo. Por favor, madame, acompanhe-me.

-Vou picar em pedaços um quilo de queijo fresco. Acrescentarei uma terça parte, em peso, de mel, uma quinta parte de farinha de trigo integral e um ovo ligeiramente batido.

-Agora coloco tudo na panela, levo-a ao fogo e passo a mexer contínua e vigorosamente por quinze minutos. Despejo o amálgama resultante, escuro e rústico, numa travessa apenas lambuzada com azeite de oliva.

-Senhora! Aguardemos alguns minutos para que esfrie quando será servido apenas salpicado com mel silvestre.

-Pronto. Por gentileza. Quero que experimente este pudim, madame.

O degustar foi lento e concentrado. Afinal aquela nobilíssima senhora já defrutara dos melhores sabores do mundo! Então disse:


- Gostei! O paladar é estranho e o sabor diferente de tudo que já provei. Mas é muito bom. Parabéns pela iguaria, Zacarias.

-Mas diga-me.

- O que é que vou jantar esta noite?


-
        Dedicado a uma mulher especialmente saborosa: V. A.
Tagobar
Enviado por Tagobar em 21/10/2005
Código do texto: T61795

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Tagobar
Campinas - São Paulo - Brasil
63 textos (25787 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 18:09)
Tagobar