Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

MORREU? NÃO TRIPUDIE!

             MORREU?  NÃO TRIPUDIE!


 Ela ligou-me às duas horas da madrugada.

“Pedro. Meu marido morreu. Não sei o que fazer”.

“É preciso enterrá-lo”, disse-lhe. “Onde está?”

“No mesmo hospital”.

“Encontro-a lá, em meia hora”.

As providências foram as de praxe. O velório solitário com pouquíssimas pessoas. Com dificuldade conseguimos encontrar seis homens para carregar o caixão.

“Sinto-me cansada, mas com fome” disse-me. “Gostaria de comer alguma coisa. Você poderia levar-me para jantar?”

“Sim”

Percebi que perdera apenas o marido, mas não o apetite, pois enfrentou com galhardia uma deslumbrante costeleta de carneiro grelhada e uma boa garrafa de vinho. Depois fez outro pedido:

“Por favor. Não me deixe sozinha hoje. Preciso de companhia”.

Concordei.

E completou. “Vamos ao meu apartamento. Não há ninguém lá”.

“Está bem”.

Entramos.

“O quarto é no fim do corredor” disse-me. “Venha. Nesse armário há pijamas de homem. Devem servir, pois ele era do seu tamanho, apenas um pouco mais gordo”.

Não muito à vontade escolhi um amarelo com listas azuis. E fui tomar um banho que estava precisado.

A cama era a própria, do casal. Enorme. A contragosto deitei. No lugar do morto, que não havia outro.

Ela também tomou um banho. E deitou ao meu lado.

Ambos quietos. Ela abraçou-me. Não havia clima para sexo. Nem para qualquer outra coisa. Da minha parte sequer para dormir.

“Posso deixar a luz da cabeceira acesa?” perguntei.

“Tudo bem. Você não está com medo, está?”

“Não exatamente” respondi-lhe.

 Em poucos minutos ela dormiu. E eu passei a vivenciar uma situação decididamente desconfortável. A ouvir, inclusive, todos os pequenos barulhos daquele enorme apartamento.

Intrigavam-me especialmente aqueles oriundos da sala de jantar contígua. Pois todos os móveis resolveram estalar ao mesmo tempo.

Aquele corredor escuro começou a me incomodar. Resolvi fechar a porta do quarto com chave. E conformei-me em passar essa segunda noite sem dormir.

Continuava desperto quando, novamente, as duas da madrugada ela acordou, sentando-se na cama. Olhou-me com os olhos arregalados.

“Sinto que meu marido está aqui. Na sala. E quer falar comigo”. Levantou-se. Vestiu um roupão.  Abriu a porta e desapareceu.

Nesse instante eu também já estava de pé.

Não tentei segui-la. Mesmo porque, sempre me ensinaram, que não se deve interferir em conversa de marido e mulher.

Mas procurei acender a luz daquele malsinado corredor. Não achei nenhum interruptor. Deveria estar no outro lado. E lá, confesso, não iria nem com reza brava.

Procurei chamá-la da porta do quarto onde me encontrava: “Maria. Maria. Mariaaa”!

Silêncio sepulcral. E, sepulcral aqui, não é força de expressão.

Resolvi despir aquele pijama emprestado. Mesmo porque nunca gostei de amarelo. E, como não me agradava a idéia de permanecer pelado naquelas circunstâncias vesti, rapidamente, minhas próprias roupas. Não dispensei nem paletó e gravata.

E dirigi-me à sacada. Do próprio quarto, claro, que não iria aventurar-me em parte nenhuma do apartamento naquela escuridão.

Queria ver gente. Viva, de preferência, que de morto já estava farto. E, dali podia ver automóveis, motocicletas inclusive ônibus a transitar pela avenida lá em baixo.

 Permaneci cinco horas nesse terraço. Cheguei até a memorizar os números e destinos dos coletivos da madrugada. Finalmente o dia clareou.

Voltei ao malsinado corredor. Continuava escuro. Mas, lá no fundo pude ver a sala tenuamente iluminada pela luz que permeava as cortinas das janelas.

Não havia como fugir. Precisaria percorrê-lo. Só e com minhas próprias forças. Não foi fácil. Mas devagar cheguei à sala.

Encontrei-a dormindo deitada de bruços sobre o carpete. Percebi, de longe, que respirava. Deduzi que continuava viva.

Jamais ousaria incomoda-la. O descanso que desfrutava era merecido.

Bem por isso, silenciosamente, abri a porta principal. Fechei-a por fora e passei a chave por baixo.

Para nunca mais retornar.

Morto que é morto, exige respeito!
Tagobar
Enviado por Tagobar em 02/11/2005
Código do texto: T66344

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Tagobar
Campinas - São Paulo - Brasil
63 textos (25788 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 23:10)
Tagobar