Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A SABOROSA CARNE HUMANA OU AFASTE DAQUI ESTE CANIBAL


A carne humana além de discretamente adocicada é muito saborosa.

Nunca tive a oportunidade de experimentá-la, é certo. Nem precisaria fazê-lo para conhecer seu sabor. É que inúmeros dela já se serviram em situações de emergência e puderam relatar o que sentiram.

Mais que isso. A carne do homem, em coloração, textura e sabor,   aproxima-se  muito  daquela  de  seu  parente  mais   próximo    -  o macaco - igualmente primata,  que habita a floresta amazônica e que é implacavelmente caçado e considerado  iguaria de primeira grandeza.

Relato este fato porque sempre acreditei que a grande vocação humana em matéria de comida fosse a carne. Nas mais diversas e estranhas manifestações da natureza.

Mas confesso que me equivoquei redondamente. Explico.

Há anos empreendo pesquisa, perguntando a todos, qual o prato que mais aprecia, qual aquele com que sonha nas noites felizes, qual o que reservaria para um momento especial.

Consegui reunir cerca de cinco mil respostas, colhidas aleatoriamente entre pessoas de todas as idades, sexo, credos e profissões.

O resultado não deixa margem a qualquer dúvida: pouco menos da metade dos consultados escolheu massa. As carnes ocuparam um inexpressivo segundo lugar com pouco mais de trinta por cento do total.

Tentando explicar essa estranha conclusão, dei-me conta de que a carne somente há bem pouco tempo passou a integrar com regularidade nosso cardápio. Durante milhares de anos a alimentação humana restringiu-se quase que exclusivamente a grãos, cereais e suas respectivas farinhas, de obtenção relativamente fácil.

A carne, ao contrário, mais cara e difícil, ainda hoje permanece distante da maioria das mesas.

De forma que a satisfação que as massas conferem ao organismo é algo arraigado no nosso íntimo que vem de um passado longínquo e do sofrimento de muitas gerações famintas.

Mas, voltando à pesquisa, sou igualmente forçado a confessar, que não fugiria à regra geral e, de idêntica forma, um dos pratos que elegeria para aquele momento inesquecível, também seria massa.

Não uma qualquer, obviamente. Mas pediria linguine ou talharine ao molho de vinho branco com camarões. Dou a receita logo em seguida

Mas, já no fim destas linhas, permito-me aconselhá-lo a mentalizar essa receita e guardá-la para os momentos difíceis.

Como nesta vida tudo é possível, imagine aquele caldeirão imenso com água a borbulhar sobre uma fogueira improvisada e aqueles malditos e mal encarados índios a dançar a sua volta. Você sente que eles, lamentavelmente, além de famintos são  mal educados e sem qualquer acanhamento convidaram-no para o almoço. Ou melhor, para almoçá-lo.

Nesta hora terrível, não hesite. Conte-lhes sobre este macarrão que V. aprendeu fazer e que é verdadeiramente deslumbrante.  Explique-lhes que a massa é excelente, que os camarões são graúdos e será um pecado desperdiça-los. Fale sobre o vinho branco que esta receita emprega informando que sempre sobra algum que poderá ser bebido a parte. Diga que eles vão precisar de babador para não sujar com comida os corpos suados e que tanto trabalho deu para pintar. Esforce-se com afinco para convencê-los.

Pois, posso garantir-lhe que nenhum canibal honesto iria trocar esse prato divino de macarrão por qualquer pedaço insosso de carne humana, por mais apetitoso que você possa ser.






           RECEITA DE TALHARINE COM CAMARÕES


Coza o macarrão “al dente” e reserve. Algo em torno de cento e vinte gramas. Tire as cascas de cinco camarões graúdos e frite-os por não mais que cinco minutos em frigideira antiaderente com algumas gotas de azeite. Deixe inteiros os dois mais bonitos e pique em três ou quatro pedaços os demais.

Na mesma frigideira, coloque um pouco mais de azeite e frite um dente de alho fatiado e uma colher de cebola ralada. Coloque algumas tiras finas de pimentão vermelho sem pele. Acrescente um bastão de palmito cortado, duas colheres de ervilhas bem verdes e já cozidas e outras duas de champignons em fatias. Regue tudo com meio copo de vinho branco seco e meio copo de caldo de camarão. Sal e pimenta. Deixe ferver por poucos minutos, acrescente os camarões picados e o macarrão. Mexa levemente e deixe que a mistura permaneça no fogo baixo por mais um minuto.

Coloque tudo suavemente num prato decorado e enfeite com os dois camarões inteiros. Concentre-se para degusta-lo.  A iguaria que você preparou exige preparo psicológico e desprendimento mental para ser degustada.
Tagobar
Enviado por Tagobar em 15/11/2005
Código do texto: T72106

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Tagobar
Campinas - São Paulo - Brasil
63 textos (25776 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 02:39)
Tagobar