Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

BONGO BONGO OU MORTE


Carlos era o filho único de um grande magnata da construção. Mas vivia numa dureza ímpar. Seu pai o controlava muito de perto e, a mesada que recebia mal lhe permitia pagar uma pizza para a namorada.

Carro era o dela, Universidade a pública e, o dinheiro era tão curto que dividia o quarto de pensão com quatro amigos de faculdade.

Foi quando recebeu a notícia que seu pai falecera e deveria, além de voltar para comparecer ao seu enterro, assumir a presidência da companhia.

Chegou a tempo de acompanhar o caixão ao cemitério. E, no dia seguinte, subiu até ao trigésimo segundo andar do prédio sede da companhia.

Mais de vinte executivos e advogados o esperavam. Mas ele de nada quis saber. Ou ouvir.

“Quero a chave do jatinho! Talões de cheques e cartões. Vou para Paris, gastar o quanto puder! Eu nada entendo de negócios! Toquem a empresa como sempre fizeram! E paguem minhas contas.

Ninguém ousou discutir!

E Carlos voou para Paris com mil cartões e um maço de talões de cheques.

Seis meses de noitadas adoidadas e orgias! Cada noite ele fechava uma boate! Mulheres eram cinco por vez! Orquestras, shows, andares inteiros de hotéis reservados, festas de arromba. O mundo se curvou aos seus pés!

Foi quando, depois de seis meses de noites desenfreadas, começou a se cansar!

E resolveu voltar! Por apenas uma semana para poder tomar contato com a empresa e os negócios.

Pegou seu jatinho e decolou com destino ao Brasil. Viajava tranqüilo, quando, sobrevoando o Saara, seu avião começou a falhar. Tentou de tudo, mas o pequeno jato começou a perder altura e forçou-o a fazer um pouso forçado no deserto.

Assim que aterrizou, o avião foi cercado por vinte canibais. Eles dançavam a sua volta, com seus corpos pintados, cantando e tocando uma melodia intermitente nos tambores.

Depois de muito meditar Carlos resolveu descer e enfrenta-los. Afinal, pensou, não teria qualquer outra alternativa.

Tão logo desceu da aeronave, um índio alto e enfeitado, parecendo cacique, agarrou-o pelo pescoço e indagou:

“-Bongo, bongo ou morte?”

Bolas pensou. Que será bongo, bongo?

De qualquer forma sempre será opção melhor que a morte.

Mas o cacique não estava disposto a esperar! Sacudia seu pescoço e indagava cada vez de forma mais incisiva e violenta: “–Bongo, bongo ou morte”.

Bongo, bongo, respondeu Carlos!

E foi então que os vinte canibais o estupraram!

A coisa não foi fácil. Mantiveram-no cativo por mais de quarenta dias no interior de uma caverna.

Logo pela manhã, três o procuravam. E, antes do café, ele servia, generosamente, a três indígenas. E, não havia como resistir. Enquanto dois o seguravam, o que sobrava, desempenhava como queria.

Geralmente as dez da manhã, seguia-se outra secção. Claro, com outros índios. E outra antes do almoço. Outra logo depois, talvez para incrementar a digestão! Que seria repetida ao lanche das três horas. E, novamente durante o jantar. Via de regra, a última acontecia por volta das nove da noite. Porque aqueles canibais costumavam dormir cedo. Mas pela manhã, logo cedo, todo o procedimento se renovava com insuportável regularidade.

Foram quarenta dias de agonia. Mas, como não há mal que nunca se acabe, o cacique agarrou mais uma vez pelo pescoço e disse-lhe: “-fim do bongo, bongo. Pode ir!” E abandonaram-no sozinho na caverna.

Carlos conseguiu arrastar-se até seu avião. Abriu o capô e, pode constatar que todo o incidente fora motivado por um pequeno fio que se soltara. Religou-o. Deu a partida. E, pouco depois, desembarcava em casa. (Não lhes disse, mas, tinha aeroporto particular).

Chamou todos o grandes mentores da indústria, relatou-lhes o acontecido, contou-lhes que sua cabeça fora para o espaço e pediu sugestões.

Todos foram unânimes em aconselhar um tratamento psiquiátrico intenso que pudesse livra-lo de todas essas seqüelas.

Os melhores psicólogos e psiquiatras foram convocados. As sessões eram numerosas e diárias. E durante mais de cinco anos Carlos submeteu-se a intenso tratamento.

Entretanto a recuperação mental e o progresso eram difíceis. E todos os médicos acabaram por aconselhar-lhe, como última alternativa sanatória, um tratamento em Paris, com um grande mestre, com a mais alta autoridade em distúrbios mentais.

Como não havia qualquer alternativa, Carlos voltou a embarcar no seu jatinho e desceu em Paris.

Submeteu-se a mais um ano de tratamento intensivo. Mas o mestre dos mestres honestamente participou-lhe que seria muito difícil eliminar por inteiro o trauma sofrido. Aconselhou-lhe a voltar e tentar gradativa e lenta recuperação.

Carlos subiu no seu jatinho, decolou, com destino ao Brasil, mas quando sobrevoava o Saara, percebeu que o avião começava a falhar.

Tentou desesperadamente reparar a falha, mas a aeronave começou a descer. E obrigou-o a fazer um pouso forçado no deserto.

Quando conseguiu imobilizar a nave, percebeu que fora cercado por vinte canibais! Todos pintados dançavam em volta do avião, entoando músicas que sua lembrança reconhecia, mas, se recusava a aceitar.

Não há alternativa, pensou.

Desceu.

Um deles, mais alto, forte, bem pintado, agarrou-o pelo pescoço. E perguntou-lhe: “- Bongo, bongo ou morte?”

Eu já assisti esse filme, pensou.

Juro que não agüentarei outro bongo, bongo!

Resolveu tomar uma decisão de homem! Olhou de frente para aquele enorme canibal e respondeu: “Mim preferir morte”

O canibal assustou-se. Mas devolveu-lhe o olhar duro. E, retrucou:

Morte sim! Mas antes, bongo, bongo!
Tagobar
Enviado por Tagobar em 28/11/2005
Código do texto: T77983

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Tagobar
Campinas - São Paulo - Brasil
63 textos (25780 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 20:04)
Tagobar