Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CARAMUGIM



                      PRIMEIRA PARTE




                       Estou sentado numa bolha , dessas que a gente assopra com um canudo na boca.
Azul é a sua cor e é feita desses sabões que usamos pra dar cheiro.
A calçada diante de meus olhos minúsculos é toda traçada, algumas formiguinhas que passam apressadas, nada dizem.
Os tijolos são rígidas paredes, é como se as formigas estivessem de ponta cabeça...
Minha cabecinha vai e vem, vai e vem, acompanhando todos os movimentos. Fico tonto, desequilibro e caio. Sinto uma dor imensa que não sei de onde vem. Que posso fazer se acabei de nascer? Ainda não conheço o meu corpo!
Uma gota salgada escorrega dos meus olhos, descubro então que estou chorando. Chorei tanto que uma formiguinha acabou parando:
___ Ei, desse jeito vai inundar o meu caminho!
A formiguinha estava com a barra da calça arregaçada.
___ Desculpe-me, mas acabo de me machucar...
___ Deixa ver, nossa você esfolou a barriguinha, é preciso ter mais cuidado! Venha, acho que podemos dar um jeito.
Com uma bondade imensa ela me ajudou a erguer a minha casquinha para diminuir o peso da dor.
Andamos, andamos, andamos muito mesmo, já estava suado. Algumas folhas verdes me faziam cócegas e de tanto que insistiam não sabia se ria ou se chorava.
___ Chegamos!
___ Que barulho é esse?
___ É a canção da Cascata Amiga!
___ Canção de quem?
Não respondeu, ficou em silêncio por um tempo e em seguida gritou:
___ Bom dia, Mãe Natureza!
As águas cairam mais fortes.
___ Estamos com um probleminha e acho que poderá nos ajudar. Meu amiguinho está ferido...
Assustei-me quando um peixe brincalhão apontou a cabeça espirrando água por todos os lados.
___ Em que posso ajudá-los? Perguntou ele arrumando os óculos.
A formiguinha então, me levou até ele com muito esforço.
___ Meu amiguinho machucou a barriguinha! Exclamou ela levantando a minha casca.
___ Hum, chega mais perto para que eu possa ver melhor.
Fiquei parado a sua frente e o peixe bonachão, levou um tempo examinando a minha dor.
___ Como foi que aconteceu, filho?
___ Estava sentado numa bolha, senti tonturas e cai.
___ Numa bolha heim? Precisa tomar mais cuidado, uma bolha é muito frágil, com um pequeno vento pode balançar!
E ainda examinando minha barriguinha perguntou, olhando por cima dos óculos:
___ Como se chama?
___ Caramugim!
___ Pois bem, Caramugim, vamos tratar do ferimento e depois vai prometer que tomará mais cuidado, está bem?
___ Mas eu não sabia que uma bolha balançava... Disse, buscando justificar a minha dor.
___ Eu sei, Caramugim, que nem sempre podemos adivinhar ou saber onde se esconde o perigo. Mas, é preciso ter muita cautela!
___ Então, me fale senhor peixe, diga-me quais os lugares onde posso pisar?
ELe sorriu.
___ Eu também não sei, o perigo está em toda parte filho, a cada passo que damos nunca sabemos o que vamos encontrar pela frente.
___ Mas nós temos os olhos que servem para nos guiar!
Exclamou a formiguinha que até então ficara calada.
___ Sim, temos os olhos, minha querida formiguinha, mas nem eles mesmos conseguem enxergar tudo.
E voltando-se para Caramugim continuou:
___ Caramugim, não queira correr desenfreadamente,´pois, a tarefa dos olhos é a de nos guiar mediante os nossos passos. Eles não poderão apontar o perigo diante de tamanha velocidade e mesmo que apontassem, não daria tempo de frear, você entende?




                  SEGUNDA PARTE


                 Abaixei minha cabeça e o deixei trabalhar. Com cuidado pingou uma gotinha de água em meu corpo e ela deslizou até minha barriga fazendo cócegas, disparei a rir. Ria tanto que a formiguinha riu também.
___ Pronto, como se sente?
___ Bem, muito bem!
Respondi ainda gargalhando e a formiguinha também gargalha-
va, achando graça do meu jeito. Foi ai que descobri a sua banguela e isto despertou em mim uma grande curiosidade; perguntava eu com os botões que não tinha:
___ " Por que a minha amiguinha era banguela? "
E embora curioso, fiquei com vergonha de perguntar a ela o motivo de sua banguela.
A dor havia passado, sentia-me feliz e agradecido.
___ Senhor Peixe, como posso lhe pagar tudo o que fez por mim?
___ Agindo sempre com cautela, caramugim porque você estando bem, poderei ajudar outros que precisam de mim!
Respondeu ele enlaçando meus ombros com carinho.
Despedimo-nos com o sorriso dos olhos e ao longe ele acenou dizendo:
___ Vão, meus amiguinhos e que Deus os acompanhem!
Olhei para todos os lados, só a formiguinha me acompanhava, mais ninguém, então parei.
___ Por que parou, Caramugim?
___ Estou esperando, ora!
___ Esperando o quê?
___ Este tal de Deus que o Senhor Peixe falou...
A formiguinha soltou uma gargalhada tão alta, mas tão alta que até as árvores taparam os ouvidos e depois me olhou com carinho, dizendo:
___ Caramugim! Você não pode ver Deus e nem entendê-lo, é muito pequeno para isso e mesmo que eu tentasse explicar, não entenderia. Mas acredite, embora não posaa vê-lo, Ele está caminhando ao nosso lado agora...
Com o canto dos olhos mais uma vez conferi e Ele não estava ali, pelo menos eu não O via.
___ Por que Deus é tão tímido assim? Sempre se esconde desse jeito?
Perguntei enquanto caminhávamos. Minha amiguinha novamente explodiu numa gargalhada, lembrei-me então de sua banguela e mais uma vez senti vontade de perguntar a ela porque não tinha dentes, mas me contive. Ela então, com toda a sua sensibilidade, sentiu que eu queria perguntar-lhe alguma coisa e então perguntou:
___ O que quer saber, Caramugim?
Fiquei roxo de vergonha, será que ela tinha lido o meu pensamento?
___ Não é nada não!
___ Ora, o que é isso meu amiguinho, pode perguntar!
___ Sabe o que é, formiguinha, acho que seus dentes cairam quando você riu... comentei com voz rouca.
___ Eu não tenho dentes, Caramugim, nasci assim. E você, quantos dentes tem?
Passei rapidamente a língua pela gengiva para contá-los e fiquei apavorado, meu coração disparou. Passei novamente a língua pela gengiva, mas desta vez devagarinho. Minhas bochechas pegaram fogo e não sei se ela percebeu, mas não havia um dente sequer na minha boca.Então arrisquei:
___ Devo ter mais, mas só consegui contar noventa e oito...
___ Ah! Exclamou ela. Depois prosseguimos a caminhada em silêncio e lá na frente ela me encarou com carinho.
___ Sabe amigo, acho que nos separamos por aqui!
___ Vai me deixar sozinho?
___ Ora, Caramugim, você não está sozinho!Está com Deus lembra?
___ De que adianta isso, Ele não fala comigo mesmo...
Dei de ombros, com tristeza.
___ Ele falou com você através do Peixe Amigo! Exclamou ela acariciando minha casquinha.
Abaixei minha cabecinha e uma gota salgada escorreu na minha boca.Solucei.
___ Preciso ir agora amigo, tenho muito o que fazer, procure entender...
___ Pensei que fosse ficar para sempre comigo! Falei, ainda soluçando.
___ Escute Caramugim, não podemos e nem devemos ficar sentindo o cheiro do rastro dos outros. Talvez, o que é bom para você não seja bom para mim.Cada um de nós tem um caminho a seguir, mas isso não quer dizer que não possamos nos ver de vez em quando para diminuir a saudade, para aliviar a dor de nossas feridas ou para fazer ainda mais felizes os nossos corações. Doe-se sempre Caramugim, temos sempre que sermos úteis aos outros, senão a vida de nada valerá. Você pode sentir isso na própria casquinha ao se deparar com o Peixe Amigo não foi? Mas não precisamos viver para sempre ao seu lado,pois o importante Caramugim, é sentir o amor dele que para sempre se infiltrou em nossos corações!
Encarei minha amiguinha com os olhos rasos de lágrimas.
___ Vou sentir saudade, sei que vou...
___ Eu também, mas ficarei feliz em saber que como eu, estará fazendo o bem em outro lugar. Com nossa bondade Caramugim, podemos ter amigos em todos os cantos do universo! Não é maravilhoso? Já pensou se ficássemos todos juntos? Só poderíamos ajudar os daqui e os de lá, não. Você por acaso ficaria feliz em ouvir o choro de um amigo do outro lado do mundo? Então, quem sabe eu estarei lá para ajudá-lo! Isso não o deixará feliz?
Sabia que a formiguinha tinha razão então procurei me conformar, mas era tão difícil...
___ Você está certa, mas se ficássemos juntos poderia aprender tanta coisa com você... Tentei mais uma vez.
___ Poderá aprender muito mais com tudo que está a sua volta, Caramugim! Não se esqueça, quanto mais amigos conquistar mais aprenderá.Comigo só aprenderia o que sei, mas o que não parenderá com tantos outros?
Sorrimos e nos abraçamos. Aquele abraço era forte e sincero.
___ Ainda nos veremos amigo!
Gritou ela se afastando. Fiquei ali parado por um tempo, sentindo o seu coraçãozinho se afastar.Por fim, em companhia das estrelas, adormeci.


( Continua no próximo domingo )

            " Uma semana de Luz a todos( as )!"
         
                        Di Petenatti
 
YEND
Enviado por YEND em 19/03/2006
Reeditado em 26/03/2006
Código do texto: T125346
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
YEND
Curitiba - Paraná - Brasil, 56 anos
2 textos (102 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 10:33)