Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

As lágrimas do palhaço


(Aproveito, ao publicar este texto, para homenagear não só aos palhaços, mas a todos os artístas de rua que mostram a sua diversificada arte nos parques, jardins públicos, avenidas ou qualquer outro lugar onde lhe dêem a oportunidade de mostrar o seu trabalho, que não pode se negar ser de grande valor e digno de maior respeito.
Parabéns pela grandeza maior de se apresentarem, mesmo mantendo o seu anonimato, sem nunca perderem a fibra do grande artísta.)


Um conto infantil pra criança e gente grande ler...


Um riso forte, puro e cheio de encantamento domina uma porção de rostinhos inocentes e faz com que as almas daquelas crianças se encham de fantasia. Mantendo um equilibrio perfeito um palhaço pedala, sentado em um monociclo, por uma das alamedas do grande parque, enchendo de alegria aqueles que lá estão e o observam admirados.
Suas mãos dominam com segurança e presteza várias bolas coloridas que sobem e descem, num bailado cheio de cadência, seguindo o rítmo comandado por aquele maestro com o rosto pintado, que tem o nariz redondo e está vestindo roupas largas e coloridas.
Ele faz graças e micagens que obriga todas as pessoas, de todas as idades, a rirem. Diz galanteios para as moças bonitas em sua volta, que são dignos de um poeta e as crianças, a quem ele dedica a sua vida, deliram com as caretas engraçadas do seu rosto mascarado.
Quando desce do seu trono - o monociclo que tem mais de dois metros de altura - e fica no chão da avenida ao alcance das pessoas, elas se aglomeram em sua volta para ver as suas graças e ouvir o que ele vai dizer para alegrá-las.
Delas tira risadas hilariantes com seus ditos cheios de humor e quando faz surgir do nada uma flor vermelha de papel, ou tira do ouvido um lenço de cor berrante, enche de admiração a todos os que o rodeiam.
Até lágrimas nos olhos das pessoas mais sensíveis ele coloca, quando elas o ouvem contar uma história triste, com aquela sua boca pintada de vermelho e percebem que se esconde uma tristeza atrás de toda aquela alegria que ele distribui e que as cores daquela fantasia que usa servem para disfarçar uma grande dor por ele sentida.
O final da tarde se aproxima e é chegada a hora dele terminar o seu espetáculo e ir descansar. As famílias vão para as suas casas e o palhaço segue o seu caminho que, sem as crianças que são levadas por elas, para ele é difícil e árduo.
Ele também tem uma casa e quando chega nela tira a sua fantasia pra carregar os sofrimentos de um homem comum. Senta-se, ainda com o rosto pintado, e pensa com amargura em uma criança muito especial para ele.
Toda aquela pintura que o mascara não disfarça a dor dos seus olhos, quando neles surgem duas lágrimas que rolam manchando a tinta que cobre o seu rosto. Ela existe, e é tão amarga para aquele palhaço, porque ele sabe que a criança que mais ama, o seu filhinho adorado, está muito doente e não vai demorar pra ele ir para o céu e ser mais um anjo por lá.

CARLOS CUNHA o Poeta sem limites
Enviado por CARLOS CUNHA o Poeta sem limites em 29/08/2007
Código do texto: T628759

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
CARLOS CUNHA o Poeta sem limites
Japão, 63 anos
369 textos (437900 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/08/17 09:33)
CARLOS CUNHA o Poeta sem limites