Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Poema Para o Cachorro Pimpão - Para o Sobrinho Lucas Correa Leite



Poema do Cachorro Pimpão

Para Lucas Correa Leite



Eu tinha um cachorro chamado Pimpão
Que adorava tomar chuva...
Bastava de o céu escurecer
Para você ver
O peludo Pimpão todo serelepe a correr
Pedindo para ir brincar nas águas das ruas

Tempestade, vento embarulhado
Você com cuidado em casa, lá dentro
E o Pimpão meio louco empolgado
Querendo se soltar como pipa ao relento

Ficava latindo contente
Pedindo pra gente levá-lo para passear
Latia com braveza, valente
Até que parecia parente
De alguma coisa da chuva peneirada no ar

Se não o soltássemos da coleira
Ele ficava desesperado a pular
Mas se o livrássemos, que bobeira
Ele ficava como se estivesse pra voar

Um dia fiquei com pena e todo olhado
Fui soltar meu agitado Pimpão
Mas depois fiquei muito preocupado
A chuva, os raios e os latidos do cão

Ele escapuliu por baixo do portão
Ganhou a chuvarada, rápido, apressado
Parecia que na chuva ficava encantado
E na enxurrada fazia um barulhão

E saltava, e latia, e ficava meio em pé
Parecia até
Que tinha amigos no céu desatando a chover
Da janela de casa a tomar meu café
Eu olhava a chuva caindo em Itararé
E sondava o Pimpão feliz pra valer

Pois passou a chuvarada
Lá se foi água, terra, enxurrada
E a crista do sol voltou a brilhar

Ficou ali a triste questão
Cadê o adorável cachorro Pimpão?
Nunca mais eu o pude encontrar

Foi com as nuvens chover nalgum outro lugar?
Levou toda sua algazarra, contenteza, escarcéu
Para morar com algum relâmpago, no céu?

Nunca mais eu vi o meu cachorro Pimpão
Quase que me revolta agora o coração
Só de imaginá-lo sozinho, perdido, ao léu...

Mas o meu Pai que entende de música, de poesia, de encantação
Diz que o cachorro foi morar nalguma distante chuva de verão
Num belo e verdejante canto do sertão
Ou até talvez virou chuvisco
Noutro lado desse nosso enorme mundão
Talvez até numa ilha de hibiscos, no Japão

Depois que eu virei moço bastante crescido
Que tanto causo parecido pela vida conheci
Lembro o Pimpão feito um arco-iris colorido
Como se fosse parte do chovido a rolar por aí






Agora fico imaginando o céu quando parece que vai chover
E acho que até escuto latidos mas de ouvir sem nada ver
E então fico pensando no meu querido cão

Mas é só uma doce lembrança anunciando para eu saber
Que quando ameaçar tempestade e começar a escurecer
Será o Pimpão que com saudades em mim há de chover

Chuvas de lágrimas do céu no meu coração

-0-

Silas Correa Leite – Estância Boêmia de Itararé-SP-Brasil
Teórico da Educação, Jornalista Comunitário e Escritor, autor de Campo de Trigos Com Corvos, Contos, Editora Design, 2007
E-mail: poesilas@terra.com.br
Site: www.itarare.com.br/silas.htm

 

Poetinha Silas de Itararé
Enviado por Poetinha Silas de Itararé em 24/10/2007
Código do texto: T708486

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Silas Correa Leite). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Poetinha Silas de Itararé
Itararé - São Paulo - Brasil, 65 anos
141 textos (51028 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/10/17 01:11)
Poetinha Silas de Itararé