Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CONFIDÊNCIAS DE UM CURIÓ



Nasci numa floresta virgem, no alto de uma árvore centenária.

Meu berço foi um singelo ninho feito de palha, mas, embora aparentemente frágil era suficientemente forte para me abrigar das tempestades e afastar-me dos animais predadores.

Minha mãe era carinhosa e nos meus primeiros dias de vida trazia-me o alimento e cuidava de mim.

Mas, eu cresci muito depressa. Logo aprendi a voar e a procurar o meu próprio alimento.

 Aprendi também a cantar e o meu canto era maravilhoso.

Todas as manhãs eu soltava a voz em chilreios vibrantes e ouvia ao longe a resposta, um gorjeio desafinado, mas que me parecia a mais bela melodia, pois vinha de minha namorada, uma curiózinha encantadora.

Entretanto, o meu dom de bem cantar foi a minha desgraça, pois despertei o desejo de pessoas desalmadas ter-me preso em uma gaiola cantando para diverti-las.

E, foi assim que tudo aconteceu.

Eu estava faminto e vi alguns grãos no chão. Desci para comer e então senti que um cesto caia sobre mim prendendo-me.

Fiquei desesperado, não tinha como escapar dali e então vi uma mão enorme adentrando o cesto.

Tentei passar pela pequena abertura, mas não consegui e aquela mão agarrou-me com força e me levou embora,

Que covardia! Em igualdade de condições, em campo aberto, duvido muito que aquele sujeito conseguisse me pegar. Mas, ele era mais forte do que eu, ou mais inteligente e eu agora estava em sua mão.

Levou-me para sua casa e prendeu-me em uma gaiola.

Ele não me tratava mal. Dava-me sempre comida e água fresca e colocou-me em um lugar protegido.

Prendeu até o Duque, um canzarrão que quando me viu ficou louco para me abocanhar.

Mas, tirou-me a liberdade e eu fiquei muito triste. Nem cantar eu queria mais.

: E, então, pensei cá comigo:

Vou ficar calado. Quem sabe assim ele perde o interesse por mim e me solta.

Mas, qual! Ele queria a todo custo que eu cantasse e quando comentou minha mudez com um amigo este lhe disse:
 
- Você fura os olhos dele! Ficando cego ele vai cantar. Você vai ver.

 - Será? Eu não tenho coragem...

 - Deixe de ser bobo! Amanhã eu venho aqui e faço o serviço pra você.

Fiquei desesperado. Alem de preso, cego! Passei a noite em claro pensando em um jeito de livrar-se do sacrifício, mas não atinava com nada. Estava mesmo perdido.

Já de madrugada, porém, ouvi um barulho vindo do canil.O Duque conseguiu abrir o portão, escapou e veio correndo pegar-me.

Mas, quando de um salto ele abriu a porta da gaiola, eu sai voando enquanto ele ficava pulando e latindo como doido.

Meu dono veio correndo, mas, hahahahaha! Pegue-me agora, se for capaz!

Minhas asas estavam entorpecidas pela falta de movimento, mas consegui pousar em uma árvore, dali para outra, até que recuperando a forma voei para longe, para a floresta que era o meu lugar.

O dia estava amanhecendo. Pousei em uma arvora muito alta e soltei o meu canto vibrante saudando o sol que despontava.

E, emocionado ouvi um chilrear fraquinho me respondendo. Era a minha curiózinha desafinada que estivera o tempo todo a minha espera.


Maith
Enviado por Maith em 04/11/2007
Código do texto: T723100
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Maith
Sorocaba - São Paulo - Brasil
735 textos (90564 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/08/17 10:36)
Maith