Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

VIVER



Que tortura saudável
Que dor agradável
Viva ! eu vivo
A doida passeia com calma pelo jardim dos mortos
Lavem as víceras
Morcegos amáveis chupam meu sangue
Frio e tépido á jorrar
Eu sou um abismo repleto de espelhos
Que enganam a queda
Eu quero gritar meu ódio em silêncio
Morrendo, moerrendo
Meus ombros cansados arrastam um peso
Pesadas torturas
Eu amo a solidão
Nem ao menos existir
Persistir em ser Mongo
Versos livres do terror do veneno, açúcar
Cutucar tubarões
Minhas assas são falsas, nem pernas eu tenho
Quebraram meu braço, mentira sôfrega
Minh’alma sôfrega pediu-lhe arrego
A arte despontou-se com ares de arcada
Abandonou-se a certeza
Abotoaram meu vestido preto estirado num caixão bem moldado
No formato da esfera quero ser alimento
De algum animal selvagem
Meu sangue é nutritivo, ma´s os ossos são fracos
Queimem meus restos e joguem no ar na boca de urubus
Bocejam a ausência perto de mim
Não respire veja a tua morte
A minha vem em sonhos
Sonhei entre outros morrer escalpelada
Sarcófagos de esperança eu deposito na alma
Que sangrando espera
Espere um pouco que vou lhe mostrar
O gosto da morte não fale comigo
Não ouça... não compreenda
Quero silêncio
A solidão é amante de um mundo escrito
Vingaram minha morte
Me trazendo a vida
Me fazendo viver.


PANDORA AEDO
Enviado por PANDORA AEDO em 06/05/2006
Código do texto: T151432
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
PANDORA AEDO
Tangará da Serra - Mato Grosso - Brasil, 33 anos
30 textos (2538 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 17:50)
PANDORA AEDO