Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Livro do Poder Episódio 1x01 - Irmãos - parte01

Blog onde a série é escrita:
http://fictionslft.blogspot.com

Vídeo de abertura do capítulo 1
http://www.youtube.com/watch?v=W2W-rIqtZUg

sinopse

Lucas é um adolescente de 15 anos, morador da cidade de Nova Vida. Seu pai é policial e Lucas tem um irmão de sua idade que promete ser um grande pintor. Mas um acontecimento envolvendo seu irmão, e quando ele(Lucas) acha um estranho livro seu destino começa a mudar radicalmente.

personagens participantes

Lucas Reiden
Marcos reiden
Almir Reiden
Amélia Cristina
Sergio
Sandro Oliveira
Arthur Street
Mac Street
Vander Bencloff

CAPÍTULO 1 - IRMÃOS (PARTE 1)


A luz do sol foi a primeira coisa que viu ao abrir os olhos depois de uma noite de sono. Todas às vezes quando vai dormir, Lucas deixa a janela aberta para refrescar um pouco o seu quarto. Sempre entra uma leve brisa confortante no meio da noite, que deixa o sono mais tranqüilo. Mas durante a manhã, o que passava por aquela janela era a luz solar que batia em seu rosto. Isso às vezes o deixava um pouco irritado.
_ Tenho que me lembrar de trocar a cama de lugar_ disse colocando a mão sobre o rosto para se proteger da luz.
Mas dessa mesma janela, ele tinha uma linda vista da cidade onde morava. Na maioria das vezes quando acorda ele vai para a janela apreciar a vista. O começo da paisagem é bem rural, muitos campos, árvores e algumas casas. Mas se for olhar um pouco mais longe, a paisagem começa a se urbanizar. Algumas casas, e até mesmo prédios terminam o fim da paisagem.
Lucas desceu as escadas para o térreo da casa, e foi em direção à cozinha. Mesmo sendo uma casa no campo ela é igual a qualquer casa urbana. A casa possui dois andares. No primeiro estão: a sala, que é bem extensa, a cozinha e mais outro cômodo. E no segundo ficam os quartos, todos com banheiros. São três quartos no total, e mais um cômodo onde se guardam coisas velhas.
O pessoal da casa tinha mania de acordar cedo, começando pelos seus pais. Ao chegar à cozinha, sua mãe estava fazendo um bolo para mais tarde, e seu pai, já com a roupa de policial estava tomando café e lendo o jornal.
_ Porque não começa lendo a sessão de esporte, como a maioria dos homens? _ perguntou Lucas, olhando para reportagens de violência.
_ Sou policial, isso aqui faz parte do meu trabalho_ respondeu seu pai. Almir já é policial há seis anos, é muito dedicado ao trabalho, e muitas pessoas o admiram por isso.
_ Fazendo bolo já há essa hora? _ perguntou para sua mãe, que estava misturando os ingredientes.
_ Seu irmão me pediu para fazer um bolo de fubá para ele. Sabe como ele é. Adora esse bolo. E já faz um tempo que ele não come um.
_ É, sei. Ele fala que comer esse bolo o ajuda a se inspirar mais_ respondeu Lucas. Ela quase não faz um bolo pra mim, quando eu peço. Só porque ele é...
_ Bem, está na hora de ir para o trabalho_ disse Almir, interrompendo o pensamento de Lucas. Ele se despediu dos dois e saiu.
_ Por falar em irmão, onde ele está agora?_ perguntou para sua mãe.
_ Onde você imagina que ele esteja?
_ Ah, claro, Onde mais. Então eu vou lá dar um bom dia.
Lucas dirigiu-se para o outro cômodo do primeiro andar da casa. A entrada era através de uma porta dupla que fica na sala, ao lado da escada. Seu irmão tinha muito cuidado com este lugar, pois é lá que ele passa a maior parte do tempo. O que era para ser uma área de lazer acabou se tornando uma galeria de arte. O lugar tinha paredes claras que ajudavam o artista a relaxar e o local era lotado de quadros de pintura. Ao entrar, Lucas viu Marcos pintando mais um quadro.
_ Como vai o artista número um da cidade? _ perguntou Lucas se aproximando. Assim que Marcos ouviu, ele pegou um pano e cobriu o que estava pintando.
_ Lucas, que susto! Nem vi você chegando_ respondeu, após cobrir o quadro.
_ O que está escondendo aí? _ perguntou Lucas indo na direção do quadro. Mas Marcos entrou na frente dele o impedindo de tirar o pano.
_ É um quadro que ainda está incompleto. É melhor você não ver ainda.
_ Mas eu sempre olhei seus quadros inacabados.
_ Eu sei, mas... esse aqui é especial. _ Lucas nunca viu seu irmão fazer isso por causa de um quadro. Pra ele se comportar assim deve ser um quadro muito importante, pensou.
_ Já que você quer assim. Mas o que tem no quadro?
_ Ah, é surpresa. Você não pode ver.
_ Ok, Ok, não vou mais insistir. Só irei ver o quadro quando ele estiver pronto.
_ Assim é melhor.
_ E como você anda meio ocupado, acho que vou correr sozinho hoje.
_ Deixe de besteira_ disse Marcos colocando os pincéis na mesa _ Acha que eu não sei separar as coisas importantes.
_ Ah sim. Você e sua filosofia misturando dom e família. Uma pessoa que possua um dom, não pode viver sem alguém por perto. E esse alguém ajuda a pessoa a entender melhor seu dom.
_ Acha que eu estou errado?
_ Não, mais o mundo é muito variado, e você pode estar enganado.
_ Até que me provem o contrário, não vou mudar de idéia.
E os dois saiam da galeria enquanto conversavam.
_ Por que você acha que tudo o que você fala está certo?
_ Porque eu tenho certeza no que eu digo.
_ Certeza demais. Em alguma coisa vai ter algo errado.
_ Pra outros podem estar, mas pra mim não.
_ Tudo bem sabichão, se arrume que eu vou esperar.
_ Espera, eu ainda vou tomar café.
_ Marcos, eu não acredito. _ Marcos às vezes tinha uma péssima mania de ir para a galeria sem antes mesmo de tomar o café da manhã.
Algum tempo depois, os dois saíram.
_ Voltem logo!_ gritou a mãe.
_ Está certo, mãe. _ respondeu Marcos.
_ Todo final de semana ela diz a mesma coisa. Às vezes é bom mudar o disco_ comentou Lucas.
_ Tem razão. Já estou cansado de responder.
A frente da casa era toda gramada, e tinha um chamativo a poucos metros da casa. Uma enorme arvore de frente para a extensa paisagem. A casa fica em um morro, e de lá dá pra se ter uma boa visão do começo da cidade. O terreno totalmente gramado, e com uma pequena pista que liga a garagem da casa a rua, é cercado por cercas. A rua á frente do terreno também fica numa posição elevada. Um pouco mais para a direita tem uma rua que desce para o nível normal da cidade. Essa rua leva para o começo da área urbana da cidade de Nova Vida.
No entanto, Lucas e Marcos pegam a continuação da rua em frente a casa deles, e seguindo para a esquerda, que beira o campo até o seu final. Os dois fazem isso toda a manhã de sábado. Atividade que foi iniciada pelo pai, e que eles continuaram. E nada como correr em um lugar cem por cento natural, longe do barulho cacófato da cidade. Ouvem-se apenas o vento matinal batendo no rosto e o cantar dos pássaros.

.......................

Almir chegou ao centro de Nova Vida, e se dirigiu para o departamento de polícia. Ele entrou na garagem subterrânea do prédio e deixou o carro lá. Depois subiu para o térreo, chegando ao trabalho. Mas notou algo de diferente no lugar. Todos estavam um pouco tenso comparado á dias normais de trabalho. Os policiais andavam de um lado para o outro, como se algo grave estivesse acontecendo. Almir se aproximou de Oliveira, o chefe do departamento de polícia para saber o que estava acontecendo. Oliveira já era uma pessoa quase idosa, mas ainda estava ativo no cargo. Esse ano seria o último, antes de se aposentar.
_ Chefe, o que está havendo?_ perguntou Almir. Oliveira o considera o policial mais competente do departamento.
_ Temos um problema _ respondeu ele.
_ Que tipo de problema?
Oliveira pegou seu note book em cima da mesa e virou a tela na direção de Almir.
_ Duas pessoas fugiram do presídio ontem a noite_ disse enquanto Almir olhava para os rostos das duas pessoas na tela. Oliveira continuou _ Eles são Arthur Street e Mac Street. Conhecidos como os gêmeos Street. Foram presos por assassinar um milionário que estava de viajem na cidade.
_ Sim. Eu lembro deste caso. Foi há cinco anos. Demoramos muito pra identificá-los já que eram garotos de rua. Qual foi a última vez que foram vistas?
_ Quando saíram do presídio.
_ Aquele lugar é um deserto. Não vão conseguir encontra-los lá. Mas esses caras também não podem ficar lá por muito tempo, eles vão acabar morrendo pelo calor. Eles precisam vir para a cidade, ou cruzar a fronteira da cidade e pegar carona com alguém.
_ Temos alerta máximo. A fronteira está fortemente vigiada. Não tem como eles saírem da cidade.
Almir pensou em alguma outra rota de fuga que os gêmeos poderiam usar, mas não tinha outra. A cidade ficava ao redor de montanhas e infinitas áreas florestais. A única saída é pela rodovia principal que está sendo vigiada. A única alternativa deles é vir para a cidade.
_ Vamos ficar de olho_ disse ele _ Eles irão vir pra cá.

.....................

Lucas e Marcos corriam pelo acostamento da estrada Azevedo. Passavam muito poucos carros por ali. Ao lado esquerdo deles estava uma vasta região de campo, com poucas árvores. E do outro lado da estrada havia uma floresta quase intransponível, por causa da mata elevada. Assim que chegaram a certo trecho em que a estrada virava, eles entraram no campo e lá continuaram a corrida matinal. Alguns minutos depois, eles pararam e sentaram em uma enorme pedra.
_ Isso aqui realmente cansa. _ disse Lucas bem ofegante.
_ Eu tenho um porte físico melhor que o seu. _ disse Marcos, um pouco menos ofegante que Lucas.
Os dois tomaram um pouco de água, e deitaram sobre a pedra. E ao som dos pássaros da região ficaram olhando as nuvens passarem. Em um instante depois, Lucas perguntou:
_ Marcos!
_ O que foi?
_ Você acha que nossa mãe gosta de mim tanto quanto gosta de você?
_ Mas é claro. Porque você veio com este assunto de novo? _ Marcos ficava um pouco irritado quando seu irmão vinha com esta conversa.
_ É que você é filho dela, eu não. E de vez em quando ela parece fazer as coisas mais pra você do que pra mim.
_ Do que está falando? _ Marcos ficou sentado na pedra e continuou _ Nós dois somos irmãos e filhos adoráveis, não importando se um saiu da barriga e o outro de uma assinatura de papel. Somos uma família.
_ Eu sei disso. Mas você é mais especial.
_ Como assim especial?
_ Você sabe pintar. E nossa mãe também é uma excelente artista. Isso faz de você o queridinho dela. Ela faz favores, bolos, presentes, tudo para agradar você. E parece que ela de vez em quando se esquece de mim.
_ Você está com ciúmes de mim?
_ Não. Eu só queria ter algum tipo de dom. Assim talvez eu fosse um pouco mais notado.
_ Todos tem um dom, apenas ainda não descobriu o seu.
_ Eu acho que estou destinado a nunca descobri-lo.
_ Porque diz isso?
_ Eu não sei. Toda vez que eu acordo de manhã, e olho pela janela, eu sinto falta de alguma coisa. Alguma coisa que me faça sentir importante.
_ E você não se acha importante?
_ Como eu posso ser importante se sempre sou deixado em segundo plano? É como se quase ninguém me notasse.
_ Se ninguém o notasse ainda estaria num orfanato hoje. Qual o seu problema? _ Marcos levantou-se_ Acha que ninguém tem o direito de viver, de poder sonhar? Acha que isso cabe apenas a você? Nós cuidamos de você todos esses anos e agora você começou a cismar com este assunto. Acha que não foi o seu destino sair daquele orfanato? _ Lucas se levantou e respondeu:
_ Só estou dizendo que estou sendo invisível naquela casa. Todos os eventos que acontecem lá dentro são sempre em torno de você. Nunca é feito algo pra mim.
_ O artista dentro da família sou eu e não você.
_ E só porque você tem algo que as outras pessoas não têm você se torna especial, não é?
_ Eu estou tentando alcançar meu sonho de ser um artista reconhecido. O que tem de mais nisso?
_ Bom, dentro de casa, acho que você já conquistou isso.
_ Escute, você é meu irmão. Acha mesmo que estou tendo a intenção de magoar você. Lucas, esse é o meu sonho, o meu destino. Eu não tenho escolha se você se sente assim.
_ Talvez fosse melhor você pensar um pouco nas pessoas do que nos quadros.
_ Talvez você ainda não tenha percebido, mas eu considero você uma pessoa muito especial.
E em minha opinião, você está sendo equivocado nisso tudo, ta bom. Não é comigo que você tem que falar essas coisas, é com a nossa mãe. Só porque eu sei pintar quadros e você não tem nada de especial, não precisa ter este ataque de ciúmes.
_ Vai embora! Deixe-me sozinho. _ O tom da fala surpreendeu seu irmão.
_ Você nunca me mandou ir embora pra ficar sozinho.
_ Estou mandando agora. _ disse olhando nos olhos de Marcos.
_ Certo. Então mais tarde nós conversamos com mais calma. _ Lucas não percebeu, mas era clara a tristeza nos olhos de seu irmão. Ele começou a correr de volta para a estrada, e Lucas voltou-se a deitar na pedra, e olhar para as nuvens.

........................

Almir estava sentado em sua cadeira, esperando por alguma informação que pudesse levar a polícia até os fugitivos. Ele viu Sérgio se aproximar dele. Ele é um dos melhores amigos de Almir no trabalho.
_ Bem vindo de volta! _ disse Sérgio, colocando a mão sobre o ombro de seu amigo.
_ Preciso aumentar minhas férias _ respondeu com um sorriso no rosto.
_ Mal volta e já topa com presidiários fugitivos. Você é pé frio. Estava tudo bem, antes de você voltar.
_ Muito engraçado. Sabe que precisam de mim.
_ É, mas quase todas as vezes que você não está aqui, esse lugar parece um paraíso.
_ Deixe-me adivinhar como seria este paraíso. Algum malandro que pula a cerca chega aqui se queixando do antigo namorado de sua amante ter quebrado seu carro, e ficam o dia todo aqui numa briga de ciúme interminável. Também uma mulher que sofre agressões domésticas...
_ Ta, tudo bem eu já entendi.
_ Isso aqui nunca vai ser um paraíso. Está mais com cara de purgatório.
_ É, tem razão. Mas mudando de assunto, como está sua família?
_ Estamos bem. Minha esposa continua adorável. Marcos está prestes a entrar na escola de arte Bencloff.
_ Meus parabéns. Ouvi dizer que apenas os melhores passam para aquela escola.
_ Ele é o meu orgulho. Puxou o talento artístico da mãe.
_ E o seu outro filho?
_ Lucas? _ Almir deu uma pausa procurando palavras para responder _ Pelo o que eu sei, ele também está bem.
_ Entendo. É bom ter uma família assim.
A conversa foi interrompida pelo grito de Oliveira que vinha na direção deles.
_ Nós o encontramos! Estão escondidos numa fábrica abandonada ao sul da cidade. Vamos! _ Oliveira saiu e avisou os policiais que iriam.
_ Vamos. Temos um trabalho a fazer. _ disse Almir levantando-se da cadeira.
.................

Assim que Marcos cruzou a porta de casa se deparou com um homem sentado no sofá de sua casa. Ele aproximou-se enquanto o homem olhava para ele. Era um alguém muito bem arrumado de terno e gravata. Tinha pinta de ser alguém importante. E era meio idoso, devia ter quase uns sessenta anos.
_ Quem é o senhor? _ perguntou Marcos.
_ Desculpe, eu não me apresentei. Sou Vander Bencloff, diretor da escola de arte Bencloff. _ disse levantando-se do sofá. Marcos sentiu sua barriga doer. Ele não podia acreditar que estava diante de quem sonhou estar. Finalmente seu trabalho e esforço foram reconhecidos, e o diretor Bencloff estava ali diante dele. _ Você é Marcos Reiden?
_ Sim, sou eu mesmo.
_ Meus parabéns. _ disse Bencloff estendendo a mão. Marcos também estendeu a sua. _ Você é o mais novo aluno da escola de arte Bencloff.
Marcos tremia de alegria. Seu nervosismo atingiu um alto.nível. Com um sorriso meio modesto, ele perguntou mais uma vez, bem devagar.
_ Isso é verdade? _ Bencloff balançou a cabeça positivamente.
_ É verdade, meu filho. _ disse sua mãe, entrando na sala.
_ Mãe?
Ouve um silêncio na sala. Tempo suficiente para Marcos se convencer de que aquilo era realmente verdade. E então deu um grande sorriso que tomou conta de todo o seu rosto.
_ Eu ganhei o concurso? Eu consegui?
_ Em primeiro lugar. _ respondeu o diretor.
_ Eu ganhei de verdade. Eu consegui! _ vibrou ele.
_ Estou vendo que ainda está um pouco emocionado. Quando estiver pronto, vá para a escola fazer sua matrícula assim que puder. Estaremos esperando.
_ Claro. Já estarei indo.
Bencloff saiu, e Marcos foi correndo até sua mãe. Ele lhe a abraçou.
_ Mãe. Eu consegui. Eu consegui.
_ Sim. Estou orgulhosa, meu filho.
....................

Lucas estava encostado em uma árvore, olhando para a paisagem montanhosa a sua frente. Este é um lugar que ele sempre freqüenta para refletir sobre sua vida. Seus pensamentos estavam confusos este dia. Parecia que alguma coisa estava errada. Uma pequena brisa gelada bateu em seu rosto.
_ O que é isso? Essa sensação. _ Assim como o vento batendo em seu rosto, ele sentiu algo também se aproximando. Algo que vinha para mudar tudo. Algo que soava familiar.
_ Eu já senti isso antes. _ ele sentiu o vento bater em seu rosto e fechou seus olhos. Era apenas o som do vento.
_ Está querendo me dizer alguma coisa. Eu posso sentir. _ Lucas não acreditava muito nessas coisas. Mas não podia dizer que não acontecia. Aquilo estava acontecendo, e sendo verdade ou não, ele não podia negar o que estava sentindo. A brisa diminui e Lucas abriu os olhos.
_ Acho melhor voltar pra casa.
........................

Em um dos últimos andares da fábrica, Arthur e Mac Street estavam se escondendo da polícia. Arthur estava frente à janela, observando o movimento do lado de fora. E seu irmão, sentado, encostado na parede atrás dele.
_ Não vejo ninguém lá fora. Acho que já podemos sair daqui. _ disse Arthur.
_ Ir pra onde? _ perguntou o seu irmão. _ Olhe o meu estado. Estou baleado, não posso ir a lugar algum.
Arthur olhou para o ferimento na barriga de seu irmão. A roupa dele estava manchada de sangue. Ambos ainda estavam com as roupas do presídio. Ele sabia que seu irmão não podia durar muito tempo, se saísse por aí.
_ Mas Mac, o que eu devo fazer? Eu não sei pra onde te levar. Você está perdendo muito sangue. Se continuar assim...
_ Exato. Se continuar, você vai ter que se virar sozinho daqui pra frente.
_ Não, não sem você. Eu preciso de você, ao meu lado. _ disse indo até Mac.
_ Não. Não precisa. Você sabe se virar sozinho.
_ Mac, nós entramos nessa junto, e vamos sair dessa juntos.
_ Foi minha culpa. Eu te induzi até onde estamos hoje. Você sempre dizia o que estava certo e o que estava errado. Mas eu não te ouvi naquela época. Eu estava obcecado por dinheiro.
_ Eu entendo. Nós vivíamos na rua, e não tínhamos dinheiro. Isso o levou a cometer aquele ato. Você estava fazendo o que era melhor pra nós dois.
_ Não. Arthur escute. A verdade que eu nunca lhe dei a atenção que você merecia. Depois de certa idade, eu comecei a fazer coisas ruins, e no final caia tudo sobre você. Arthur me desculpe.
_ Você é meu irmão. Crescemos e vivemos juntos, e eu não vou te perder. Entendeu?
Mac olhou no fundo dos olhos de seu irmão, e sentiu que ele estava falando a verdade. Que ele não era culpado, por tudo o que estava acontecendo. E agora, ainda estava tentando salva-lo. Entretanto Mac sabia que as coisas não eram como seu irmão pensava.
_ Entendi.
De repente os dois ouviram um som familiar. Uma sirene que aumentava com o passar do tempo. Ouviram também sons de motores de carros se aproximando. Arthur foi até a janela para conferir.
_ É a polícia! _ disse virando-se para o irmão.

...............

CONTINUA…


Luiz dreamhope
Enviado por Luiz dreamhope em 07/12/2007
Código do texto: T768573

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link do site (http://fictionslft.blogspot.com/)). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Luiz dreamhope
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 27 anos
33 textos (1140 leituras)
7 e-livros (435 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/10/17 13:59)
Luiz dreamhope