Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

“Maria a rainha do futebol”

   Ela nasceu tão pequena que os médicos lá da fazenda diziam que ela não sobreviveria.
   O seu pequeno e delicado tamanho deixava todos preocupados.
   Maria aos poucos foi crescendo e seu corpo jamais foi moradia de gordura, ela era só correria desde a manhã até a tarde.
   No pique esconde ninguém a encontrava, pois ela conseguia se esconder em lugares inimagináveis.
   _Maria, Maria!Chamou sua mãe.
   _Busca um alho pra mim lá na venda do Seu João.Mas não demora hein!
  Maria então era só correria, tudo que estivesse em sua frente era motivo para que ela fizesse o que mais gostava de fazer, chutar.
   Chutava lata, chutava pedras, chutava tudo que estivesse em sua frente.
   Chegando à venda de Seu João, ela o encontra ajeitando algumas vasilhas de plástico na prateleira.
   _Bom dia!Disse Maria.
   _Bom dia Maria, o que deseja?
   _Vim comprar alguns alhos para minha mãe.
   De repente Seu João deixou escapar das mãos uma pequena vasilha e Maria sem titubear, pegou de primeira, virou o corpo e tum, lá se foi a vasilha se espatifar na parede.
   Seu João vendo aquilo ficou pasmado, nem se zangou com ela.
   Nem Chiquinho conseguiria fazer isto, pensou Seu João, e olha que Chiquinho era o melhor jogador de futebol da fazenda.
   Na volta, passando por uma colônia da fazenda, Maria viu alguns meninos jogando futebol em um pasto.Ela colocou as duas mãos no arame da cerca, um pé no arame de baixo e ficou observando, só tinha meninos, ela não enxergou uma menina sequer.
   Maria perguntou a eles se ela podia jogar.
   _Não!Aqui só jogam meninos!
   _Mas eu sei jogar futebol!
   _Há, há, há, ironizou Neto, um menino gordinho,que só jogava porque era o dono da bola.
   Maria continuou assistindo a pelada, toda tristonha e decepcionada.
   De repente chegou um menino pretinho numa magrela torta faltando pedal, manete de freio e rangendo que nem um carro de boi.
   Era Chiquinho, a fera do futebol, todos queriam jogar do seu lado, pois o time que ele jogava sempre acabava vencendo.
   Começa a pelada e Chiquinho dribla um, dribla dois, para o pé em cima da bola, mexe pra lá, pra cá, joga a bola no meio das pernas e mete um gol.
   Maria vibra do lado de fora, um menino sai pulando num pé só e Maria observa atenta.
   Já estava três a zero para o time de Chiquinho e o time do Neto ainda perdeu um jogador importante.
   Não tinha mais ninguém do lado de fora do campinho a não ser a pequena Maria.
   _Ei menina!Entre aqui, mas é só para completar, vê se não atrapalha.
   Maria saiu num pé só, passou por entre os fios da cerca e rapidamente lá estava ela no meio do campo, ou bem dizendo, no meio do pasto.
   _Quero jogar de centroavante, disse Maria.
   _Não, você só vai completar o time e mais nada, falou o ranzinza do Neto.
   Recomeça o jogo e ninguém tocava a bola para ela.
   Maria era paciente, e só esperava a sua chance.
   Chiquinho descontrolava o jogo cada vez mais, ele era bom!Seu time também o ajudava muito.
   De repente alguém perdeu a bola no meio do campo e pronto, Maria pegou a bola e disparou pro rumo do gol, chega um, toma uma caneta,chega outro,um rabo de vaca,
mais outro, um elástico,ela puxa a bola pro meio e dispara um tiro certeiro,gol!Goooool de Maria, a bola entrou no ângulo, o goleiro ficou parado no meio do gol,estático.
   _Tomando um gol deste, e logo de uma menina!Disse Neto.
   _Isto foi sorte, disse o goleiro, ela nunca mais conseguirá fazer isto de novo.
   Recomeça o jogo e também os gols de Maria, bate no peito e a bola escorre pelo seu corpo, vem Chiquinho toma um lençol,vem outro,outro lençol e gol.
   Maria faz um, dois,três,empata o jogo.Não poderia ser só sorte, ela jogava bem mesmo.
   Bola no meio do campo, falta um minuto para terminar a pelada,quem fizer o próximo gol sairá como um rei, ou rainha,pois Maria também estava no campo.
   Chiquinho pega a bola, sai em disparada e chuta forte,a bola bate na trave e volta quase no meio do campo, Neto pega a bola,joga para o lateral direito ele dispara e cruza
para o gol, Maria salta e de bicicleta faz um belíssimo gol,goooool de Maria!
   Todos correram para abraçá-la, até os meninos do outro time.
   Neto agora terá que mudar sua opinião sobre ela, sobre as meninas saberem jogar futebol ou não.
   Maria agora é famosa na cidade e na fazenda.
   As lavadeiras falam de Maria, os peões também falam de Maria.
   Por onde passa todos mexem com ela.
   Chiquinho tornara-se seu melhor amigo, treinavam juntos,nadavam na cachoeira juntos,e cresceram assim um do lado do outro.
   Hoje em dia Maria joga na seleção brasileira e Chiquinho é o melhor jogador de um grande time lá da capital.
   Os dois se casaram e todo ano voltam no campinho onde tudo começou.
   Nos confins de uma grande fazenda.
Belchior Contins
Enviado por Belchior Contins em 08/01/2006
Código do texto: T96210
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Belchior Contins
Lagoa Santa - Minas Gerais - Brasil, 50 anos
46 textos (3955 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 09:47)
Belchior Contins