Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Senhor Delegado

Senhor Delegado tenha paciência,

Não posso suportar, essa situação,

Sou um cara sossegado, mas Sua Excelência,

Hoje tive que invadir sua Jurisdição.


Sou do proletariado,

Um sujeito decente,

E sei muito bem, onde ponho meu nariz,

Sei viver tranqüilo , como toda gente

Não sou um subversivo desse país


Tudo o que eu quero, é ter tranqüilidade,

De pegar minha garota e me mandar pra rua

Contemplar o movimento da minha cidade

Por favor me de licença para eu olhar a lua.


Mas Senhor Delegado, tenha paciência,

Não me formei na escola da agitação,

Sou capaz até de cumprir penitência,

Mas aquilo não era bomba, era o meu violão.


Eu cantava lá na praça, um samba todo novo

Um compositor falido, isso é o que eu sou,

E não eram panfletos, que entregava ao povo,

Eram letras do meu samba, que o vento levou.


Até logo Excelência, Doutor Delegado

Meu nome nessa ficha não precisa acrescentar

Já fiz minhas declarações, meu muito obrigado,

Escreva simplesmente, um cantor popular.


Jesus Prado Amador
Enviado por Jesus Prado Amador em 10/09/2007
Código do texto: T646717

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Jesus Prado Amador
Tramandaí - Rio Grande do Sul - Brasil, 67 anos
19 textos (2686 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/10/17 19:34)
Jesus Prado Amador