Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Cada Poça Dessa Rua Tem Um Pouco De Minhas Lágrimas

Você vai dizer
Eu não fiz por mal, eu não quis te magoar

E eu vou dizer
Que seria ideal fugir, te abandonar
Pra sempre, pra sempre

Começa a chover
(começa a chover)
E a lágrima vai se misturar com a água que cai do céu
E ao anoitecer
(e ao anoitecer)
Em vão eu tento encontrar o que de mim você levou
Pra sempre, pra sempre

Perdoa por eu não poder te perdoar!
Dói muito mais em mim não ter a quem amar
Ecoa em mim o silêncio dessa solidão
Pudera eu viver sem coração...
Viver sem você
(você, você)
Sem você
(sem você)
Viver sem você

Em cada poça dessa rua você vai me ver
Em cada gota dessa chuva você vai sentir minhas lágrimas
Minhas lágrimas...
E a cada dia da sua vida você vai chorar lágrimas sofridas que não vão somar um décimo do que eu sofri...
O quanto eu sofri
O quanto eu sofri

Eu pude ver o sol desaparecer do seu rosto, dos seus olhos, da sua vida.
Eu pude ver o sol desaparecer do seu rosto, dos seus olhos, da sua vida.
Eu pude ver o sol desaparecer do seu rosto, dos seus olhos, da sua vida.
Eu pude ver o sol desaparecer do seu rosto, dos seus olhos, da sua vida.

Desaparecer
(desaparecer)
Desaparecer
(desaparecer)
Desaparecer...



Composição: Lucas Silveira
Matheus Felipe de Oliveira
Enviado por Matheus Felipe de Oliveira em 05/12/2007
Código do texto: T766187
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Matheus Felipe de Oliveira
Anápolis - Goiás - Brasil, 29 anos
6 textos (306 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/08/17 08:27)
Matheus Felipe de Oliveira