Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

SUBJETIVO

A ferrugem chegou com o sopro do vento
Paralisou os ponteiros naquele exato momento
Acordei na cordilheira no meio da tempestade
Entre papéis e letras o sol nasceu mais tarde

Pétalas ao chão passos no silêncio cinzas e pó
A noite foi mais longa quase tudo dissipou-se ao meu redor
Como a chuva que chega em cacos e nunca vai embora
Você passou mas é sempre o mesmo dia na mesma hora

Os dias envelhecidos repousam em jornais rasgados
Sobre as folhas o mundo é antigo e o futuro nublado
Sol solstício um labirinto que não pára de crescer
Em cada esquina ficou tarde demais antes de anoitecer

Não quero explicar coisas que nem eu entendo
Não vou morrer agora nem viver soletrando o tempo
Eu que sempre me perdia encontrei a sua mão
Eu que nunca pedi nada um dia te pedi perdão




Franciane Cruz
Enviado por Franciane Cruz em 04/12/2005
Reeditado em 23/05/2009
Código do texto: T80729

Copyright © 2005. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Franciane Cruz
Niterói - Rio de Janeiro - Brasil, 36 anos
43 textos (2527 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 18:41)