Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Culpa minha. Cachorro?

“Meus planos (...), como sempre.
Do abandono ao abandono.
Como ás vezes sou ingênuo!
Nas delícias das minhas paixões largo tudo e, junto vou ao chão com tudo.
Como explicar os sonhos (?), se o que tenho são reminiscências do meu futuro já passado!
O que dizer daqueles dias, quando nem os vejo, se os troquei pelas noites dos nossos sonhos.
Sim! Foram assim as minhas vidas, pois, já tive muitas.
Várias são as idéias minhas, contudo, afirmo novamente: ‘São minhas!’
Não te culpo por não compreendê-las, mas, não me culpe pelo seu não entender!
Deste homicídio culposo também sou vítima.
Pelas nossas negligências comprovamos a nossa imperícia de vida.
Fomos imprudentes e imprevidentes em nossos atos, portanto, não se faça só de vítima!
Somos culpados deste crime! Todavia, não tenha medo o juiz é nosso amigo, logo, estamos livres.
Inocentes inconseqüentes. Sim, somos!
Não se esqueça: ‘Eu mesmo posso lamber as minhas feridas’
Mas, jamais irei morder o meu próprio rabo!
Minha querida”


Alexander Moers
Pindamonhangaba – SP
18/09/07
Alexander Moers
Enviado por Alexander Moers em 18/09/2007
Código do texto: T657611

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexander Moers (Autor)). Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Alexander Moers
São Paulo - São Paulo - Brasil, 39 anos
57 textos (5241 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/10/17 03:18)
Alexander Moers