Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A colheita


Amar o que nunca pode ser amado
Sofrer o que sempre fora sofrido
Correr pelos campos com os olhos envoltos em lágrimas
Chorar por uma vida eternamente vivida.

Viver contra os ponteiros do relógio
Teimamos em sermos humanos
Lutar por uma boa dormida...
Que nossas cabeças descansem em paz.

Existe valor para as coisas não conquistadas?
Campos de trigo crescem com a forte chuva que cai
Mesmo que o sol ajude e acalante,
O negro dia alimenta

Os cabelos logo no inverno hão de entrar
As mãos por sorte ainda hão de escrever.
Mas os olhos continuarão a produzir as mesmas lágrimas
Salgadas e doces que a vida,
Em tristeza ou alegria, nos sempre trará.

Da vida não vivi a vida toda
Não chorei por todas as lágrimas
Mas cada uma que cai rega o meu trigo
Que te alimenta e é seu pão.

Não imaginas como o coração
De janelas escancaradas com o vento a toda força
Pode ainda badalar avisando:
A colheita serviu ao pão.
Lorenzo Giuliano Ferrari
Enviado por Lorenzo Giuliano Ferrari em 19/10/2007
Código do texto: T701084
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Lorenzo Giuliano Ferrari
São Paulo - São Paulo - Brasil, 54 anos
1817 textos (50943 leituras)
1 áudios (2457 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/08/17 20:44)
Lorenzo Giuliano Ferrari