Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Onde prevalece o amor...

O depoimento do amigo Aguinaldo, de Curitiba-PR, é muito expressivo para não ser espalhado e conhecido. Ele retrata o verdadeiro espírito de desprendimento e amor ao próximo que nos cabe alcançar. Transcrevo parcialmente aos amigos leitores:

“(...) Este ano, Deus nos enviou a lugar onde prevalece o amor e a solidariedade sobre a dor e o desespero, provenientes da doença mais estigmatizada desde os primórdios da civilização, agora denominada Hanseníase. Foi, numa dessas Colônias, denominada São Roque, localizada na cidade de Piraquara, região metropolitana de Curitiba, que conhecemos, entre as suas pares, uma Irmã Franciscana, de nome Lucila (chamada, no seu batistério, de Maria Dulce Buss). Pudemos, com tristeza, dedicar a ela apenas alguns poucos meses de atenção e carinho, já que Deus acaba de a chamar para o Alto, para missões importantes na Espiritualidade. A Ir. Lucila chegou muito jovem ainda, com 19 anos de idade, em meados do longínquo ano de 1941, há 63 anos, portanto, à Colônia São Roque, um grande Hospital, criado em 1926, para o tratamento de Hansenianos, ali permanecendo até a sua volta à Casa Eterna, com apenas uma interrupção de 3 anos, quando foi atender numa Instituição similar em Santa Catarina.

Contou-nos Frei Rui,  entre  outras coisas, que a Ir. Lucila permaneceu à frente da lavanderia do hospital por 40 anos, sem férias e domingos para descansar, com todas as dificuldades inerentes da falta de recursos que a instituição sempre teve, sendo que chegou a ter mais mil doentes, internados ao mesmo tempo, gerando uma quantidade incrível de peças de roupa para lavagem especial (em fervura e desinfecção). Nos últimos anos, a Ir. Lucila era a encarregada de fazer chegar aos irmãozinhos doentes e seus familiares, moradores nas diferentes vilas que cercam o hospital, os recursos mínimos para as suas sobrevivências, através da distribuição de alimentos (cestas básicas), arrecadados com muito custo de benfeitores, como ela se referia aos doadores da cidade grande e de todos os cantos, além de tudo o mais que pudesse ser útil (roupas, sapatos, material escolar, gás, remédios, etc.) No último mês do seu trabalho exaustivo, foram atendidas 2.157 pessoas, o que deve corresponder a um universo de mais de 6.000. Nunca ficava doente e sempre achava que  a providência divina estava a caminho. Olhava para as suas prateleiras vazias como se elas estivessem abarrotadas de gêneros alimentícios e bens diversos, o que, de fato, aí a pouco acontecia, com a vinda de recursos de um lado ou de outro. Quando, há dois meses, acometida de falta de ar e grandes dores no peito, teve que ser hospitalizada,  foi, pela primeira vez, constrangida a uma consulta médica feita por um antigo Diretor da Instituição, amigo de muitos anos.

Nas visitas que lhe fizemos no Hospital primeiro e depois em casa, recebeu com alegria as orações e os passes que lhe foram aplicados. Dizia que logo iria ficar bem de novo, pois todo o mundo estava rezando por ela. Quando eu chegava, apesar de todas as dores, recebia-me dizendo: chegou o seu Pascoal, mudando o meu nome, carinhosamente, em vista de eu ter levado algum chocolate para ela, nestas visitas. No dia 7 de maio, logo no início da madrugada, deixou este mundo, onde exemplificou o que o amor e a caridade podem fazer em favor do próximo. Ela, de origem alemã, nasceu em Santa Catarina, num lar de 11 filhos, em 8 de junho de 1922, tendo, desde pequenina, manifestado o desejo de seguir a vida religiosa, no que foi atendida pelos seus pais, que a levaram a ingressar na Congregação Franciscana de São José, fundada em 1860 na Alemanha, tendo vindo ao Brasil, em 1926, para fazer, entre outros, o trabalho de atendimento de enfermagem e espiritual do Hospital São Roque, naquele ano inaugurado, como eu disse atrás. A Ir. Lucila, pelo pouco que ficamos sabendo e pelo muito da história que viveu e perdeu no decurso dos anos, pode ser, guardadas as devidas proporções, considerada da mesma grandeza espiritual de uma Madre Tereza de Calcutá, da Índia, ou da Ir. Dulce, essa outra brasileira valorosa, amiga de Divaldo Franco.

O apelo que podemos fazer é que essas vidas, inteiramente dedicadas a tratar das feridas alheias, do corpo e do coração, sejam sempre colocadas como exemplo para as gerações futuras, para que novas estrelas brilhem aqui na Terra da mesma forma com que elas brilham no céu. Outra coisa. Não posso deixar de registrar a maneira sóbria e carinhosa pela qual a ausência terrena da Ir. Lucila foi recebida por todas as outras religiosas, missionárias do amor e da caridade, que com ela tiveram o privilégio de lutar contra a miséria e a dor, sem, em nenhum instante, rebelarem-se contra os desígnios do Pai.  Mais, ainda. Faça-se o registro de que vários grupos espíritas auxiliam com muito ardor e de todas as formas a Associação São Roque, para onde são carreados os donativos de qualquer espécie. Sei, também, do grande trabalho realizado pelo Grupo Espírita Os Mensageiros, que já distribuiu mais de um bilhão de mensagens consoladoras pela Terra,  que, arrecadando recursos em São Paulo, ainda que escassos, são transformados em equipamentos hospitalares, tais como, roupas de cama, cadeiras de rodas, louças e talheres, remédios, onde não falta a pomada do Vovô Pedro, enviados com grande dificuldade, contando com a colaboração de Empresas de Transporte, para o abatimento e mesmo isenção de fretes. É toda uma constelação de estrelas em busca de um igual propósito, iluminar a noite escura em que estão milhares de irmãos nossos, em provas tão cruéis.

O Hospital São Roque, num trabalho de muito fôlego, está sendo totalmente reformado, pois se trata de uma construção de quase 80 anos, sendo necessário a reforma quase total, desde o telhado, hidráulica, pisos e novas disposições dos cômodos. A Madre Superiora, Ir. Inês, levou-nos para ver o trabalho já feito, onde está sendo usada a mão de obra de apenados da Penitenciária do Estado, bem próxima dali. Por sinal, são excelentes  trabalhadores e, tão logo terminem as suas penas, poderão exercer com dignidade e respeito as suas profissões.(...)”.

A luta é grande em toda a seara do Mestre.  O exemplo marcante trazido pelo relato de nosso amigo Aguinaldo merece ser conhecido e é com a permissão desse amigo que o transcrevemos, consciente da importância de se divulgar o bem por toda parte.
                  Se a leitura deste relato causar impacto em seu coração e das suas mãos brotarem dádivas de amor, capazes de levar algum lenitivo a essa multidão de sofredores, pode deixar o seu quinhão na Associação São Roque - Av. Brasília s/n - Piraquara;  na Casa das Irmãs Franciscanas de São José, dentro do Hospital, na Colônia São Roque, tel. 0 xx 41 673.2245,  ou diretamente com o amigo Aguinaldo, na Rua João Schaffer Júnior, 41 - Bom Retiro - Curitiba PR, tel. 0 xx 41 338-7824, que se encarregará, com a maior alegria,  de fazer chegar ao seu destino.
 
Orson
Enviado por Orson em 24/03/2006
Código do texto: T127832
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Orson
Matão - São Paulo - Brasil, 56 anos
298 textos (94351 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 22:51)