Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ÉTICA e corrupção...


Temas bem atuais...
Exemplificados
Por políticos!

Questões
Até do ENEM...
E se a “moda” pega?


"Eleitos" sem ética...

O povo como fica?




 NEU* e o UMBRAL político



No UMBRAL político
No Brasil é possível delinqüir dentro da lei...

Antes um esclarecimento, “Umbral” é expressão encontrada na obra "Nosso Lar", de autoria do Espírito André Luiz, psicografado por Francisco Cândido Xavier.
http://www.institutoandreluiz.org/nosso_lar_resumos.html

http://pt.wikipedia.org/wiki/Nosso_Lar
O livro narra os primeiros momentos, após a morte, do médico André Luiz. Sobre o “post-mortem” escrevemos, Metodologia Científica, Espiritismo e NEU-RJ, que alguns até que gostariam de, no laboratório, pegar um espírito na ponta de uma pinça ou observá-lo num microscópio com contraste de fase. O endereço é “Artigos” do Núcleo Espírita Universitário do Rio de Janeiro
http://www.geocities.com/neurj/neurj.htm
Na espiritualidade André Luiz percebeu que foi “suicida inconsciente”, o que não é coisa de criança
http://www.jornaldosespiritos.com/2007.3/col49.14.htm.
Em 1984 vários alunos desejavam “fazer pesquisa”. Hoje estão entre professores universitários que reproduzem a lição recebida.
Dividíamos o tempo entre cursos de graduação, pós-graduação, orientação de teses, funções administrativas, executivas, reuniões, contatos, viagens, atividades mil. No entanto, o maior problema era conseguir “verba para pesquisa”.
Com certo “desgosto”, escrevemos, em agosto daquele ano, o artigo “Com o Pires na Mão”, no JP, Jornal do Professor, já extinto. Agora, meu filho, docente-pesquisador na mesma universidade, diz que está com o pires na mão, mas alguns vivem politicamente no luxo.
A Doutrina Espírita poderia contribuir para desenvolver o comportamento ético na universidade, mas Kardec é um grande desconhecido até para os “espíritas”.
O Espiritismo é um farol, mas o espírita é apenas o discípulo que tateia nas sombras de sua própria ignorância e que luta para se desfazer do orgulho e do egoísmo. Nesta hora estamos espantados com os fatos. “Podia ser pior”. Melhor ser vítima do que agressor!
Dia, 27 de fevereiro o jornalista Augusto Nunes disse  “que Timothy Mulholland, http://clipping.planejamento.gov.br/Noticias.asp?NOTCod=413953

reitor da Universidade de Brasília, desperdiça dinheiro público como quem chupa um Chica-Bon. Para passear no carrão chapa-branca novinho em folha, gastou R$ 72 mil. Para tornar mais refinado o apartamento funcional onde vivia, torrou R$ 470 mil.”
“A gastança do reitor foi bancada pela Fundação de Empreendimentos Científicos e Tecnológicos, entidade de fomento à pesquisa vinculada à UnB. Desviado por comparsas homiziados na diretoria, acabou nas mãos de Mulholland um dinheiro originalmente destinado ao financiamento de trabalhos científicos. Pagou quase R$ 3 mil por três lixeiras. Investiu R$ 859 num único saca-rolhas. O mais caro do sistema educacional planetário.”
O Brasil possui várias e antigas universidades. A produção do conhecimento é cantada, em prosa e verso, mas na prática não se encontra quase nada.
Num livro de Yvonne Pereira, soubemos do critério utilizado para admissão numa Universidade da Alma. Ali, a relação professor-aluno é logo de início uma atitude de transparência. Narra um dos calouros que o professor lhes participou que a primeira aula seria uma “apresentação de sua personalidade”.
http://www.espirito.org.br/portal/artigos/geae/universidade-da-alma.html
Nunes disse que se Darcy Ribeiro estivesse vivo se sentiria afrontado pela presença de Mulholland no gabinete que ocupou.
A “ação afirmativa” é necessária no ensino superior. Olhando com outro enfoque, devemos proteger os universitários que demonstram maior potencial para o ensino e pesquisa. Estes podem iniciar sua "corrida laboratorial", em condições desvantajosas, numa universidade eventualmente agredida por um governo inábil ou populista.
Alunos e professores, mesmo na adversidade, conseguem produzir conhecimento e seus artigos são aceitos em revistas de bom impacto. O que não fariam em outras condições? Imaginem se todas as verbas desviadas para “lixeiras e saca-rolhas” fossem colocadas nos diversos pires do território nacional.
Se tivesse que esmolar, também seria pífia a produção científica de um professor universitário que viesse de um país desenvolvido para trabalhar numa universidade brasileira.
No Brasil da corrupção o pobre professor universitário "caixeiro viajante" é um poli-traumatizado.
A função da universidade exige a superação de um saber anterior, na negação de um saber passado para a construção do novo. A pesquisa científica é que move esse processo de superação.  A influência da pesquisa na renovação do ensino não se realiza apenas pela atividade estrita de pesquisa, mas também pelo clima de indagação e efervescência intelectual gerado por ela.
Nos países em desenvolvimento a socialização para a pesquisa ocorre tardiamente, isto porque a ciência não é um valor nesta sociedade, o cientista não goza do prestígio social que lhe é conferido nos países onde o desenvolvimento da pesquisa científica é parte fundamental de um projeto global.
Na Olimpíada Laboratorial, o docente-pesquisador brasileiro compete com os ricos atletas dos países desenvolvidos. Governos devem estimular as pequenas ilhas de competência.
A Doutrina Espírita também poderia contribuir para desenvolver o comportamento ético na universidade.
Vamos nos entristecer assistindo a ressurreição do caso Palocci.
Villas-Bôas Corrêa diz que “a denúncia apresentada pelo procurador-geral da República ao Supremo Tribunal Federal (STF), contra o ex-ministro e atual deputado federal Antonio Palocci remexe na ferida gangrenada que resiste a todas as curas do esquecimento e cutuca na inevitável rememoração da seqüência de denúncias. Inútil especular sobre o desfecho da longa e detalhada denúncia do procurador-geral“.
http://jbonline.terra.com.br/editorias/pais/papel/2008/02/27/pais20080227016.html

O governo federal está se gabando de ter criado inúmeras universidades federais. Ofereceremos cursos de valor cultural sem pesquisa por quanto tempo? É bom não esquecer que as atividades de pesquisa desenvolvidas por professores não são percebidas por eles apenas como o cumprimento de um preceito de lei. Causa perplexidade a passividade da comunidade acadêmica. Ex-ministro da Educação, ex-reitor da UnB, Buarque criticou o pecado e absolveu o pecador.
Como nasce um reitor? Lista tríplice elaborada pelo Conselho Universitário, sufrágio universal ou comissão constituída por intelectuais externos à universidade?
Imagine-se numa universidade espírita. Vamos encontrar espiritualidade, transparência e consciência?
No umbral político, com Villas-Bôas Corrêa lembremos do “aborrecimento causado pelo ministro do Trabalho (Lupi), que insiste em acumular a pasta com a presidência do PDT. O episódio provocou até a demissão do presidente da Comissão Ética da República. O novo presidente que chegou enviou ao ministro Lupi, que se apresenta como espírita, nova intimação para que, no prazo de 10 dias, justifique os R$ 50 milhões com que beneficiou ONGs ligadas à Força Sindical e ao PDT.”
No caso do saca-rolha, “os diretores envolvidos na pilantragem foram afastados pelo Ministério Público do Distrito Federal e darão explicações à Justiça. Mas, o Brasil é a pátria da impunidade, onde é possível delinqüir dentro da lei?”
Estamos no umbral político-religioso, Chegamos à conclusão após assistir o “Observatório da Imprensa” transmitido terça-feira - dia 26 de fevereiro - pela TV Brasil
http://observatorio.ultimosegundo.ig.com.br/artigos.asp?cod=474JDB013
No programa que discutiu a avalanche de ações onde ficou submersa a jornalista Elvira Lobato, repórter especial da Folha de São Paulo, algumas frases são reveladoras: litigância de má-fé; manipulação do judiciário; abalo psicológico pelo pânico, com matérias ameaçadoras.
Das “provocações” feitas por Alberto Dines, ficou claro que a associação “império econômico - controle parcial da mídia - fascinação religiosa” pode fazer mal à saúde da democracia. Há perigo quando observamos a mistura “partido político -  religião - meios de comunicação”.
No umbral político é necessário jejum e oração. Orar e vigiar, a si próprio, porque num planeta de provas e expiações como o nosso é difícil, mas não impossível, ser ético até na oposição.
(LUIZ CARLOS FORMIGA)


                                           
http://www.jornaldosespiritos.com/2007.3/col49.19.htm
LUIZ CARLOS D. FORMIGA é professor universitário da UFRJ e UERJ, aposentado.
http://ipt.olhares.com/data/big/13/137777.jpg
Juli Lima
Enviado por Juli Lima em 07/12/2009
Reeditado em 19/06/2010
Código do texto: T1965185
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre a autora
Juli Lima
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
9405 textos (1385913 leituras)
70 áudios (40425 audições)
10 e-livros (17276 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 25/06/17 05:59)
Juli Lima

Site do Escritor