Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Vivificando a família 
 
Quando jogamos uma minúscula pedra no centro de um lago de águas mansas, ondas circulares se formam e paulatinamente vão tomando conta de toda a superfície até atingirem as margens. 

Assim como a pedra provoca alterações na superfície do lago, também a instituição familiar influi nas estruturas sociais ulteriores. 

A família é a base da sociedade. Se os seus alicerces estiverem abalados, certamente efeitos desastrosos estender-se-ão numa escala maior, provocando uma reação em cadeia que afetará a sociedade em todos os seus níveis. 

Acredito que essa gigantesca onda de violência, destruição e pânico que inunda o coração da humanidade neste início de milênio está enraizada no egoísmo e na competição. A meu ver, ela também foi alimentada pela paranóia de liberdade irresponsável e violência exibidas pelos meios de comunicação (que hoje, mais do que nunca, têm o poder de influenciar diretamente a estrutura familiar). 

Precisamos vivificar a família, pois é através dela que os valores perenes deverão ser repassados às futuras gerações. O maior legado que podemos deixar aos nossos filhos é a herança de uma boa educação familiar, alicerçada na fé, no amor e na paz. 

Um famoso pintor, convencido de que ainda lhe faltava pintar a sua obra-prima, saiu em busca da coisa mais bela do mundo para retratá-la numa magnífica tela. No caminho encontrou um monge e perguntou-lhe:
─ Qual é a coisa mais bela do mundo?
─ A fé, sem dúvida nenhuma — respondeu o monge.
Prosseguindo sua viagem, logo o pintor encontrou uma noiva. Fez-lhe a mesma pergunta.
─ O amor é a coisa mais bela do mundo — respondeu a jovem.
Em seu caminho, ele ainda encontrou um exausto soldado. Também consultou sua opinião sobre a coisa mais bela do mundo.
─ A paz é a coisa mais bela do mundo. Onde você encontrar a paz fique certo de que aí encontrou a maior beleza.
─ Fé, amor e paz... Como poderei pintá-las? - perguntou-se o artista, que, desanimado, seguiu o rumo de casa. Ao entrar em sua própria morada, deparou-se com a coisa mais bela do  mundo: nos olhos dos filhos estava a fé, no sorriso da esposa brilhava o amor, no seu lar reinava a paz.
Na manhã seguinte, foi para o atelier e lá pintou a coisa mais bela do mundo. Concluída a obra, chamou-a de Meu lar. 


Israel Júlio (marido e pai exemplar), Júlio Henrique, Juliana Heloísa e Cláudio Ricardo (nossos tesouros). 
A vocês, meu amor, minha vida, minha eterna gratidão.
Maria Aparecida
Maria Aparecida Giacomini Dóro
Enviado por Maria Aparecida Giacomini Dóro em 07/10/2006
Reeditado em 01/01/2016
Código do texto: T258347
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Maria Aparecida Giacomini Dóro). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre a autora
Maria Aparecida Giacomini Dóro
Bituruna - Paraná - Brasil
447 textos (130463 leituras)
53 e-livros (13700 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 00:12)
Maria Aparecida Giacomini Dóro

Site do Escritor