Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

PAZ

A paz «nunca será só fruto de funcionamentos estruturais ou mecanismos jurídicos e políticos»; necessita de homens «pacíficos e pacificadores», adverte o cardeal Renato Raffaele Martino, presidente do Conselho Pontifício “Justiça e Paz”.

A distinção que traça entre «pacíficos, pacifistas, pacificadores» permite ao purpurado chegar à citada conclusão, segundo se desprende do capitulo final do livro que recentemente publicou sob o título «Paz e guerra» (Edizioni Cantagalli, Siena, 2005).

 


Pacífico

«A paz é patrimônio da pessoa, uma qualidade ética e espiritual sua», pelo que instituições ou tratados internacionais --por exemplo-- não são primariamente «pacíficas»: «pacífico é antes de tudo o homem, cada pessoa capaz, por dom de Deus e por virtude própria, de viver uma relação não conflitante consigo mesma e com os demais», explica o cardeal Martino.

Daí que a paz seja «a riqueza humana própria dos homens de paz, dos “pacíficos”», e que jamais possa haver estruturas de paz «sem homens de paz, pessoas pacíficas», acrescenta.

«Com muita freqüência no passado --alerta-- existiu a ilusão de que mecanismos ou processos estruturais garantem um mundo de paz sem necessidade de homens pacíficos».

E ainda que acordos internacionais, organismos, etc., sejam importantes recursos para a paz, contudo «são secundários e indiretos», porque o «principal recurso são os homens de paz, os pacíficos», insiste.

É que «o homem de paz semeia a paz a seu redor»; «é pacífico sempre e em toda ocasião da vida, porque a paz pertence a seu ser», aponta.

Pacifismo; risco de trair o objetivo da paz

«Pacifista é, ao contrário, quem se mobiliza pela paz e faz dela um projeto social e político», distingue o cardeal Martino.

E ainda que «o pacifismo seja algo bom», «pode degenerar» --alerta--: «traz frutos positivos só se é levado adiante por homens de paz», de forma que «se pode dizer que o pacifismo depende do ser pacífico».

E mais: «pode-se dizer que o pacifismo, sem protagonistas pacíficos, corre o risco de trair o objetivo da paz. Pode-se transformar em uma ideologia, maniqueísta em seus juízos e até intolerante. Insensível à complexidade das situações (...)», afirma.

Segundo descreve o purpurado, «o pacifismo não se contenta com testemunhar, quer convencer, adquirir consenso, traduzir-se em proposta vencedora e, portanto, também de poder».

Daí que, ainda que «o pacifismo é útil porque difunde uma paixão pela paz», «necessita de ser continuamente emendado, reconduzido a suas razões mais profundas, ou seja, à paz que reside nos corações dos homens pacíficos», assinala.

Desde o ponto de vista histórico, o purpurado constata que o pacifismo «teve tanto mais êxito quanto mais conseguiu encarnar-se em homens pacíficos»: «conseguiu mobilizar as consciências e obter também resultados políticos concretos precisamente porque seus protagonistas souberam guiar o movimento pacifista mediante suas qualidades de homens pacíficos».

Pacificador

Com respeito ao fato de que no pacifismo militante exista «no fundo uma vontade de possuir a paz e de impô-la», o cardeal Martino aponta que «a sabedoria do realismo cristão bem conhece que a paz é um dom de Deus antes que uma conquista humana, sabe também que a paz plena não é algo deste mundo e, portanto, com paciência, busca ser conquistado pela paz, mais que conquistá-la».

«Neste sentido, não se passa a ser “operadores da paz” se não se é capaz de acolher a paz dentro de nós», reconhece.

«Eis aqui, então, o pacificador. Ele tira alimento do fato de ser um homem de paz para vincular-se a outros homens de paz e, como tais, introduzir-se nas situações históricas de conflito para levar palavras, atitudes e soluções de paz», prossegue.

«Se o pacífico é um modo de ser e o pacifismo um processo», ser pacificador implica ação. E assim como «o pacifismo pode ser utópico e abstrato», «a ação pacificadora é concreta e realista»; se «o pacifismo simplifica, julga e às vezes condena», ao contrário, «a ação pacificadora quer entender a complexidade, ajudar a crescer, propor soluções que melhorem, converter à paz convertendo-se a ela», diferença.

«Se o pacifismo é orientado freqüentemente pela ideologia ou percorre um projeto político, o pacificador, ou “operador de paz”, está guiado antes de tudo pelo amor, porque, como escrevia Santo Agostinho, “ter a paz significa amar”», afirma o purpurado.

A paz, dom de Deus

Aponta desta forma que «a distinção entre as três expressões --pacífico, pacifista, pacificador-- nutre-se na primazia da paz dom de Deus com respeito à paz conquista do homem».

«Sem esta distinção de dois planos complementares não se entenderia por que é que os primeiros pacificadores são os homens de oração --admite--. Nem se compreenderiam as duas grandes iniciativas de oração propostas pelo Santo Padre e levadas a cabo em Assis em 1986 e em 24 de janeiro de 2002».

«A paz é antes de tudo de Deus --insiste o purpurado--: “Deixo-vos a paz, minha paz vos dou. Não vos dou como a dá o mundo” (João 14, 27). A consciência de que os homens por si só não sabem dá-la põe em crise o pacifismo ideológico e abre o espaço aos pacíficos e pacificadores».

Por isso, «há necessidade de homens pacíficos e pacificadores, porque a paz nunca será só fruto de funcionamentos estruturais ou de mecanismos jurídicos e políticos. Uma paz “impessoal”, fruto de lógicas independentes da pessoa, é uma contradição nos termos», conclui.

[Por cortesia do editor, o Observatório Internacional Cardeal Van Thuân (www.vanthuanobservatory.org) põe na íntegra à disposição do internauta --em italiano e inglês-- o capítulo final do livro do Cardeal Martino]



Me deixa em paz
Enviado por Me deixa em paz em 02/02/2006
Código do texto: T107397

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Me deixa em paz
Fortaleza - Ceará - Brasil
35 textos (23092 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 20:50)