Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Os remédios do amor e o amor sem remédio
Sermão do Mandato
Pregado em Lisboa, no Hospital, ano 1643.


"Os remédios do amor, mais poderosos e eficazes que até agora tem descoberto a natureza, aprovado a experiência e receitado a arte, são estes quatro: 
o tempo, a ausência, a ingratidão e, sobretudo o melhorar objeto .

Tudo cura o tempo, tudo faz esquecer, tudo gasta, tudo digere, tudo acaba.

Atreve-se o tempo a colunas de mármores, quanto mais a corações de cera!

São afeições como às vidas, que não há mais certo sinal de haverem de durar pouco, que terem durado muito.
 
O tempo tira a novidade às coisas, descobre-lhes os defeitos, enfastia-lhes o gosto e basta que sejam usadas para não serem as mesmas.

Gaste-se o ferro com o uso, quanto mais o amor?

O mesmo amor é causa de não amar, e o ter amado muito, de amar menos.

As enfermidades do amor têm na mesma dilatação o melhor remédio.

O amor, a quem remediou e pode curar o tempo, bem poderá ser que fosse doença, mas não é amor. 

O amor perfeito, e que só merece nome de amor, vive imortal sobre a esfera da mudança, e não chegam lá às jurisdições do tempo. 

O amor que não é de todo o tempo, e de todos os tempos, não é amor, nem foi amor, porque se chegou a ter fim, nunca teve principio. 

É como a eternidade, que se, por impossível, tivera fim, não teria sido eternidade. 

O segundo remédio do amor é a ausência. 

Muitas enfermidades se curam com a mudança de ares.

O amor com a da terra. 
E que terra há que não seja a terra do esquecimento, se vos passastes à outra terra? 

Se os mortos são tão esquecidos, havendo tão pouca terra entre eles e os vivos, que podem esperar, e que se pode esperar dos ausentes? 

Se quatro palmos de terra causam tais efeitos, tantas léguas o que farão? 

Os dois primeiros efeitos da morte são dividir e esfriar. 

Morreu um homem, apartou-se a alma do corpo, se o apalpardes logo, achareis algumas relíquias de calor, se tornastes daqui a pouco, tocastes um cadáver frio. 

Estes mesmos efeitos têm a ausência. 

Despediram-se com grandes demonstrações de afeto os que muito se amavam.

Palpitam no coração as saudades, rebentam nos olhos as lágrimas, saem da boca suspiros. 

Mas, e depois? Os olhos enxutos, a boca muda, o coração sossegado: tudo esquecido, tudo frieza. 

Fez a ausência seu ofício, como a morte: apartou, e depois de apartar esfriou.

O terceiro remédio do amor e o mais forte: a ingratidão.

A virtude que lhe dá tamanha eficácia, se eu bem o considero, é ter este remédio da sua parte a razão.

Diminuir o amor o tempo, esfriar o amor à ausência, 
é sem-razão de que todos se queixam;
mas que a ingratidão mude o amor e o converta em aborrecimento , à mesma razão o aprova, o persuade, e parece que o manda.

Que sentença mais justa que privar do amor a um ingrato? 

O tempo tira ao amor a novidade, a ausência tira-lhe a comunicação, a ingratidão tira-lhe o motivo. 

Finalmente o tempo e a ausência combatem o amor pela memória, à ingratidão pelo entendimento e pela vontade. 

E ferido o amor no cérebro, e ferido o amor no coração, como pode viver?

Mas, é a ingratidão com o amor, como o vento com o fogo:
se fogo é pequeno, apaga-o vento; se é grande, ascende-o mais.

O quarto remédio do amor: a melhora do objeto
Um amor com outro se apaga.
É o amor entre os afetos como a luz entre as qualidades.
O maior contrário de uma luz é outra luz maior.
As estrelas no meio das trevas luzem e resplandecem mais, mas em aparecendo o Sol, que é luz maior, desaparecem as estrelas.
O mesmo lhe sucede ao amor, por grande e estremado que seja. 
Que aparecendo o maior e melhor objeto, logo se desabou o menor."
Lilicadf
Enviado por Lilicadf em 29/03/2007
Reeditado em 20/04/2007
Código do texto: T430715

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Lilicadf
Brasília - Distrito Federal - Brasil, 53 anos
78 textos (15273 leituras)
3 áudios (3058 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/11/17 02:18)
Lilicadf