Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
BÍBLIA PARA TODOS OS DIAS


Luiz Alberto Massarote

Gentileza de: Antoni BigCuore*

Texto extraído do Portal Católico, chamado Mundo Católico, que ora publico na minha página no Recanto das Letras, para a reflexão dos cristãos católicos e evangélicos. Autoria de, Luiz Alberto Massarote, a quem cabe todos os créditos do referido texto.


Bíblia, palavra de Deus para todos os dias

Luiz Alberto Massarote

Por sugestão de São Jerônimo, trinta de setembro é o “Dia da Bíblia”. Foi ele que, a pedido do papa Dâmaso, com grande sacrifício, à luz de lamparinas nas grutas de Belém, traduziu a Sagrada Escritura dos originais hebraico e grego para o latim, língua universal daquela época. A versão latina da Bíblia ficou conhecida como “Vulgata”. São Jerônimo foi teólogo, filósofo, gramático, escritor, apologista, sacerdote e doutor da Igreja; levou boa parte de sua vida traduzindo a Bíblia.

Quem escreveu a Bíblia?

A Bíblia foi escrita por muitas pessoas. Não foi escrita de uma só vez. Ela traz as experiências da caminhada de um povo, o “povo do Livro”, por isso é a reflexão sobre a vida do homem e a resposta aos problemas existenciais ligando-os a Deus. É a reflexão sobre a vida humana e sobre Deus. O povo escolhido, o povo da Bíblia, discutia suas experiências, obtinha respostas iluminadas pela fé, que depois, ao longo do tempo foram escritas. Deus era sempre a referência, o ponto de partida, o centro da vida desse povo. Por isso, foram muitos os autores que, iluminados por Deus, escreveram a Bíblia com estilos literários diferentes.

Quando a lemos, percebemos a ação de Deus na caminhada humana que quer o bem de todos os homens e mulheres. Constatamos também o esforço de homens e mulheres que querem, que procuram conhecer e praticar a vontade de Deus. Em síntese, a resposta sobre quem escreveu a Bíblia é simples: foram muitas as pessoas que a escreveram, todas elas iluminadas por Deus, inspiradas por Deus, então, o grande Autor das Sagradas Escrituras é Deus que usou de mãos humanas para escrevê-la.

Quando foi escrita?

Já abordamos acima que a Bíblia levou muito tempo para ser escrita. Estudiosos de hoje consideram que ela começou a ser escrita a partir do século IX antes de Cristo. O último livro a ser escrito foi o Livro da Sabedoria que se estima ter sido redigido por volta de cinqüenta anos antes de Cristo. Portanto, não temos uma data com dia, mês e ano, porque sua escrita ocorreu lentamente e muito bem preparada por Deus.

Por que se chama Bíblia?

Embora a Bíblia, na concepção de livro que temos hoje, se constitua num único volume, seu nome indica que ela não é apenas um livro, mas uma coleção de livros, alguns mais longos, outros muito curtos como o Livro do Profeta Abdias com apenas uma folha. Daí a palavra “Bíblia” em grego significar “livros”, isto é, um conjunto de livros. E de fato ela é formada pela reunião de setenta e três livros que trazem diversos temas. Mesmo com temas variados, os livros da Bíblia sempre tratam de um mesmo assunto: a reflexão crítica sobre a vida, a caminhada de Deus com seu povo e a religião deste povo.

Por que dizemos Bíblia Sagrada?

Consideramos a Bíblia como sagrada porque ela é a Palavra de Deus. Quando contemplamos a natureza, o mundo em que vivemos, o universo, sempre nos perguntamos: Como tudo originou ? Quem fez essa maravilha ? Ao tentarmos responder a estas perguntas, sempre vem à nossa mente a idéia de alguém que criou tudo isso. O universo não apareceu por si, por acaso. Toda a criação é um modo de Deus comunicar-se com o ser humano, uma comunicação amorosa. Tudo o que foi criado é obra de Deus, a natureza fala a linguagem de Deus, o universo com suas leis naturais também fala a linguagem de Deus.
 

Ele fala ao ser humano por meio de acontecimentos. A Bíblia nasceu com o próprio homem, pois o homem percebeu, nos fatos e nas experiências da vida, que Deus sempre lhe falou. Em todas as culturas encontramos a religião como forma do homem se relacionar com Deus, de se ligar a Deus. Para o povo da Bíblia, ela começou a ser entendida como Palavra de Deus, a voz de Deus cerca de mil e oitocentos anos antes de Cristo, quando nosso pai Abraão experimentou Deus e entendeu que Ele lhe falava pelos acontecimentos.
 
A partir desta experiência de Deus, a vida de Abraão mudou completamente. Ele passou a interpretar os sinais do Senhor nos acontecimentos e a segui-los. Começa então a ter importância as tradições e experiências religiosas que constituirão parte fundamental da Bíblia. Surgiram os Patriarcas do povo de Deus e com eles toda a experiência deste povo compilada bem mais tarde como livro. A Bíblia é Sagrada porque relata toda essa experiência do homem com Deus, relata a caminhada do homem com seu Deus, construindo a história... História da Salvação.

Por que a Bíblia católica é diferente da Bíblia “protestante”?

Uso a palavra “protestante” entre aspas porque considero esta palavra pejorativa em relação aos nossos irmãos cristãos separados, pois todos acreditamos no mesmo Deus, somos filhos do mesmo Pai. A nossa fé centraliza-se em Jesus Cristo. Chamá-los “evangélicos”, nós católicos também o somos e, por isso, prefiro considerá-los “irmãos em Cristo”. Mas voltando à pergunta, podemos dizer que como Palavra de Deus acolhida pelo homem, a Bíblia católica e a dos nossos irmãos separados é a mesma. A diferença aparece quanto ao número de livros que cada uma possui.


Mais atrás falamos que a Bíblia possui setenta e três livros. Esse número corresponde à católica. A Bíblia “evangélica” tem sete livros a menos, por não ter os seguintes livros: Judite, Tobias, 1o Macabeus, 2o Macabeus, Baruc, Eclesiástico (ou Sirácides) e Sabedoria. Mais diferenças aparecem nos livros de Ester (10, 4-16, 24) e de Daniel (13-14), onde pequenos trechos destes livros faltam na Bíblia “evangélica”.

Os sete livros que citamos acima não constam da Bíblia hebraica original, só bem mais tarde é que eles passaram a ser considerados como inspirados por Deus quando da primeira tradução da Bíblia hebraica para o grego, atendendo as necessidades dos judeus da Diáspora. Esses livros são chamados “deuterocanônicos”, isto é, livros que foram aceitos como inspirados bem mais tarde, ou seja, em segundo lugar.

Independentemente dessas diferenças, nós cristãos católicos ou não, seguimos a Jesus, Caminho, Verdade e Vida, somos irmãos pela fé no mesmo Deus. Reconhecemos que na Bíblia Sagrada está presente a Palavra de Deus que nos interpela, que nos convida a segui-lo, que quer o nosso amor de filhos e filhas, que nos ama muito mais do que nós a Ele.

A Bíblia, Palavra de Deus para todos os dias, deve ser nosso livro de cabeceira. Não pode ficar fechada numa estante como um simples adorno empoeirando-se. Ela deve ser lida e praticada dia a dia. Bendito seja Deus que fala conosco e quer o nosso bem!
==================================================================
(*)Antoni BigCuore. Autor é Escritor em São Paulo. Conheça os seus textos, acessando o link: http://www.recantodasletras.com.br/autores/antonibigcuore(sp.sp. 22.09.2009, 3.a feira, às, 9,16 hrs.)
==================================================================



ANTONI BIGCUORE
Enviado por ANTONI BIGCUORE em 22/09/2009
Reeditado em 26/04/2010
Código do texto: T1824337
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
ANTONI BIGCUORE
São Paulo - São Paulo - Brasil, 67 anos
2027 textos (690242 leituras)
83 áudios (36605 audições)
1 e-livros (129 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/12/14 04:54)
ANTONI BIGCUORE



Rádio Poética