Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A DERRADEIRA MANIFESTAÇÃO DO INÍQUO

Esvai-se a tolerância ao cristianismo bíblico. Chegamos novamente ao cúmulo da insubordinação a Deus e Suas tentativas de reabilitar a raça humana. Grande parte dos indivíduos já não suporta que lhes digam que estão em erro e tampouco o que seria melhor fazer, não aceitando a crítica por seus desvios de conduta mesmo quando se queixam dos maus resultados decorrentes. “Opõe-se livremente o tudo que se chama Deus”, com diz em II Tessalonicences 2:4. A intolerância a correção é tão grande, especialmente a proveniente da Bíblia, que a sensibilidade está a flor da pele, tão pulsante que a reação a censura faz-se já violenta e mesmo direitos constitucionais começam a ser suplantados em bem de livrar-se de um inconveniente drama de consciência desencadeado pela repreensão provida por uma exortação bíblica. Quanto mais bíblica a censura, maior é a intolerância a ela. Tanto é que se sistematizaram palavras chave com o fim de inibir o agente repreensivo, mesmo que emitindo a menor censura a um desvio de conduta. Atribuindo ambígua significação a palavras como preconceito, intolerância, discriminação e fundamentalismo, tornou-se crime não concordar com certos comportamentos e mesmo simplesmente emitir opinião contrária a respeito. Esvai-se aí a liberdade de expressão, pois emitir parecer contrário e não aceitar comportamentos inadequados jamais foi preconceito, discriminação e fundamentalismo, pois preconceito, intolerância, discriminação e fundamentalismo é não respeitar a liberdade de expressão e ação das pessoas segundo suas consciências, querendo dizer privá-las de se expressar e agir conforme suas consciências. Ou seja, mesmo quem está errado (embora que do ponto de vista geral) tem o direito de emitir seu parecer e até agir conforme sua consciência, mesmo que a acarretar conseqüências ruins, pois arcará com elas. Ninguém tem o direito de privar alguém desse direito, mas emitir opinião a respeito e tentar advertir a pessoas quanto as consequências indesejáveis de seus atos é exercitar a liberdade de expressão. Entretanto, paradoxalmente, indivíduos não só conquistam nas câmaras legislativas garantias de liberdade de expressar e praticar imoralidade do ponto de vista da maioria, como também garantias de que não serão constrangidos pela objeção e censura daqueles que não concordam com tais práticas.  Ou seja, com leis de Estados tais indivíduos começam a privar da liberdade de expressar-se aqueles que não concordam com suas práticas. Assim os que se queixam de sofrer preconceito, intolerância, discriminação e fundamentalismo impõem seu fundamentalismo, intolerância, preconceito e discriminação sobre os que a eles se opõe.  Isto é paradoxal. O pior, porém, é que conquista-se o direito de praticar abertamente o que é errado em detrimento do que é certo.

Entre os sinais mais contundentes da crescente intolerância ao cristianismo bíblico estão discursos como o do presidente Barack Obama, cuja religião até mesmo seus eleitores desconhecem. Entre outras coisas ele disse que chegou o tempo em que a sociedade não poderá mais tolerar religiões de caráter exclusivista – com doutrinas divergentes das outras religiões, além de linhas de pensamento conflitantes.  Segundo essas palavras, daqui para frente as doutrinas religiosas precisarão adotar caráter flexível, sendo abertas a discussões, podendo ser adequadas para congregar e satisfazer as necessidades espirituais e interesses de todos. Entenda-se necessidades espirituais como a doutrina adaptar-se ao ponto de vista de espiritual de cada indivíduo e toda corrente religiosa. Para tal, os pontos doutrinários determinadores de conduta precisarão ser eliminados para que ninguém sofra drama de consciência por causa dos seus desvios de caráter e os indivíduos possam praticar a religião que mais se adequar a sua visão de como deve ser sua religião. Ou seja, as doutrinas das religiões não poderão mais censurar comportamentos imorais ou em desacordo com a doutrina. Todavia, em vez de cada um criar a própria religião conforme seus interesses particulares, como tem sido até aqui, todas correntes doutrinárias e interesses serão sintetizadas numa só denominação com o argumento de que assim não criará conflitos. Aí, embora aparentemente praticante de religião, cada indivíduo será o único mandante da própria consciência, onde Deus não poderá mais atuar, pois os agentes condutores do Espírito que flui pela Palavra estarão amordaçados pela lei de intolerância e serão detidos a qualquer custo por infringi-la.  Aliás, por um pouco ainda não é permitido detê-los com a força pessoal, exceto por constrangimento usando as palavras chave. Todavia, agora já é possível impedi-los com o uso da lei, inclusive, no Brasil e em pouco tempo será possível impedi-los pessoalmente descarregando-lhes reações de repúdio livremente. Crescerá rapidamente o respaldo legal as perseguições e quanto mais doutrinas antipáticas aos interesses gerais uma determinada crença tiver muito mais sua doutrina será rechaçada e seus militantes serão forçados a abandoná-la e adaptar-se.  Será assim especialmente com a Igreja Adventista do Sétimo Dia, haja vista quanto a guarda do sábado, a abstinência de alimentos imundos, o dízimo, etc., incomodam até mesmo outros crentes.
 
Fazendo quórum a um discurso do presidente norte-americano há o movimento da Nova Era, ao qual pertencem indivíduos que muito têm se esforçado para reduzir a moral de Cristo com vistas a justificar os mais imorais comportamentos humanos, como a prática de ocultismo e satanismo, dominação mental das massas e exploração econômica. Para tal atribuem-lhe todo tipo de desvio de caráter, como matar um amiginho acidentalmente quando criança, praticar homossexualismo com os discípulos e manter relação íntima com Maria Madalena, apontando inclusive a descendência que produziram. Filmes como Jesus Cristo Super Star e certas peças teatrais foram produzidos com o objetivo de consolidar tais insinuações. Alguns dessa ordem sugerem sutilmente que pertencer a tal descendência teria valor espiritual maior até que a prática do cristianismo. Isto tudo conta com a contribuição do filme O Código Da Vince, que gerou tanta polêmica e se promoveu dessa forma produzindo mais amplo efeito entre as pessoas com pouco o nenhum conhecimento bíblico. Entre esses também estão os que pregam que Cristo teria ficado no túmulo, pelo que seria perda de tempo a prática cristã. Para tal contam com a contribuição de filmes como O Corpo, estrelado por Antônio Bandeiras.  Além desses há os que apontam em Deus caráter autoritário, tirânico e intolerante, o que ficou bem marcado no filme Fúria de Titãs, além de outros como Star Wars, Super Man, Armagedom, etc..

O grupo de tais linhas de pensamento se compõe de exotéricos em geral, crenças orientais, espiritismo e ocultismo, todos com vocação universalista – que agrega todo tipo de crença, como era o caso do paganismo romano, por exemplo, que se compunha dos trinta e cinco mil deuses de sua formação cosmopolita. Aliás, nas últimas décadas todas essas crenças têm adotado a aparência cristã como meio para se propagar entre os cristãos e enfraquecer as convicções de seus militantes, trazendo tantos quantos possível para a militância oposta. E essas mesmas crenças fazem coro com os ateus no acusar a religião de promover conflitos e guerras. Os ateus, entretanto, não militam por espaço nas igrejas, mas por aplacar a consciência coletiva da existência da Deus, pois não suportam a idéia de tenham que prestar contas a algum poder capaz de ver o que eles escondem das vistas e do entendimentos dos humanos. E, de igual modo, não suportam ser contrariados, tampouco qualquer tipo de submissão, admoestação, etc., aceitando guiar-se apenas pela consciência individual, por isto desejam ardentemente suplantar a voz da Palavra de Deus e já sabem muito bem que somente conseguirão isto calando os cristãos da Bíblia.
Outra linha de pensamento e comportamento a forçar a flexibilização da religião é o movimento homossexual que usa como pretexto o ganhar espaço e respeito além do devido aos demais seres humanos dentro das igrejas cristãs, cujo princípio fundamental é melhorar os indivíduos conformando-os a vontade de Deus expressa na Bíblia, combatendo, por conseguinte, todo tipo de desvio de conduta, incluindo o homossexualismo, objetivamente condenado pelas Escrituras.  Entretanto, o ganhar espaço nas igrejas não é o fim em si, pois igrejas cristãs não impedem pessoas de frequentá-las, ao contrário, o alvo são as pessoas. Todavia, para o batismo, que oficializa a adesão a doutrina após o conhecimento da mesma através do estudo bíblico, é preciso abandonar as práticas condenadas pela mesma Bíblia como justa demonstração de submissão a vontade de Deus nela expressa.  Entretanto, a exemplo de tantos quantos pretendem mudar na Bíblia o que condena suas práticas, não querendo deixar a prática homossexual e visando arrebanhar adeptos e simpatizantes para firmar a aprovação, os homossexuais operam movimento de reinterpretação da Bíblia e torção da convicção de crentes através de palavras como preconceito, intolerância, discriminação e fundamentalismo, por um lado constrangendo os menos convictos, forçando-os ao recuo, e por outro atraindo sobre os mais firmes a indignação popular e coerção da lei. Debatem-se com o propósito de consolidar o direito de praticar o homossexualismo e propagá-lo com a consciência livre de qualquer censura e crítica. Para tal, até fundam associações como a que prega que é reconhecida pela Igreja Adventista do Sétimo Dia, além de igrejas como a Episcopal Betesda do Rio de Janeiro que ordena Pastores homossexuais. Um livro até foi escrito no Brasil por um pastor homossexual que força a palavra amor utilizando passagens do livro de Samuel para provar que tal prática é aprovada pela Bíblia. Coincidentemente, além de homossexual, o tal pastor vive marital e abertamente com outro homem.

Parece que todos esses indivíduos militam por conquistas efetivas, que imaginam que os fará sentirem-se vitoriosos e certos de terem feito o que melhorará suas vidas e do resto da humanidade. Todavia, embora consigam extinguir a voz da consciência, não alcançarão felicidade e, tampouco, tranqüilidade e certeza, mas estarão sempre em luta com suas dúvidas. Porém, por hora, a medida que se envolvem vão convencendo-se de que são oprimidos e lutam legitimamente por liberdade. Muitos deles estão também convictos de que serão felizes quando aquietarem os reclames da coerência calcando a voz de Deus que recrimina suas práticas abomináveis. E a maioria nem mesmo sentirá remorso pelas tantas acusações falsas, insinuações maldosas, perseguição e mal-tratos que tiverem infringido aos mensageiros de Deus com o fim de impedir seu importuno. A maioria nem mesmo sabe o que fazem e o mais coerente não tem a menor idéia do efeito dessas conquistas, sendo que produzem a deterioração mais efetiva e conseqüente extinção da natureza e da raça humana. E, ao contrário do que pensam e se convencem, nem mesmo são donos de suas iniciativas, tampouco da batalha que imprimem, apenas cumprem os propósitos de agredir ao Criador danificando a humanidade daquele que se opõe a tudo que se chama Deus, primeiro com o propósito de destruir a unidade de pensamento e ação da família, podendo assim destruir os indivíduos e, por fim, a sociedade. E todos eles receberão como pagamento a dor e o sofrimento, pois o inimigo de Deus e dos homens somente retribui bem seus militantes enquanto ativos, descartando com sofrimento e sem a menor dor de consciência aqueles que já não são úteis. Geralmente eles terminam com doenças terríveis, grande e longo sofrimento.
Mas Deus advertiu que tal condição da humanidade precederia os últimos atos antes da volta de Cristo. Por isto disse através do apóstolo Paulo: “Ninguém, de nenhum modo, vos engane, porque isto não acontecerá sem que primeiro venha a apostasia” (que avança rápido) “e seja revelado o homem da iniqüidade, o filho da perdição, o qual se opõe e se levanta contra tudo que se chama Deus ou é objeto de culto, a ponto de assentar-se no santuário de Deus, ostentando-se como se fosse o próprio Deus.” (Homem que será o pontífice máximo do cristianismo ecumênico). “Não vos recordais de que, ainda convosco, eu costumava dizer-vos estas coisas? E, agora, sabeis o que o detém, para que ele seja revelado somente em ocasião própria” (a ocasião atual, a última hora). “Com efeito, o mistério da iniqüidade já opera e aguarda somente que seja afastado aquele que agora o detém” (o Espírito Santo que ainda atua, mas está se afastando desde 11 de setembro de 2001); “então, será, de fato, revelado o iníquo, a quem o Senhor Jesus matará com o sopro de sua boca e o destruirá pela manifestação de sua vinda. Ora, o aparecimento do iníquo é segundo a eficácia de Satanás, com todo poder, e sinais, e prodígios da mentira (os meios de comunicação seculares têm trabalhado nisso), e com todo engano de injustiça (os poderes legislativo, executivo e judiciário dos países estão se ocupando disso) aos que perecem, porque não acolheram o amor da verdade para serem salvos. II Tessalonicences 2:3 a 10.

Portanto, o verdadeiro cristianismo, o qual prega e pratica a liberdade de consciência e ação conforme a Bíblia, que começou a atuar após a Reforma Protestante depois de quase mil anos perseguido e sufocado, como fez que a humanidade se ocidentalizasse, está agora sendo banido da própria humanidade ocidental, pelo que essa humanidade que veloz se barbariza de novo, irá barbarizando-se até ser comum filhos matarem seus progenitores e vice versa, pois essa humanidade envolta em fábulas e confiando a segurança aos poderes temporais não percebe levantar a fervura do caldeirão. Todavia, quando o Espírito de Deus for extinto de um todo não sobrará um justo, tampouco quem de alguém se compadeça, então as leis, os poderes e as instituições nada mais serão de que covis de assassinos, caluniadores e roubadores, cujo potencial já se percebe muito bem.
Portanto, este é o momento de tomar posição ao lado de Deus, pois os soberbos perecerão, mas aqueles que se firmarem em Cristo e Sua vontade serão resgatados mesmo que tenham morrido e receberão a vida eterna na terra restaurada, onde a contradição nem mesmo será lembrada.

Wilson do Amaral
Breve Jesus Voltará
Enviado por Breve Jesus Voltará em 28/08/2010
Código do texto: T2465275
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Breve Jesus Voltará
São Leopoldo - Rio Grande do Sul - Brasil, 51 anos
1153 textos (261833 leituras)
5 e-livros (10015 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 26/05/17 08:34)
Breve Jesus Voltará