Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O EVANGELHO DAS OBRAS

Olhemos para Jesus.
Que fez Ele?  Apenas se limitou a pregar, a ensinar, a falar? (Mateus 7,26-27 , Mateus 25,31-46, Lucas 20,28, João 10,37-38)
 
Bem sabemos que há acções que falam mais alto do que milhões de palavras ditas.  Há atitudes, gestos, obras que falam mais alto do que todas as palavras que se possam dizer.

Que fez Jesus?  Ajudou as pessoas necessitadas: visitou e curou doentes, amparou pessoas em desespero, exerceu compaixão activa, aliviando dores, alimentando famintos, libertando cativos (cativos de medos, de preconceitos, de fantasmas, de fardos pesados...). Ou seja, como lemos em Lucas 4,18-19: "... curou quebrantados de coração, libertou os cativos, deu vista aos cegos, aliviou os oprimidos...". Ele mesmo convidava: "Vinde a Mim, todos vós que estais cansados e oprimidos e eu vos aliviarei..." Jesus fez isso, na prática.  E nós, cristãos, e a Igreja de Cristo hoje? Limitamo-nos a dizer, a dar lições, a fazer orações, pregações, a repetir frases?

É necessário comunicar o Evangelho pela palavra, mas é tão importante como isso ajudar pessoas, ou seja, fazer a pregação prática, dar a aula prática, transmitir o Evangelho prático, o Evangelho das obras.

De fé sabemos muito! Mas, como escreveu Tiago, "a fé sem obras é morta".  E o próprio Jesus afirmou: "Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no Reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai..." (Mateus 7,26-27). Que sabemos nós do “Evangelho das obras”?  Como o traduzimos em actos concretos?

Também somos fortes em “cristianismo de igreja”: cultos, pregações, orações, lições, ofertas monetárias... Isso é o que mais fazemos. É a nossa especialidade.  E repetimos, repetimos, repetimos. Às vezes talvez também "repetições vãs".  Não será?
E o resto?  Em Isaías 1,10-18, o Senhor condena e rejeita o culto cerimonial, ritualista, prestado por pessoas injustas, exploradoras, moralmente sujas, sem amor, sem coração!
Afinal, Jesus, nosso padrão único e perfeito, viria a sintetizar toda esta exigência profética, ao dizer: "Quero misericórdia, e não sacrifício" (Mateus 12,7). Ou seja: Não vale a pena passar a vida a cumprir praxes e a fazer “esforços religiosos”, não vale a pena discutir o sábado, a lei, os regulamentos, as doutrinas, os credos, a teologia. Discutir, dissertar, argumentar e ficar por aí: pela discussão estéril. É preciso misericórdia!

Jesus, certa vez, tocou na mão duma mulher enferma (Mateus 8,15). E tocou em muitos outros, da terceira idade, da primeira idade, de todas as idades.  Tocar na mão não é apenas orar pelo doente, nem somente escrever-lhe ou telefonar-lhe, ou mesmo mandar-lhe ofertas.  Tocar-lhe é estar com ele, estabelecendo contacto directo de empatia, de amor.

Em Lucas 20,28, o Cristo define a sua missão: "O Filho do Homem não veio para ser servido mas para servir e dar a Sua vida em resgate de muitos".
DAR e SERVIR, dois verbos, exprimindo acções.  Eis o evangelho das obras, de que se fala tão pouco e que se pratica ainda menos: DAR E SERVIR ao próximo.

Jesus foi Obreiro, realizou Obras e consumou toda a Sua Obra na dádiva de Si mesmo pela Humanidade, lá na cruz do Calvário.

Porque é que há tanta incredulidade face à Igreja de Cristo hoje?  Tanta censura pela sua ineficácia, tanta desconfiança, cepticismo, indiferença e rejeição? Porquê?  A resposta talvez seja: eles não acreditam numa Igreja inactiva, acomodada, triunfalista, fechada, ritualista, insensível aos problemas sociais e humanos dos que sofrem.  E há tanto sofrimento no mundo!  Eles não acreditam na Igreja e, consequentemente, deixam de acreditar, ou rejeitam liminarmente o Cristo da Igreja.

Mas, em João 10,37-38, Jesus, aos que não acreditavam nele, na sua natureza divina, nas suas palavras, no seu Evangelho, dizia simplesmente: "Crede nas obras"! Ou seja: olhai para o que eu faço, e acreditai em mim pelo que eu faço, pela minha prática de todos os dias.  Jesus tinha mesmo Obra a apresentar!
E nós?  E a Igreja?  Temos obra a apresentar?

No julgamento derradeiro, quando Jesus separar o trigo do joio, como lemos em Mateus 25,31-46, qual será o critério?  O da fé ou o das obras?

Jesus dirá: "Vinde, benditos de meu Pai... porque tive fome e destes-me de comer, tive sede e destes-me de beber,  era estrangeiro e hospedastes-me,  estava nu e vestistes-me, adoeci e visitastes-me, estive na prisão e fostes ver-me... Em verdade vos digo que quando o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a Mim o fizestes!"

Está tudo dito! É Jesus quem diz! É a Palavra de Deus.











Leiria, Portugal
Orlando Caetano
Enviado por Orlando Caetano em 07/11/2006
Código do texto: T284472
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Orlando Caetano
Portugal
172 textos (15677 leituras)
26 áudios (2932 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 16:13)
Orlando Caetano