Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A MORTE (DA) BARATA

Quem distraída andava
Não olhou onde pisava
Já era quem rastejava!

(Aldo Lopes)

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Rastejando seguiu
Onde pisou nem viu
Tão distraída que estava.

(Ângela Rodrigues)


Rastejar é um perigo...
pois pode chegar o amigo
ou... o inimigo!

(Zélia Nicolodi)


Barata esnobe em pose de nobre
vassoura do pobre, agora jaz
sem adeus ou até mais.

(Ana Karênina)


Bicho que foi um erro
que a natura gerou.
Parabéns quem a matou!!!

(Salete)


Barata desatenta
não foi por pisar
falhou seu radar

(A Flor Enigmática)


Eu só ouvi um "crackkk"
olhei sob meus pés
barata de araque!

(Milla Pereira)


Barata tem que ser pisoteada,
esmagada e afogada,
só assim me sinto vingada!

(Regina Bertoccelli)


Barata me dá nojo
eu piso em cima dela
além de ser gosmenta, é gelada!

(Rose de Castro - A 'POETA')


Veio assim tão distraída
Entrou debaixo do sapato
E foi aquele espalha fato

(Edson dos Santos)




Agradeço a todos amigos (as) pela cumplicidade dos seus duplix.
Aldo Lopes
Enviado por Aldo Lopes em 27/09/2007
Reeditado em 30/09/2007
Código do texto: T671174

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Aldo Lopes). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Aldo Lopes
São Paulo - São Paulo - Brasil, 61 anos
416 textos (38027 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/08/17 19:15)
Aldo Lopes