Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ESPANHOLA

Esta oração não é minha, ou seja, não a criei.
Minha avó a recitava, todos os dias, pela manhã, olhando o nascente.
Certa feita, li uma entrevista com o cantor-ator Fábio Júnior, em que ele declarou a oração que rezava. Era esta, traduzida ao português, com algumas adições.
Em outra ocasião, minha cunhada perguntou-me se eu sabia de uma oração muito poderosa, uma vez que tinha ascendência espanhola.
A sua avó, e por conseguinte, avó de meu marido, a rezava.
Declamando-a, descobri que era a oração que ela procurava.
Não sossegou até que a transcrevesse no papel, para que pudesse rezá-la, em casa.
Para os filhos e netos dos espanhóis que deixaram suas terras, e também para aqueles que, ainda que não tenham a mesma ascendência, mas puderem traduzir nela algum interesse, transcrevo-a.

Ora-se persignando-se na testa, nos lábios, no peito, enquanto acompanha-se as estrofes.
Ao final, fazendo-se o sinal da cruz.


"Librame, Dios

De mis malos pensamientos

De mi para con losotrosY de losotros para conmigo.

Librame, Dios

De mis malas palabras

De mi para con losotrosY de losotros para conmigo.

Y librame, Dios

De mis malas acciones

De mi para con losotros

Y de losotros para conmigo.

En nombre del padre,

Del hijo

Y del espirito santo

Amén."

Parece bastante simples, mas não é.
Não é um processo de negação, mas de vigilância.
Primeiro, para a definição do que sejam "maus pensamentos, palavras e ações".
Poderia defini-los como as atitudes que não quereríamos voltados a nós mesmos.
Igualmente, não seria satisfatório o afirmar "não sinto, não falo, não faço".
Mas o reconhecer quando ocorre, policiar-se.
Não somos perfeitos, e jamais o seremos.
Implica o processo em um conhecer-se.
Conhecer-se, como no famoso lema Socrático, conhecer da própria ignorância.
Para isso é preciso humildade, coragem e discernimento.
Para não construirmos virtudes que não temos.
Para não sermos hipócritas conosco mesmos.
Por fim, para que compreendamos o próximo, que é um espelho da nossa alma.
Quem atiraria a primeira pedra?

Maria da Glória Perez Delgado Sanches
Membro Correspondente da ACLAC – Academia Cabista de Letras, Artes e Ciências de Arraial do Cabo, RJ.

Conheça mais. Faça uma visita blogs disponíveis no perfil: artigos e anotações sobre questões de Direito, português, poemas e crônicas ("causos"): http://www.blogger.com/profile/14087164358419572567
Pergunte, comente, questione, critique.
Terei muito prazer em recebê-lo.


Maria da Glória Perez Delgado Sanches
Enviado por Maria da Glória Perez Delgado Sanches em 24/11/2007
Reeditado em 02/08/2012
Código do texto: T751187
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, desde que seja dado crédito ao autor original e as obras derivadas sejam compartilhadas pela mesma licença. Você não pode fazer uso comercial desta obra.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Maria da Glória Perez Delgado Sanches
Itanhaém - São Paulo - Brasil
346 textos (386718 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/08/17 03:16)
Maria da Glória Perez Delgado Sanches