Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

NOITE ESTRELADA (starry night)

Canta a cansaço
Toca minha emoção
Uma noite estrelada
Desenha-se no tom plúmbeo do breu

Mas ser mais louco do que eu
Só Vincent van Gogh
Que a este quadro pintou

A sanidade perdida
Entre telas, tintas e pincéis
Estradas de algodão
Rabisco de loucura viva
Representados numa noite estrelada

*”Starry, starry night
Paint your pallet blue and gray
Look out on a summer's day
With eyes that know the darkness in my soul”


* Versos de Don MacLean, na música Vincent



Starry Night (Noite estrelada) de Vincent Van Gogh


Don Mclean fez a seguinte canção referente a este quadro e seu autor.

(vide tradução abaixo. Tenho a mp3, mas é um arquivo muito grande...)


Vincent
Starry, starry night
Paint your pallet blue and gray
Look out on a summer's day
With eyes that know the darkness in my soul
Shadows on the hills
Sketch the trees and daffodils
Catch the breeze and the winter chills
In colors on the snowy linen land

Now I understand what you tried to say to me
And how you suffered for your sanity
How you tried to set them free
They would not listen, they did not know how
Perhaps they'll listen now

Starry, starry night
Flaming flowers that brightly blaze
Swirling clouds in violet haze
Reflects in Vincent's eyes of china blue
Color changing hue
Morning fields of amber grain
Weathered faces lined in pain
Are soothed beneath the artist's loving hand

Now I understand what you tried to say to me
And how you suffered for your sanity
How you tried to set them free
They would not listen, they did not know how
Perhaps they'll listen now

For they could not love you
But still your love is true
And when no hope was left inside
On that starry, starry night
You took your life as lovers often do
But I could have told you, Vincent
This world has never meant
For one as beautiful as you

Starry, starry night
Portrait hung in empty halls
Frameless heads on nameless walls
With eyes that watch the world and can't forget
Like the strangers that you've met
The ragged man in ragged clothes
A silver thorn, a bloody rose
Lie crushed and broken on the virgin snow

Now I think I know what you tried to say to me
And how you suffered for your sanity
And how you tried to set them free
They would not listen, they're not listening still
Perhaps they'll never will.



Vincent (Tradução livre)



Estrelada, estrelada noite

Pinta sua palheta de azul e cinza

Vigia em um dia de verão

Com olhos que conhecem a escuridão na minha alma

Sombras nas colinas

Esboça as árvores e os narcisos

Captura a brisa e os arrepios do inverno

Em cores na branca terra de linho



Agora eu entendo o que você tentou me dizer

E como você sofreu pela sua sanidade

Como você tentou libertá-los

Eles não ouviriam, eles não sabiam como

Talvez eles vão ouvir agora



Estrelada, estrelada noite

Flores flamejantes que resplandecem brilhantes

Nuvens turbilhonantes em neblina púrpura

Refletem no azul-da-china dos olhos de Vincet

Cores mudando de tons

Campos matinais de cereais amarelo-âmbar

Faces envelhecidas marcadas pela dor

São amenizadas sob a amável mão do artista



Agora eu entendo o que você tentou me dizer

E como você sofreu pela sua sanidade

Como você tentou libertá-los

Eles não ouviriam, eles não sabiam como

Talvez eles vão ouvir agora



Pois eles não podem lhe amar

Mas ainda assim seu amor é sincero

E quando nenhuma esperança restou lá dentro

Desta tão estrelada noite

Você tirou sua vida, como os amantes às vezes fazem

Mas eu podia ter lhe dito, Vincent

Este mundo nunca foi feito

Para alguém tão bonito como você



Estrelada, estrelada noite

Retratos pendurados em corredores vazios

Cabeças sem molduras em paredes anônimas

Com olhos que vêem o mundo e não podem esquecer

Como os estranhos que você encontrou

O mendigo com roupas esfarrapadas

Um espinho prateado, uma rosa sangrenta

Jazem amassados e quebrados sobre a virgem neve



Agora eu acho que sei o que você tentou me dizer

E como você sofreu pela sua sanidade

E como tentou libertá-los

Eles não ouviriam, eles ainda não estão ouvindo

Talvez nunca venham a ouvir...




Denise Severgnini
Enviado por Denise Severgnini em 01/03/2006
Código do texto: T117497

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, desde que seja dado crédito ao autor original (Denise de Souza Severgnini http://www.denisesevergnini.recantodasletras.com.br) e as obras derivadas sejam compartilhadas pela mesma licença. Você não pode fazer uso comercial desta obra.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Denise Severgnini
Novo Hamburgo - Rio Grande do Sul - Brasil, 57 anos
11345 textos (916761 leituras)
16 áudios (8882 audições)
311 e-livros (34110 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 19:22)
Denise Severgnini