Capa
Cadastro
Textos
┴udios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Z╔, O POETA

Zé se irritou com os versos que ouviu, não eram da alma, da rima
acertada – porque rimava mais nada dizia -, não eram flores de
março... mas qualquer coisa fora do tempo.
Zé pensava na noite, bem durante o dia, sonhava com a lua e per-
seguia paixões impensadas, coisas da alma e do peito... Zé sonhava demais. Foi-se o dia em que Zé chorou do azar, reclamou do desejo
e do fardo, foi-se na vida como a lembrar da morte, como um des-
cuido da sorte, evitava saudades apesar da lembrança por um ou
outro escrito a pensar no poema. Mas Zé não aprendeu entre pare-
des, nem com bordas na gola se formou na poesia, Zé era sensível
e humano, passível de engano. Entre muitos e dentre outros escul-
piu uma história, de herança sem destino, de pura interpretação dos ouvintes. Zé, hoje deixa singrar suas rusgas, como piada ou conto engraçado, um conto aprendiz de um romance eterno, de glórias que ficaram no inconsciente da terra, como semente tardia que um dia,
brotará como aviso,“ Zé o poeta”. Zé viveu perdido no sonho sem
acreditar que o dia era a porta de entrada da sua poesia.
Jose Carlos Cavalcante
Enviado por Jose Carlos Cavalcante em 18/05/2005
Cˇdigo do texto: T17725
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Jose Carlos Cavalcante
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 56 anos
730 textos (54065 leituras)
(estatÝsticas atualizadas diariamente - ˙ltima atualizašŃo em 03/12/16 16:12)
Jose Carlos Cavalcante