Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Chuva que não pode parar

Guiberto Genestra
Junho/2004

Não quero que a chuva cesse.
Estou há horas fitando o céu e não quero que a chuva cesse.
E rogo não ter que rezar, para que a chuva não cesse.
 
Gosto de admira-la
Vendo ela da minha sacada proletária.

Desenho nela, sem censura, uma aquarela em preto e branco.
Um número sem fim de gotas a despencar de um céu crioulo

São tantas! Talvez porque sejam multiplicadas, diante do meu olhar retangular, que parte da janela de meu quarto.

Quando se encontram, cá embaixo a metamorfose do meio lhe dá outro papel.
Estatelam-se no plano e se transformam em tinta!

E cada gota dessa nova tinta, torna mais negro e mais escorregadio, o cinza-pálido do asfalto empastelado da madrugada.
 
Nem sua impermeável resistência impede que as águas lhe façam companhia
Nem sua arredia proporção na terra lhe impede que seja tomado
Enquanto a chuva cai
Enquanto fico da janela desejando que ela não cesse

Guiberto Genestra
Enviado por Guiberto Genestra em 18/08/2006
Código do texto: T219352
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Guiberto Genestra
São Paulo - São Paulo - Brasil, 52 anos
15 textos (591 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 12:04)
Guiberto Genestra