Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ESTAMOS NO PRESENTE!

Quem me vê assim sempre sorrindo, não sabe a dor que carrego há anos no meu peito. Não sabe o quanto meus desejos e o meu amor são mais fortes do que qualquer outra vontade. Não crê que o amor pode viver para sempre dentro de alguém. Já deveriam ter inventado algum remédio para curar qualquer dor de amor ou de distância. Eu fico imaginando como seria o nome dessas substancias. Será que elas existem? Afogo-me nos textos, blog, internet, leituras, livros e para mim, está tudo muito bem. Afogo-me nas lembranças e meu peito dói, arde igual uma chama queimando a superfície do corpo: a pele. Pele. Era só encostar-se à sua para que eu ficasse excitado. Iludido. Alegre. Suspeito. Misterioso.
Acabou! Quase tudo acabou. É melhor vermos isso. Machucar-nos mais será pior. Cada “eu te amo” é uma facada no peito. O consciente e/ou inconsciente novamente engatam as melhores lembranças de nós. Isso termina aqui! Termina por hora.
Enquanto você corre atrás – incessantemente – da sua liberdade, eu corro atrás dos meus sonhos.
Luís Freire
Enviado por Luís Freire em 23/05/2011
Código do texto: T2989119

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Luís Freire
Natal - Rio Grande do Norte - Brasil, 27 anos
29 textos (432 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/06/17 19:44)
Luís Freire