Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Pai...

Pai, que merda de filho afinal você quer que eu seja? O que mais você vai exigir de mim? Quantas vezes mais você vai exigir de mim? Quantas vezes mais você vai dar na minha cara e me chamar de vagabundo? Diz para mim, até que ponto você quer que isso chegue? Você já foi mais carinhoso comigo, e hoje, sei que me odeia, mais saiba que não há mais tempo de se arrepender popr ter me colocado no mundo pois o erro já foi cometido. Você pediu para que eu mudasse, mas você não mudou comigo e hoje sei que sente vergonha de mim. Sua vontade é que eu vá embora da sua vida, e acredite, isso não vai demorar para acontecer. Aquele dia além de você me machucar com seus tapas e socos, você também me fere com seu olhar de desprezo, como se me odiasse, desde a primeira vez que você me pegou no colo. Sabe pai, eu já te amei um dia, eu já tive orgulho de você eu já quiz ser igual a você. Mas o destino mudou os meus planos e quer saber de uma coisa? As vezes, sinto vergonha de ser seu filho. Você era a pessoa, em que eu mais "confiava", era a pessoa a qual eu daria minha vida, mas as cicatrizes de maus tratos que você deixou em meu corpo, me fazem ter nojo de sua cara. É pai eu choro escondido no meu quarto, e você tão preocupado com o seu outro filho, nunca pode ter estas lágrimas. Sabe, são tantas magoas que tenho de você, que muitas vezes prefiro esuqecer do passado que tanto me feriu, pois preciso viver o presente, para no futuro, caminhar da mesma estrada onde a tanto tempo, você soutou a minha mão, e sabe, ao meu coração, bem no fundo, sempre vai existir um pedacinho que hoje é triste, um pedaço tão pequeno pelo qual você passou e deixou marcas tão profundas e dolorosas. Pai, por mais que você carregue magoas de mim, por + que deteste minhas manias, meus habitos, por + que você ame + meu irmao do que eu, quero que saiba, que por mais longe que eu esteja, quando eu olhar poara tras te levarei em meu passado, suas marcas em meu corpo, jamais me permitirão esquece-lo, pois por mais que você tenha judiado de mim, quero que saiba que quando você ficar velho, eu vou te carregar nas costas e cuidar de você, mesmo sabendo que durante toda sua vida, você nunca foi nem metade de mim. Hoje você me despreza e deseja minha morte, mas quando você morrer,mas quando você morrer, eu seria o único que iria levar flores em seu tumulo, e sabe porque pai? Porque eu te amo, e você só dará valor nisso quando eu deixar sobre sua sepultura, um buque de rosas murchas enviado pelo seu outro filho que representão a sua ossada o que era o amor dele. E eu? eu sempre me lembrarei de você, pois apesar da distância você sempre estará comigo, dentro de mim, dentro de minha magoa, dentro da minha dor. Pai, lembra quando você se julgava mais do que eu? o melhor em tudo, o maioral? e você sabe porque eu não ligava? Porque eu sabia que um dia, num futuro bem distânte, apos a morte, você seria como eu. Apenas um monte de ossos, no meio de terra secas. Sabe, eu sonhei, eu vi você morrer, e quando me dei conta era eu quem estava morto, e eu te vi chorar por mim, mas eu não sei se foi de tristeza ou se foi de alegria.

Anjo-Léo!
Leonardo Sammy
Enviado por Leonardo Sammy em 30/11/2006
Código do texto: T305862

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Leonardo Sammy
São José dos Campos - São Paulo - Brasil, 28 anos
83 textos (4896 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 00:18)
Leonardo Sammy