Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

MILITARIZAÇÃO NA EDUCAÇÃO ("Onde se cria muita dificuldade, há sempre alguém vendendo facilidades.")

           Eu sou a oportunidade automática deles cavarem suas consequências nefastas por que me maltratam. Porém, prefiro libertá-los, não cortando-lhes as asas, mas direcionando-os no vou.  Lori Tansey disse apropriadamente: "Burocracia atrapalha. Onde se cria muita dificuldade, há sempre alguém vendendo facilidades." Por que os alunos respeitam (temem) mais o coordenador que o professor se é deste que dependem para seu aprendizado?
            Estou presenciando a transformação de um colégio estadual comum em um militar, mudou-se o diretor, mas os professores e alunos continuam os mesmos. Ouço conversas sobre o que fazem, só por que andam bem uniformizados e debaixo de uma disciplina "rigorosa" já fazem jus ao prestígio de um bom colégio. A pedagogia da repressão nunca teve o respaldo de bons teóricos, porém os pais simpatizam,  parece-lhes uma reposição dos cuidados que não podem aplicar em casa. Não sabendo eles que a escola não podendo assumir os dois papéis, formadora técnica e educadora familiar, deixa de fazer um. Então, continuarão processando a entidade por ela não poder facilitar em todos os aspectos. Se a troca de gestão fez toda diferença nesse caso, o problema das demais deve ser a falta dessa solução. Minha pergunta é: o colégio militarizado adotará a aprovação sem mérito para abrilhantar as estatísticas? Pelo menos, já não faz mais um exame de seleção para matricular o aluno, apenas um sorteio dos que aparecerem.
           Eu sempre pensei que a escola deve ser excludente não por si só, mas pelas circunstâncias favoráveis, aquelas de seriedade e respeito que façam com que os ruins se evadam para procurar os atalhos nos rincões do sistema. A escola pouco ensinará quem não sabe ser aluno. Quero uma educação "includente" sim, bem no jeito que favorece os fracos, todavia esforçados, fazendo-os sentir o desejo de melhorar para acompanhar os fortes, não daquelas que estimulam e se empenham em puxar o "tapete" dos bons para nivelar todo mundo por baixo. Só não estou entendendo o seguinte: Os colégios militares são estaduais, e os professores estaduais estão mudando para os colégios não militarizados! Quem está vomitando quem?
          Não aprovo o tradicionalismo na forma de educar, porque o homem é vivo. "Se você está fazendo alguma coisa da mesma maneira há dez nos, provavelmente está fazendo algo errado." (Charles Franklin Kettering).
           Além do mais, as pessoas devem ter a oportunidade de se autodisciplinar, ninguém deve ser regra e consciência para ninguém! Pessoas manipuladas, quando têm a certeza que não estão sendo observadas, fazem coisas horríveis! Pois que é como afirma Rafael de Oliveira Leme: "A arbitrariedade enaltece à ignorância, lapida a jactância e solidifica a idiotia." E como eu não sou o carpinteiro do mundo, por isso vou me recolher aqui em minha insignificância e meu último alento é para citar Michel de Montaigne: "Não podendo regularizar os outros, regularizo-me a mim mesmo."
Kllawdessy Ferreira
Enviado por Kllawdessy Ferreira em 24/09/2015
Reeditado em 27/07/2016
Código do texto: T5393337
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Kllawdessy Ferreira
Goiânia - Goiás - Brasil, 58 anos
689 textos (86931 leituras)
2 áudios (310 audições)
1 e-livros (81 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/10/17 19:25)
Kllawdessy Ferreira