Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Mundos Pessoais

 - Diga, Osório. Já contou sua teoria ao Palermino? – perguntou o inglês.
 - Não é uma teoria, é apenas uma conjectura. E não, não contei.
 - De que se trata? – questionou Palermino com sua curiosidade costumeira.
 - Do mundo.
 - Então conte, que já me cativou.
 - Conto:

Certamente todos aqui conhecem tais doenças chamadas mentais como a paranóia, o estado catatônico e outras mais. A partir destas doenças raciocinei que o cérebro é onipotente dentro do mundo de cada um. E explico: como explicar o fato de que alguns gostam de uma cor e outros de outra cor; uns gostam de um sabor, outros não gostam; se não com a idéia de que cada um tem seu próprio mundo? Pois me parece que se tudo fosse claro, este é bom, aquele é ruim, não haveria gostos, não haveria preferências diversas. Imagine quem gostaria de comprar aquele sabão em pó que é ruim, que estraga as roupas. É óbvio que escolheria o bom, pelos benefícios. Assim digo que cada um vive no seu mundo pessoal. E digo ainda que este mundo é construído por nós mesmos, cada um o seu. Mas não penso que isso seja consciente, ou não existiriam tantos infernos. Assim como pouco a pouco o homem constrói a paranóia, pouco a pouco também o homem constrói seu mundo. Suas cores, suas pessoas, suas tragédias. Se quiser que o céu lhe seja vermelho, será vermelho. Se quiser que seja azul, será também. E quando lhe falarem do azul do céu, ouvirá que lhe falam do vermelho do céu. Assim como nos dizem que estão vendo algo e juramos que o que estamos vendo é outro algo que não aquele. Assim como vemos as pessoas como queremos; boas, más, educadas, inconvenientes.

Como num longo sonho o cérebro está trabalhando para criar o mundo. Assim como está trabalhando para nos refutar qualquer pensamento de que aquele mundo e irreal. “Não tinha esta pessoa morrido anos atrás? Mas estou a vendo. Estamos conversando e bebendo juntos. Posso tocá-la”. “Fulana diz que sou feio. Mas estou me vendo no espelho, os traços limpos e agradáveis, a simetria do todo. Sinto prazer em me ver”. Reforço que isso tudo deve ser inconsciente e que, portanto, o exemplo do céu não é aplicável, provavelmente porque crescemos ouvindo sobre o azul do céu. Mas quando algo que não conhecemos nos aparece, cada um julga como quer.

Enfim, isto é tudo que tenho até o momento, pois como sabem não sou psicanalista ou nada parecido para analisar o assunto mais profundamente.

 - Magnífico! – disse o inglês terminando o café.
 - Discordo! – retrucou Palermino - Não faz nenhum sentido - No que tornou o inglês:
 - E o que me diz da Mariana, aquela graciosa garota que todos adoram?
 - Não a suporto! Asseverou com as bochechas cheias.

Osório e o inglês gargalharam uníssonos entreolhando-se confidencialmente.
Magnus
Enviado por Magnus em 07/09/2007
Código do texto: T642756

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Magnus
São Paulo - São Paulo - Brasil, 31 anos
46 textos (2931 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/08/17 12:18)
Magnus