Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

À Filosofia

Ninguém me verá diante de suas retinas;
De tímpanos felinos ou de línguas tão felinas.
Ninguém me terá ao alcance das mãos;
De abraços poderosos ou na mente de pagãos.

Não filosofe aquilo que há em mim e não entendo;
Não encaderne meus mistérios, pois a ti eu não os vendo.
Por que dizes conhecer o que não sei dimensionar?
Conceitue-me se acreditas, mas não vá se enganar.

Estendidas minhas mãos dormirás com um problema;
Pois não vou te permitir minha vida em teorema.
A mente é minha, a vida é minha e eu sou o “simples” eu.
Tão complexo e tão sem nexo em seu mundo fariseu.

Se mesmo assim me conceituas, não me cabe desavença;
Pois caminha com tuas pernas, na ilusão de tua crença.

Nem retinas, nem a língua, nem o tímpano felino,
Deixaram-me decifrar quem eu sou desde menino.
Nem madeixas, todas brancas, me permitem te ajudar,
Abra os olhos de teu crânio e ali “caçar-me-á”.
Eduardo Tenório
Enviado por Eduardo Tenório em 12/09/2007
Código do texto: T649635

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Eduardo Tenório
Balneário Camboriú - Santa Catarina - Brasil, 53 anos
149 textos (5815 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/08/17 12:40)