Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

UNIDADE

UNIDADE

Ficamos a imaginar quantas honras serão conferidas ao infortúnio de um tempo sem fim: para recomeçar; para fazer girar os intentos agnósticos e superar os traumas interiores sem remédio ou remendo. Fazemos fluir tantas e quantas bobagens que nos perguntamos de onde vem toda essa profusão alucinada, empurrando-nos ladeira abaixo para o precipício do inacabado e do incontestável. Precisamos parar com o sonho estúpido do possível, porque precisamos abraçar esse dragão impiedoso chamado luta sem fim e sem trégua. Essa luta que machuca e faz despencar famílias, quando elas mais precisariam estar fortes em sua estrutura.
Em quanto tempo vamos contornar os pés dos assuntos antes dos mesmos explodirem em espirais, sufocando a resposta do que não se sabe e não se usa? Precisamos pensar em uma forma de perdoar a nossa dor de existir sem disciplina e sem caridade na alma por aqueles que a todo instante estão pendurados em nossa consciência a pedir consolo e ajuda e, nós, com todo o despudor de que somos capazes os ignoramos. Achamos estar acima do bem e do mal para qualquer receita recheada de contra-indicações em relação ao próprio homem, faminto de beber o sangue do próximo através da sua energia, que é tão única e verdadeira.
Quantas lembranças essa criança, dentro de você, controla para não vir à tona e mostrar que nem tudo está perdido, aliás, nada está perdido; o homem que cresceu e conheceu mundos ferozes e feios tratou de manchar a página do bom senso e da razão de sua missão. Enquanto SER, desvirtuou o canto da alma e fez aflorar as agonias da matéria.
Nada resta senão choro e lamento soluçante de uma tristeza infinita, tanto quanto infinita é a ferida do orgulho sempre aberta a absorver odores fétidos pairando nas cavas e covas dos transtornos de tantas vidas que trafegam de fronte aos nossos olhos inquiridores, por vezes, cruéis e sem perdão. Queremos pensar em dores da alma como carma de um passado, sempre desculpando a insensatez que move o homem à abstinência da culpa e dos atos culposos; que vira sempre a mesma esquina sem cuidado com quem vem para o abismo do inesperado e tromba com a truculência do acaso.
Elvira Pereira de Araújo



Elvira Pereira de Araújo
Enviado por Elvira Pereira de Araújo em 11/10/2007
Código do texto: T690119

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Elvira Pereira). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Elvira Pereira de Araújo
Natal - Rio Grande do Norte - Brasil, 53 anos
65 textos (4276 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/10/17 16:49)